África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Apesar da grande depressão, a economia verde dá passos de gigante
Hazel Henderson*

Saint Augustine, Estados Unidos, outubro/2011, (IPS) - “Nós reconhecemos as finanças como parte dos bens comuns globais”, afirma a organização Transforming Finance em uma declaração assinada por financistas profissionais de todo o mundo que criticam o atual “cassino” dos mercados de capitais.

O “financialização” produziu a bolha global da dívida. É necessário agora reduções para os donos de bônus e acionistas bancários e um freio aos especuladores, bem como o imposto de 1% sobre as transações financeiras para limitar a volatilidade e o comércio de “alta frequência” por meio dos computadores, que agora representam 60% das transações.

Entretanto, o poder das grandes finanças ainda domina os governos, força os contribuintes a pagarem os resgates, eleva os déficits públicos e exige “austeridade”, reduções nas redes de segurança, nos serviços públicos e nos postos de trabalho. A profissão econômica (nunca uma ciência) levou obcecadamente as finanças, os bancos e os mercados à confusão, ao utilizar arrevesadas matemáticas e desnecessárias complexidades para esconder a verdade: que a economia é política disfarçada.

Em meu livro Politics of the Solar Age (1981) descrevo os economistas como “apologistas que dão cobertura aos poderosos, justificam o privilégio, as estruturas e as políticas patriarcais”. Além disso, joguei por terra seus mitos: “os financistas não fornecem capital, são meros intermediários, porque o dinheiro não é riqueza mas um sistema de informação pensado para seguir o curso e levar a conta das transações humanas e o capital social e ambiental. Hoje em dia as misteriosas políticas da criação de dinheiro e de destinação do crédito dos bancos centrais e de seus comparsas nos mercados financeiros são as que manipulam a impressão de dinheiro. Estas bolhas globais de dinheiro de curso forçado, de crédito e de dívida fazem sofrer as economias reais do mundo”.

A série de reuniões internacionais que conduzem à cúpula Rio+20, que acontecerá em junho de 2012, se ocupa, finalmente, do cassino financeiro mundial. Os ministérios de questões sociais, saúde e ambientais, junto com organizações da sociedade civil estão enfrentando firmemente os bastiões das finanças, os bancos centrais e os ministérios de economia e seus acadêmicos.

Estamos vendo como os banqueiros lutam ferozmente para enfraquecer as reformas previstas na lei Dodd-Frank de 2010. Semelhantes jogos de poder são utilizados para atacar a Comissão Vickers do Reino Unido, que propôs reformas fundamentais no sistema bancário. As regras do Banco de Pagamentos Internacionais – chamadas Basileia III – exigem o aumento das reservas dos bancos para que possam se manter em caso de perdas também são atacadas, particularmente por Jamie Dimon, presidente do JPMorgan Chase, que as qualificou de “antinorte-americanas”. Um novo informe, denominado Treasure Islands, documenta como as operações bancárias em paraísos fiscais são utilizadas para evadir os impostos, não só naqueles citados pela lista negra da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE), como também, por exemplo, na cidade de Londres e nos Estados de Delaware, Dakota do Sul e Oregon, nos Estados Unidos, onde milhares de corporações fixaram seu domicílio para evitar impostos, regulações e a divulgação de suas finanças.

A limpeza desta fossa negra financeira global é uma gigantesca tarefa que exige coragem e ampla cooperação. Contudo, investidores privados colocaram US$ 2,4 trilhões em setores verdes em todo o mundo desde 2007. A eliminação progressiva das escapatórias aos impostos e dos subsídios aos combustíveis de origem fóssil, à energia nuclear, ao etanol e aos que apoiam os bancos “muito grandes para quebrarem”, assim com seus resgates “pela porta dos fundos” por parte dos bancos centrais e sua impressão de dinheiro, agora está na agenda global.

Indicadores baseados em defeituosos coeficientes econômicos e monetários, como o produto interno bruto, estão sendo desafiados pelos mais amplos e multidisciplinares novos indicadores de qualidade de vida e bem-estar humano nos “tabuleiros de instrumentos”, que evitam os errôneos métodos macroeconômicos, como, por exemplo, o Better Life Index da OCDE, o Index of Wellbeing no Canadá, o PIB de Qualidade de Vida na China, e os Calvert-Henderson Quality of Life Indicators nos Estados Unidos.

Os livros de textos econômicos apoiam suas teorias apenas na atividade dos circuitos monetários e financeiros tradicionais e descartam a troca como “primitiva”. Porém, o truque eletrônico agora é um florescente e essencial elemento do comércio e da atividade bancária pela internet desde os telefones celulares na África, Ásia e América Latina, até sites de troca B2B como o Baidu na China, Prosper.com, Kabbaghe e outros sites de financiamento popular como o www.startupexemption.com nos Estados Unidos, Zopa na Grã-Bretanha e Craigslist, Freecycle e muitos outros ao longo de todo o mundo.

Aplaudimos todos esses esforços para reformar e evitar o cassino do capitalismo. Todas aquelas organizações preocupadas em manter o crescimento de economias sustentáveis, mais justas e verdes convergirão na Rio+20 em junho de 2012. Elas levarão consigo as esperanças de milhões de cidadãos de todo o mundo de conseguir um futuro comum melhor. Envolverde/IPS

* Hazel Henderson é economista norte-americana autora de Ethical Markets: Growing the Green Economy (www.EthicalMarkets.com) e coautora do índice sobre qualidade de vida Calvert-Henderson (www.Calvert-Henderson.com). (FIN/2011)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
 Hambre de flora y fauna en el joven sector privado de Cuba
MÁS >>