África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Reação social à crise política em Portugal
Mario Queiroz

Lisboa, Portugal, 17/3/2011, (IPS) - Os esforços para reduzir o déficit fiscal em Portugal e a obediência do governo socialista às determinações do conservador executivo alemão não acalmam os mercados, criaram uma crise política interna e uma reação social inédita.

O primeiro-ministro, José Sócrates, viajou a Berlim no dia 3 para garantir pessoalmente à chanceler alemã, Angela Merkel, que Portugal imporia novas restrições ao gasto público a partir de abril, que “está no bom caminho”, e que não precisa de um plano de resgate europeu para enfrentar sua crise de dívida.

Uma atitude que provocou uma chuva de críticas da direita e da esquerda contra Sócrates, que governa com minoria parlamentar, no que também ajudou a atitude de Merkel, que apoiou as medidas, mas disse que “é preciso ir mais além”. A esquerda parlamentar acusou o governo de “servilismo” diante da Alemanha. Nela estão o Partido Comunista, o Partido Ecológico Verde e o Bloco de Esquerda. A direita criticou o fato de Sócrates ter agido por contra própria, sem consultar o Legislativo e o presidente, Aníbal Cavaco Silva, quando as medidas adicionais oferecidas comprometem o futuro do país. O setor é integrado pelo Partido Social-Democrata (PSD) e Centro Democrático Social (CDS).

Na noite do dia 15, o governo admitiu que ainda não sabe quando poderá entregar à Assembleia Legislativa o projeto do novo Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC), que deve incluir as medidas adicionais de austeridades acertadas com Merkel e debatido no dia 11 em uma cúpula extraordinária da União Europeia (UE) em Bruxelas. A oposição foi unânime em condenar “a falta de respeito institucional” com o parlamento e qualificar de “inaceitável” a atitude do executivo, em uma frente que deixou isolado o governante Partido Socialista (PS).

Sócrates não descartou eleições legislativas antecipadas se a crise se agravar, durante entrevista à televisão no dia 15. “Se o parlamento votar contra o PEC, estará dizendo ao governo que não tem condições para apresentar-se em uma cúpula europeia com medidas para conseguir a consolidação do orçamento, o que significa que não tem condições para continuar e, nesse caso, deverá ser dada a palavra ao povo”, afirmou.

Ontem, o ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, alertou que tornar inviável a atualização do PEC é empurrar Portugal para a ajuda externa, em especial depois que a agência qualificadora Moody’s baixou dois níveis a classificação da dívida do país. Após a reunião extraordinária do Conselho Europeu do dia 11, o órgão dos 27 chefes de governo da UE se reunirá de forma ordinária nos dias 24 e 25, quando a situação em Portugal será novamente examinada.

O ataque por todos os lados contra o governo ocorre quando este sofre uma vertiginosa perda de credibilidade, após a imprensa nacional destacar as relações privilegiadas de Sócrates e seu chanceler, Luís Amado, com o líder líbio Muammar Gadafi. As denúncias incluem fotografias das visitas de ambos à tenda do ditador líbio. O governo deu uma resposta curta e pragmática: “se excluirmos as ditaduras de nossas relações, não poderemos comercializar com mais da metade da humanidade”. Seus porta-vozes recordaram, ainda, que 15% do petróleo consumido no país vem da Líbia.

As derivações políticas da instável situação econômico-financeira de Portugal não afetam apenas o PS, mas também o PSD e o CDS, partidos que ocuparam o poder desde a eleição do primeiro parlamento democrático em 1976, dois anos após o golpe militar de esquerda de 25 de Abril que abriu caminho para a democracia.

A situação gerou também uma reação social inédita neste país de 10,2 milhões de habitantes, que os principais colunistas analisam de forma comum: desde o dia 12, “nada mais é como antes” em Portugal. Nesse dia, entre 350 mil e 400 mil manifestantes ocuparam as ruas de 11 cidades para protestar contra o manejo da crise financeira do país, convocados por quatro jovens pela rede social Facebook.

Cerca de 200 mil pessoas, especialmente jovens, lotaram as principais praças e avenidas de Lisboa, 80 mil foram às ruas na cidade do Porto e entre oito e dez mil em outras nove cidades. A iniciativa foi de quatro amigos que convocaram os jovens da autodenominada “geração à rasca”, expressão popular portuguesa que pode ser traduzida como “geração em apertos”.

O protesto, inicialmente de jovens que enfrentam a falta de futuro profissional e a precariedade dos trabalhos existentes, inesperadamente foi apoiado por pessoas de todas as idades. Aposentados sobre os quais agora são aplicados impostos sobre suas modestas rendas e pessoas de meia idade que perderam seus empregos pelas drásticas medidas econômico-financeiras do governo, aderiram ao protesto.

Também era pedida a participação de “desempregados, ‘quinhentos-euristas’ (22% da população com salário de até 500 euros), outros mal remunerados, escravos disfarçados, subcontratados, falsos trabalhadores independentes, trabalhadores temporários, bolsistas, trabalhadores-estudantes, estudantes, mães, pais e filhos de Portugal”. Sob o lema “A rua é nossa”, o protesto não registrou nenhum incidente e com humor e alegria destacavam-se cartazes dizendo “aqui ninguém votou em Merkel”, “políticos gordos, povo magro”, “revolução precária”, “este país não é para jovens” e “minha crise é a precariedade”.

Alguns números explicam o sucesso do protesto, que pegou de surpresa partidos, sindicatos e outras organizações. Em Portugal, o desemprego oficial afeta 11,8% da população ativa, mas os sindicatos falam em 13,8%. Os trabalhadores temporários chegam a 14%, nível apenas superado pela Polônia, dentro da UE, enquanto em 30% das empresas não existe vínculo contratual com seus empregados, segundo a Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e Trabalho. O desemprego de universitários recém-formados menores de 35 anos é de 40,5%, o que explica que 25% destes jovens com diploma superior continuem vivendo na casa de seus pais.

Os analistas criticaram que por trás do movimento que promoveu o protesto não exista a demanda por uma reforma estrutural do sistema, mas só a cobrança de menos precariedade e mais trabalho. Um protesto baseado no desespero diante de um futuro incerto. José Vítor Malheiros, do jornal Público, de Lisboa, disse que o movimento ataca mais o Estado e os partidos, e revela “uma atitude singularmente acrítica sobre o funcionamento do capital, dos mercados financeiros e das empresas em geral”, sem apresentar propostas.

Paula Gil, uma das que convocou o protesto, destacou que o futuro do movimento começou na tarde do dia 12, com a abertura de um espaço de debate no Facebook, o “Fórum das Gerações”, que no final do dia contava com três mil adesões e no qual se pretende reunir “ideias para uma democracia mais participativa”. Envolverde/IPS

(FIN/2011)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Cultura de Cuba ya no es para cualquier bolsillo
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
MÁS >>