África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Nas águas do esgoto os medicamentos se convertem em veneno
Gunter Pauli*

Berlim, Alemanha, setembro/2011, (IPS) - As cidades que reciclam esgoto aumentam o involuntário consumo de medicamentos.

Na medida em que aumenta a escassez de água potável, a reciclagem de água recebe um estímulo. Embora exista certa lógica na recuperação de esgoto, numerosos remédios vão parar em todo o mundo em nossos sistemas de água potável. Ainda não compreendemos exatamente os efeitos precisos que isto tem na saúde humana, mas os estudos feitos sobre animais sugerem que nos encaminhamos para uma crise.

Medicamentos para metabolismo, antibióticos e hormônios sintéticos para controle da natalidade acabam em nossas águas superficiais e na água potável. Pior ainda, a presença de remédios no esgoto é tão importante que milhares de toneladas fluem anualmente para o mar e acabam absorvidos pelos peixes e outros mariscos que consumimos.

A produção de antibióticos está aumentando, já que mais de 50% do consumo mundial não é para tratamento médico, mas para engordar as vacas mais rapidamente.

Os remédios causam efeitos na reprodução e aparição de mutações genéticas, bem como más-formações na vida aquática. Por exemplo, resíduos do medicamento Prozac fazem com que os mexilhões machos procriem, enquanto os remédios contra hipertensão causam impactos negativos nos lagostins e caranguejos. A infiltração de antibióticos e antibactericidas, por sua vez, aumentam a resistência das bactérias.

Os medicamentos antitumores, usados na quimioterapia, causam mutações genéticas e más-formações. Há provas das alterações endócrinas provocadas na vida silvestre quando esta é exposta, ainda que apenas a pequeníssimas doses, de hormônios sintéticos. Os analgésicos, por exemplo, o ibuprofeno, e inclusive a nicotina, não são eliminados durante o processo para deixar a água potável. Cremos que controlamos a inalação passiva da fumaça do cigarro com a proibição de fumar em locais públicos. Mas agora parece que fumamos por meio de nossa água potável!

A cidade de Antuérpia, na Bélgica, tem mais cocaína em sua água potável do que qualquer outra cidade do mundo. Chegaremos a ser acusados do consumo de drogas pesadas apenas por hidratarmos nosso corpo?

As instalações convencionais para o tratamento da água potável são incapazes de eliminar os medicamentos. Há estudos que demonstram que a coagulação, sedimentação e filtragem da água eliminam apenas de 10% a 12% de ingredientes ativos. Esta porção se acumula no resíduo resultante do tratamento, que frequentemente é reciclada como adubo e acaba por novamente afetar nossa cadeia alimentar. Embora a filtragem com carvão ativado e o tratamento com ozônio possam eliminar até 75% desses elementos, ficamos expostos aos efeitos negativos dos restantes 25%.

Enquanto a água continuar sendo reciclada e re-reciclada nos que resultam ser circuitos fechados enquanto aumenta o consumo de remédios, a sociedade e o ecossistema estarão expostos a perigos de um amplo coquetel farmacêutico. Pode, então, ser uma surpresa que setores inteiros da população comecem a sofrer inesperadas mudanças de humor e até de comportamento sexual?

Pesquisadores na Filadélfia descobriram que havia 56 medicamentos na água potável já tratada. Quase 20 milhões de moradores da Califórnia do Sul estão expostos à ingestão indesejada de antiepiléticos e ansiolíticos. A água potável de São Francisco contém um hormônio sexual sintético difícil de se decompor. Infelizmente, a água engarrafada é água potável filtrada que se vende em uma embalagem de plástico (em geral, pouco amigável com o meio ambiente). E a maioria das empresas tampouco realiza análise em busca de remédios na água que vendem, E, inclusive, os sistemas de filtragem de água em nossas casas reduzem, mas não eliminam os medicamentos.

A única segurança é possuir um poço em uma bacia hídrica que possamos controlar, o que é para pouquíssimos.

É hora de se rever os sistemas sanitários e de busca de medicamentos efetivos. Como resultado destas preocupações legítimas a medicina tradicional e natural se torna mais relevante do que nunca. A iniciativa da Constituição do Butão de garantir a utilização da medicina tradicional a todos os cidadãos soa como uma decisão visionária. Como espalhamos medicamentos indiscriminadamente no meio ambiente, é urgente proporcionar novas pautas à indústria farmacêutica para o estabelecimento de datas de vencimento de seus produtos.

A resposta típica dos interesses econômicos implicados é que não há provas científicas de que a presença de medicamentos na água potável afete os seres humanos. O problema é que, quando forem entregues as provas completas e além de toda dúvida razoável, será muito tarde.

Portanto, parecem necessárias três iniciativas paralelas. Primeiro, todos os remédios devem incluir um mecanismo “gatilho” que assegure a desintegração das complexas fórmulas fora de sua embalagem.

Segundo, as estações para deixar a água potável e as instalações de engarrafamento devem ser equipadas para medir a presença de medicamentos. Embora no momento não seja possível obrigar todas as cidades a instalarem um mecanismo de reversão da osmose, que elimine 95% dos remédios e deixe apenas 5%, já que tal solução extrema aumentaria enormemente o custo da água, algo deve se feito. Por exemplo, mudar o projeto dos remédios, sem que o custo disso passe ao usuário.

Em terceiro lugar, talvez devêssemos, finalmente, enfrentar as causas que levam ao maciço consumo de pílulas. Chegou a hora de buscar uma vida mais sã e menos estressante. Enquanto as primeiras duas iniciativas podem ser decididas por todo governo responsável, a terceira deve ser tomada por todos antes que seja tarde demais. Envolverde/IPS

* Gunter Pauli é escritor e empresário nos campos da educação, ciências e artes. (FIN/2011)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>