África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

China invoca o passado para internar-se na África
Antoaneta Becker

Londres, Inglaterra, 29/9/2010, (IPS) - Irritada por ser acusada de ser a nova potência colonial da África, a China lança mão da penetração cultural e de evidências de vínculos ancestrais com esse continente para justificar seu avanço econômico sobre ele. Arqueólogos da África e da China buscam em águas do Quênia um navio afundado no começo do Século 15 e outras provas do comércio entre ambos. Acredita-se que este barco fez parte de uma frota comandada pelo almirante Zheng He, um eunuco muçulmano da dinastia Ming que, segundo os chineses, chegou à África oriental antes do marinheiro português Vasco da Gama.

O projeto de exploração, que vai demorar três anos, começou em julho e é um símbolo dos esforços chineses para mostrar sua conquista atual da África como uma continuação da “viagem de paz e amizade” de Zheng. Os registros chineses indicam que sua frota tinha 300 embarcações e milhares de navegantes que sulcaram os oceanos Índico e Pacífico. A partir de 1405, o marinheiro fez sete viagens a Ásia, África e Oriente Médio.

Diz-se que chegou à costa do Quênia em 1418, carregado com mercadorias e presentes do imperador chinês. Acredita-se que o barco, que os arqueólogos buscam, naufragou quando voltava à China, transportando uma girafa como presente do queniano sultão de Malindi para os governantes chineses. “A viagem é verdadeiramente simbólica sobre quais eram então as intenções da China na África e quais são as de agora”, disse He Wenping, diretor de estudos africanos no Instituto de Estudos Sociais da Ásia Ocidental e África da Academia Chinesa de Ciências Sociais.

Nesse ínterim, Pequim se prepara para financiar mais pesquisas no continente, a fim de ajudar suas empresas e seus bancos a se expandirem ali. No mês passado, nasceu o Centro de Pesquisas China-África, na órbita do Ministério do Comércio. O objetivo do Centro é “dar uma base teórica para a tomada de decisões do governo chinês em relação à África”, disse Huo Jianguo, presidente da Academia Chinesa de Comércio Internacional e Cooperação Econômica, na inauguração. Também vai assessorar as empresas com planos de expansão de seus negócios na África, acrescentou.

“Durante muito tempo, nossa estratégia para a África se pareceu com nossa estratégia para o desenvolvimento econômico: cruzar o rio sentindo as pedras”, afirmou He. “Não estávamos preparados para ir à África e tivemos de pagar um alto preço, aprendendo com nossos erros. Mas agora estamos consolidando nossa estratégia e nos centraremos em aprender sobre a África e falar por nós mesmos”, acrescentou.

A China é o principal importador de matérias-primas minerais da África. Alguns críticos retratam sua incursão em países africanos como um “roubo”, o que gerou reações em seu próprio território. O projeto arqueológico destaca o desejo da China de divulgar que sua florescente relação com a África tem uma história muito mais longa do que se pensava, e que não se trata apenas de negócios, mas também de um legado histórico.

Até há poucos anos, os funcionários chineses gostavam de enfatizar o apoio da China aos movimentos de libertação africanos em sua luta pela independência e seu patrimônio comum. Mas agora os acadêmicos chineses consideram que os 60 anos de relações contemporâneas com a África não estão à altura da presença do Ocidente nesse continente desde o Século 15.

Muitos acadêmicos chineses destacam que a China carece da riqueza de conhecimento sobre a África que os países do Ocidente acumularam ao longo dos séculos. Sem os antecedentes religiosos compartilhados que vinculam os países africanos com os europeus, a China teve de lançar mão da história antiga em seus esforços para justificar sua expansão na África.

Consciente da necessidade de dar sua própria versão da história e do desenvolvimento entre os dois continentes, Pequim vem incentivando a criação de um Fundo de Pesquisas China-África que possa apoiar instituições e indivíduos em matéria de estudos africanos. Boa parte do que realizam atualmente os acadêmicos chineses é financiada por instituições internacionais e doadores do Ocidente.

Também se considera que os estudantes africanos terão um papel importante na formulação do novo discurso da China sobre a África. Nos últimos anos, o governo chinês incentivou mais estudantes africanos a estudarem no país, oferecendo milhares de bolsas de estudo. Em 2009, a China teve 120 mil estudantes africanos, dez vezes mais do que em 2000. Educados como as elites que governarão no futuro, a estes estudantes é ensinado chinês, engenharia, ciência e agricultura.

Tudo isto não passou despercebido na Europa, que a China ainda considera a África como seu “quintal dos fundos”. Segundo um informe de Chatham House de Londres, permite-se que recursos e conhecimentos sobre a África se desvaneçam nos governos, na academia e nos meios de comunicação do Ocidente.

“Sob a retórica da importância da África, os recursos diplomáticos e comerciais dedicados a ela ainda são reduzidos em muitas capitais ocidentais, o que leva a uma espiral descendente de ignorância e, portanto, de marginalização na conscientização estratégica”, escreveu o autor do informe, Tom Cargill. Se esta tendência não for revista, eliminará a vantagem comparativa dos paises ocidentais sobre a China na compreensão política e acadêmica da África. Envolverde/IPS

(FIN/2010)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Guerreros climáticos bloquean el mayor puerto de carbón del mundo
 Biodiversidad del Pacífico emerge en Domo Térmico de Costa Rica
 Se escribe el último capítulo de la lucha contra el VIH/sida
 El bambú es un arma poderosa contra el cambio climático
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
MÁS >>