África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ONU em cheque com crise na Costa do Marfim
Thalif Deen

Nações Unidas, 23/12/2010, (IPS) - A coerência da Organização das Nações Unidas (ONU) está sendo colocada à prova pela crise constitucional na Costa do Marfim, onde o presidente se nega a entregar o cargo ao vencedor das últimas eleições.

A situação se agravou com enfrentamentos entre militares leais ao presidente Laurent Gbagbo e rebeldes que apoiam o líder opositor Alasanne Ouattara.

Muitos se perguntam até quando o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ou o Conselho de Segurança, poderá se envolver em assuntos internos de um Estado soberano, mesmo se for constatada fraude nas eleições ou se Gbagbo persiste em sua negativa de reconhecer sua derrota.

Segundo o artigo VII da Carta da ONU, o Conselho de Segurança tem o direito de intervir em um país apenas quando existe uma ameaça à paz e à segurança internacionais. Porém, a crise da Costa do Marfim poderia ser considerada uma ameaça mundial se a situação persistir? A ONU está autorizada a enviar uma força intervencionista, aprovada pelo Conselho de Segurança, para colocar no cargo o presidente que considerar ser o certo?

Consultado sobre a legitimidade de uma eventual intervenção, o porta-voz das Nações Unidas disse à IPS: “É claro que estamos agindo segundo o mandato concedido pelo Conselho de Segurança”. Esse órgão de 15 membros, o mais poderosos da ONU, não só reiterou seu apoio ao “construtivo papel do secretário-geral”, como também condenou “nos termos mais fortes” os atos de violência na Costa do Marfim contra os soldados da paz da ONU, que somam mais de 9.100 nesse país africano.

Ao falar no dia 21, na Assembleia Geral, Ban alertou que a situação marfinense é “cada vez mais volátil. Há um risco real de retorno à guerra civil”, disse aos delegados, acrescentando que a força de paz da ONU – a Unoci – confirmou que mercenários, incluindo ex-combatentes da Libéria, foram recrutados para atacar determinados grupos da população.

O secretário-geral negou que as Nações Unidas estivessem violando a soberania da Costa do Marfim. “A ONU está ao lado da África contra esta tentativa de descarrilar o processo democrático e a vontade do povo marfinense”, afirmou. A reação internacional é esmagadoramente contrária ao presidente Gbagbo, claramente derrotado nas eleições do mês passado.

O vitorioso Ouattara, ex-alto funcionário do Fundo Monetário Internacional, é fortemente apoiado pela ONU e por vários organismos regionais, como a União Africana (UA), Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (Ecowas) e União Europeia. Contudo, o presidente derrotado continua aferrado ao poder com o apoio dos militares, que somam mais de 30 mil.

Consultada sobre a presença de mercenários, a embaixadora de Washington na ONU, Susan Rice, disse aos jornalistas esta semana que, “se isso se confirmar, será uma fonte de grave preocupação, não apenas para os Estados Unidos, como para todo o Conselho de Segurança”. A tensão entre a comunidade internacional e Gbagbo rapidamente se converte em uma prova de vontades.

Nos dias 18 e 19, o Conselho de Segurança estendeu o mandato da Unoci até 30 de junho de 2011. Na semana passada, a situação marfinense se agravou com ataques armados contra as forças de paz da ONU que davam segurança ao presidente eleito. Ban disse que as forças leais a Gbagbo obstruíam o movimento de pessoal das Nações Unidas e dificultavam as operações na Costa do Marfim.

“É uma flagrante violação das resoluções do Conselho de Segurança e do mandato da ONU”, acrescentou Ban. Diante deste “direto e inaceitável desafio” à legitimidade das Nações Unidas, a comunidade internacional não pode permanecer indiferente, ressaltou. Falando na condição de não ser identificado, um diplomata da ONU disse à IPS que “as Nações Unidas estão na Costa do Marfim para manter a paz, e o Conselho de Segurança autorizou uma operação com esse propósito”.

O representante especial do secretário-geral, Choi Young-jin, recebeu o mandato de certificar o resultado das eleições. Até agora, a ONU fez tudo certo, afirmou o diplomata. “Pode não ser de agrado para o titular (da Presidência marfinense), mas a posição da ONU é apoiada por UA, Ecowas e Conselho de Segurança”, destacou. Porém, reconheceu que, como a situação se deteriorava no terreno, havia um risco real de as forças da ONU ficarem presas no fogo cruzado entre as partes em combate.

“Qualquer ataque à ONU seria considerado uma ofensa à comunidade internacional e derivaria em sérias ações contra os responsáveis”, advertiu Choi. “Existe o temor de que, se as tensões não diminuírem, e a violência fugir ao controle, possam ocorrer assassinatos em massa e genocídios, exatamente o que queremos evitar”, afirmou. “O Conselho de Segurança tem de agir. É o órgão responsável por manter a paz e a segurança internacionais. Deve dar passos decisivos para acabar com a violência e restaurar a normalidade”, acrescentou. Envolverde/IPS

(FIN/2010)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Mujeres afrontan desafíos ambientales con ingenio en India
 Cuba exporta carbón vegetal de plantas invasoras
 Lucha por el sucesor de Mugabe frena el desarrollo en Zimbabwe
 La agroecología es la solución al hambre y al cambio climático
 La lucha contra la desnutrición se democratiza
MÁS >>