Brasil fecha símbolo de degradação ambiental antes da Rio+20

Posted on 05 June 2012 by admin

Fabíola Ortiz

Rio de Janeiro, Brasil, 5/6/2012 , (IPS) – À véspera de receber a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que discutirá o rumo da economia verde, o Rio de Janeiro acabou com um de seus maiores crimes ambientais: o gigantesco lixão de Gramacho, na Baía de Guanabara.

Crédito: Fabíola Ortiz/IPS

 

Durante mais de três décadas, no lixão Jardim Gramacho, foram acumulados 60 milhões de toneladas de lixo sólido, criando uma montanha de 50 metros de altura, sem que houvesse tratamento ou contenção para mitigar a degradação ambiental da baía, ao norte da cidade do Rio de Janeiro.

Jardim Gramacho é um exemplo do problema das cidades brasileiras quanto ao manejo de seu lixo, que afeta muitas famílias em volta de improvisados lixões, além da área onde está situado.

“O Rio de Janeiro não admitirá mais violências contra o meio ambiente, como foi este crime ambiental que a cidade cometeu por muito tempo”, afirmou o prefeito Eduardo Paes, quando no domingo passado, junto com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, fechou o que é considerado o maior lixão da América Latina. Em um ato especial, um cadeado fechou o lixão, que chegou a ocupar 1,3 quilômetros quadrados, e na entrada foi colocado, simbolicamente, um cadeado.

Mas seu fechamento não põe fim aos danos ambientais gerados, como o vazamento de líquidos tóxicos no meio ambiente, disse à IPS a ecologista Vera Chevalier, diretora da organização não governamental Ecomarapendi. “Gramacho é o exemplo de um grave desastre ambiental no Brasil, que gerou um passivo impossível de ser ressarcido porque é impossível recuperar a área dos danos sofridos”, afirmou.

Quando foi instalado o lixão em 1978, em plena ditadura militar (1964-1985), projetava-se que receberia no máximo três mil toneladas de resíduos diariamente durante 20 anos. Mas, o fechamento de Jardim Gramacho foi adiado por mais 14 anos e nele eram depositadas diariamente cerca de nove mil toneladas de lixo. Seu fechamento foi finalmente forçado pela instituição em 2010 da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que obriga que antes de 2014 sejam eliminados todos os lixões localizados em áreas inapropriadas para esse fim.

O fechamento aconteceu faltando poucos dias para o Rio de Janeiro receber a cúpula Rio+20, entre 20 e 22 deste mês, duas décadas depois de ter recebido a Cúpula da Terra. Foi informado pelas autoridades que na área será instalada uma unidade para produção de biogás, a fim de transformar o metano em do lixo em decomposição em “gás verde”. Enquanto isso, o lixão será manejado por um Centro de Tratamentos de Resíduos Sólidos, instalado na cidade de Seropédica, a 75 quilômetros do Rio de Janeiro, que, segundo seus defensores, é o mais moderno da América Latina.

Gramacho representa um símbolo da degradação ambiental, social e de trabalho indigno. Cerca de cinco mil pessoas chegaram a sobreviver da reciclagem de seu lixo, que disputavam com os abutres e porcos, em condições de trabalho e de vida muito duras. Horas debaixo de sol e chuva, em jornadas de mais de 10 horas, em condições infames, esse era seu cotidiano. Cada reciclador tem sua própria história de sofrimento e doenças provocadas pelo contado diário com o lixo e pela contaminação aérea, em uim trabalho muitas vezes feito por mulheres.

Glória Cristina dos Santos, de 36 anos, começou como recicladora aos 11, onde tralhava com sua mãe e seus irmãos, para ajudar no sustento da família, que seu pai não poda atender sozinho com o trabalho de estivador. “Sou recicladora há 25 anos e minha adolescência foi terrível.

Grande parte da minha vida passei em Gramacho. Lembro que aos 18 anos era muito difícil andar pela cidade porque as pessoas evitavam o contato com a gente. Éramos empesteados”, contou. Agora, ela é representante de uma cooperativa de recicladores e foi uma das figuras mais ativas no processo de fechamento do lixão e na capacitação de suas colegas para garantir seu futuro em melhores condições de vida e trabalho. “Trabalhar em Gramacho nunca foi desonroso, é uma maneira de apoiar minha família. Agora, seguiremos na cadeia produtiva de reciclagem de uma forma mais organizada e segura”, afirmou Glória Cristina.

No último ano, restavam em Gramachjo 1.700 desses trabalhadores, dos quais 400 manifestaram o desejo de continuar com essa tarefa depois do fechamento do lixão. Na década de 90, muitos conseguiam US$ 600 mensais, mas nos últimos meses os que restavam conseguiam apenas metade desse valor. As autoridades municipais do Rio de Janeiro acordaram com as cooperativas que destinarão US$ 700 mil para indenizar os recicladores pelo fechamento do lixão.

O presidente de outra cooperativa de Gramacho, Sebastião Carlos dos Santos, o Tião, disse à IPS que é grande defensor da inclusão formal dos recicladores no mercado de trabalho. “É a primeira vez em 34 anos que vamos ter voz e sermos reconhecidos”, disse, antes de assegurar que “a nova política de resíduos sólidos vai acabar com os lixões, mas não com os recicladores”.

Não queremos que se faça a exclusão da exclusão. “Não defendo quem trabalha em um lixão de maneira desumana, com risco de sua vida e sua saúde”, lamentou Tião. “Espero que possamos deixar Gramacho da melhor maneira possível e mostrar que existe vida após sua desativação”, acrescentou.

Valdenir Pereira da Costa, de 29 anos, trabalha há 18 em Gramacho e até o dia do fechamento manteve a rotina de sempre no lixão. Mas, afirmou à IPS que não faz parte de nenhuma cooperativa e que terá de buscar outra forma de sobreviver. “Não sei bem para onde ir agora”, reconheceu Costa, que, como seus cinco irmãos, cresceu no lixão e cujo fechamento o deixa “um pouco órfão”.

Mas, apesar dos esforços, o governamental Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) adianta que o Brasil dificilmente poderá cumprir o compromisso de eliminar todos os lixões até 2014, porque no país ainda restam 2.906 lixões espalhados por 2.810 municípios.

“O desafio é enorme, mas é importante tentarmos fechar todas as áreas inapropriadas para depositar lixo”, disse à IPS um dos pesquisadores do Ipea, Albino Alvarez, que monitora a situação da gestão dos resíduos no país. Porém, adiantou que os lixões se manterão como uma dívida ambiental até 2020. Envolverde/IPS (FIN/2012)

Download PDF File

Download TERRAVIVA PDF File
Download TERRAVIVA PDF File   Download TERRAVIVA PDF File

 
ADVERTISEMENT
ADVERTISEMENT

 
Expo Milano
 

Photos from our Flickr stream

See all photos

RECENT VIDEOS

Terraviva talks to Giuseppe Sala, CEO of EXPO Milano 2015 Expo Milano 2015 is in Rio to kick off its global dialogue on food and energy. During a side on June 21, CEO Giuseppe Sala gives an overview of the Expo 2015 that will run from May to October in Milan, Italy.more >>.

Upcoming Events


 

RSS News from our partners

  • Are you ready to Connect4Climate?
    World Bank's social media campaign engaged African youth caring about climate change.
  • Natural capital accounting
    Thomson Reuters Foundation and the World Bank have jointly produced a video explaining the concept of “natural capital accounting” in the run-up to the Rio+20 summit on sustainable development. The seven-minute video news release (VNR) was created as part of a World Bank campaign for countries to carry through on promises to include the full [...]
  • IUCN World Conservation Congress
    IUCN, the International Union for Conservation of Nature, is a long standing member of COM+. It helps the world find pragmatic solutions to our most pressing environment and development challenges by supporting scientific research; managing field projects all over the world; and bringing governments, NGOs, the UN, international conventions and companies together to develop policy, [...]
  • IFC, Union for Ethical BioTrade Encourage Businesses to Protect Biodiversity in Latin America
    Rio de Janeiro, Brazil, June 17, 2012—IFC, a member of the World Bank Group, and the Union for Ethical BioTrade today announced an agreement at the Rio+20 Conference to increase private sector awareness of biodiversity and strengthen market frameworks for protecting it in Latin America. In addition to aiding environmental conservation, the partnership will help [...]
  • Rio de Janeiro e Banco Mundial lançam inédito Programa de Desenvolvimento de Baixo Carbono da Cidade
    RIO DE JANEIRO, 18 de junho de 2012 – A Cidade do Rio de Janeiro e o Banco Mundial lançaram hoje, durante a Cúpula dos Prefeitos – evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável-Rio+20 –, um programa pioneiro na esfera municipal para colocar em prática ações para o desenvolvimento de baixo carbono [...]

Sponsors and Partners of TerraViva Rio + 20


 
   
 
 
   
 
 

TerraViva is an independent publication of IPS Inter Press Service news agency. The opinions expressed in TerraViva do not necessarily reflect the editorial views of IPS or the official position of any of its sponsors or partners.
 

SOCIAL MEDIA


  • Warning: file_get_contents(http://twitter.com/users/show.xml?screen_name=ipsnews) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.0 404 Not Found in /home/gssn/public_html/ipsorg/TV/rio20/wp-content/themes/premiumnews/sidebar.php on line 360
    @ipsnews
    8174 followers