MÉDIO ORIENTE: Ser pacifista exige coragem

Posted on 22 October 2010 by admin

Yonatan Shapira. Credit: Mel Frykberg/IPS.

Mel Frykberg

Jerusalém, Israel, 22/10/2010, (IPS/TerraViva) – O ex-capitão da Força Aérea Israelense Yonatan Shapira, outrora fervoroso sionista que perdeu vários familiares no Holocausto, hoje é tachado de psicopata e criticado por muitos compatriotas devido à sua oposição à ocupação dos territórios palestinos.

Yonatan, de 38 anos, foi demitido de seu trabalho, insultado em público e até ameaçado de morte na seção de cartas do leitores nos jornais. Foi chamado de traidor, acusado de agredir oficiais das forças de segurança e foi interrogado por funcionários da agência de inteligência interna, a Shabak.

Israel costuma ser muito criticado pelo tratamento cruel contra os palestinos e pelo racismo inerente de sua sociedade, mas existe um crescente grupo de cidadãos que paga um alto preço por defender os direitos humanos e criticar a política do governo. Yonatan ocupou as primeiras páginas de vários jornais internacionais por integrar a tripulação do Irene, barco da organização Judeus pela Justiça que tentou, em setembro, romper o bloqueio contra o território palestino de Gaza e foi interceptado por comandos israelenses.

Havia numerosos israelenses e vários sobreviventes do Holocausto no barco. “Os oficiais separaram meu irmão mais novo, Itimar, e eu do resto dos passageiros. Era óbvio que procuravam por mim. Me aplicaram choques elétricos no ombro e um perto do coração, após terem tirado meu colete salva-vidas para facilitar a tortura”, disse Yonatan à IPS. Depois de confiscarem os equipamentos de filmagem, os passageiros foram levados a uma delegacia de Ashdod para interrogatório. Yonatan foi acusado de atacar um oficial, embora testemunhas neguem essa versão. Foi a segunda vez que o acusaram do mesmo ato.

No começo deste ano foi agredido por soldados israelenses durante um protesto contra o confisco de terras na aldeia palestina de Nabi Saleh, perto da cidade de Ramalá, na Cisjordânia. As imagens de vídeo provam que não foi assim. O que mais enraiveceu a segurança de Israel foi o que se conhece como Carta dos Pilotos, de 2003. Na época, Yonatan era capitão da Força Aérea de Israel, que idolatra seu exército. A carta escrita por ele foi assinada por outros 30 pilotos. “Os signatários abaixo não estão dispostos a continuar fazendo parte de ataques indiscriminados contra os palestinos nos territórios ocupados. Declaramos nossa rejeição a participar do que acreditamos serem atividades ilegais e imorais”, dizia a carta.

“Ouvi muitas histórias de brutalidade e assassinatos desnecessários. Mas o que realmente levou o assunto à carta foram os comentários do então comandante Dan Haluz sobre o bombardeio indiscriminado de um edifício em um bairro densamente povoado na cidade de Gaza, em 2002”, recordou Yonatan. No atentado com bomba contra a residência de Saleh Shehade, um comandante do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), morreram 15 pessoas, entre elas muitas crianças, e outras 150 ficaram feridas. “O que teria sentido quando o avião lançou a bomba foi um ligeiro tremor do aparelho”, respondeu Halutz ao ser consultado sobre seus sentimentos a respeito da morte de tantos civis.

Três meses depois da Carta dos Pilotos, o irmão mais velho de Yonatan, Zhoar, que pertenceu à unidade de elite Sayaret Matkal, assinou a Carta dos Comandos, que diz, mais ou menos, a mesma coisa. O irmão mais novo, Itimar, foi detido pelas forças de Defesa de Israel (FDI) por se negar a ir para a frente de batalha em 2006, na guerra contra o Líbano. “Nossa opinião mudou de forma drástica durante a segunda Intifada Palestina, que eclodiu em 2000, quando testemunhamos atos criminosos e manobras para encobri-los por parte das forças armadas. Minha mãe se tornou uma ativista política. Agora, passa muito tempo na Cisjordânia”, disse Yonatan à IPS.

A família de Yonatan se distanciou de suas raízes sionistas. “Meu pai foi comandante de esquadrão das FDI e participou das guerras de 1967 e 1982. Eu costumava lamentar não ter nascido antes para ter participado da guerra da independência em 1948”, afirmou. “Agora, creio que Israel é um Estado racista que ataca os palestinos nos territórios ocupados e discrimina os árabes israelenses. Com meus amigos, chegamos à conclusão de que a única forma de salvar este país de si mesmo é apoiando a campanha internacional Boicote, Desinvestimento e Sanções”, acrescentou Yonatan.

“O atual governo é o mais extremista e direitista que Israel já teve em toda sua história. Já não basta tentar mudá-lo de dentro. É preciso pressionar como se fez com o regime sul-africano do apartheid”, insistiu. A tendência direitista de Israel nos últimos anos se deve, segundo Yonatan, à dificuldade de apresentar-se como vítima do conflito com os palestinos, afirmou.

“foi criado sobre a base de sua condição de vítima e continuou usando essa alegação como ferramenta política diante das críticas, mas estas ganham força”, disse. O Estado judeu “tem duas opções: admitir as injustiças cometidas contra os palestinos e assumir sua responsabilidade ou continuar fazendo o papel de vítima e consolidar seu comportamento racista”, ressaltou Yonatan. Envolverde/IPS (FIN/2010)

Share

Leave a Reply

Advertisement - CAIXA

World Assembly of Migrants
TerraViva - 9 February 2011
TerraViva - 9 February 2011   TerraViva - 8 February 2011   TerraViva - 7 February 2011

Key Global Coverage on IPS NEWS

IPSNews Pictures on www.flickr.com
 

			Nnimmo Bassey - Friends of the Earth, Nigeria   
			Traders at the WSF   
			Seminar on Migration   
 

			The People Need to Take Leadership   
			WSF attracts global participation   
			Representatives from Western Sahara at the WSF   
Multimedia content Partners

Flamme d'Afrique     Panos Institute West Africa

World Social Forum