África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Apesar da grande depressão, a economia verde dá passos de gigante
Hazel Henderson*

Saint Augustine, Estados Unidos, outubro/2011, (IPS) - “Nós reconhecemos as finanças como parte dos bens comuns globais”, afirma a organização Transforming Finance em uma declaração assinada por financistas profissionais de todo o mundo que criticam o atual “cassino” dos mercados de capitais.

O “financialização” produziu a bolha global da dívida. É necessário agora reduções para os donos de bônus e acionistas bancários e um freio aos especuladores, bem como o imposto de 1% sobre as transações financeiras para limitar a volatilidade e o comércio de “alta frequência” por meio dos computadores, que agora representam 60% das transações.

Entretanto, o poder das grandes finanças ainda domina os governos, força os contribuintes a pagarem os resgates, eleva os déficits públicos e exige “austeridade”, reduções nas redes de segurança, nos serviços públicos e nos postos de trabalho. A profissão econômica (nunca uma ciência) levou obcecadamente as finanças, os bancos e os mercados à confusão, ao utilizar arrevesadas matemáticas e desnecessárias complexidades para esconder a verdade: que a economia é política disfarçada.

Em meu livro Politics of the Solar Age (1981) descrevo os economistas como “apologistas que dão cobertura aos poderosos, justificam o privilégio, as estruturas e as políticas patriarcais”. Além disso, joguei por terra seus mitos: “os financistas não fornecem capital, são meros intermediários, porque o dinheiro não é riqueza mas um sistema de informação pensado para seguir o curso e levar a conta das transações humanas e o capital social e ambiental. Hoje em dia as misteriosas políticas da criação de dinheiro e de destinação do crédito dos bancos centrais e de seus comparsas nos mercados financeiros são as que manipulam a impressão de dinheiro. Estas bolhas globais de dinheiro de curso forçado, de crédito e de dívida fazem sofrer as economias reais do mundo”.

A série de reuniões internacionais que conduzem à cúpula Rio+20, que acontecerá em junho de 2012, se ocupa, finalmente, do cassino financeiro mundial. Os ministérios de questões sociais, saúde e ambientais, junto com organizações da sociedade civil estão enfrentando firmemente os bastiões das finanças, os bancos centrais e os ministérios de economia e seus acadêmicos.

Estamos vendo como os banqueiros lutam ferozmente para enfraquecer as reformas previstas na lei Dodd-Frank de 2010. Semelhantes jogos de poder são utilizados para atacar a Comissão Vickers do Reino Unido, que propôs reformas fundamentais no sistema bancário. As regras do Banco de Pagamentos Internacionais – chamadas Basileia III – exigem o aumento das reservas dos bancos para que possam se manter em caso de perdas também são atacadas, particularmente por Jamie Dimon, presidente do JPMorgan Chase, que as qualificou de “antinorte-americanas”. Um novo informe, denominado Treasure Islands, documenta como as operações bancárias em paraísos fiscais são utilizadas para evadir os impostos, não só naqueles citados pela lista negra da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE), como também, por exemplo, na cidade de Londres e nos Estados de Delaware, Dakota do Sul e Oregon, nos Estados Unidos, onde milhares de corporações fixaram seu domicílio para evitar impostos, regulações e a divulgação de suas finanças.

A limpeza desta fossa negra financeira global é uma gigantesca tarefa que exige coragem e ampla cooperação. Contudo, investidores privados colocaram US$ 2,4 trilhões em setores verdes em todo o mundo desde 2007. A eliminação progressiva das escapatórias aos impostos e dos subsídios aos combustíveis de origem fóssil, à energia nuclear, ao etanol e aos que apoiam os bancos “muito grandes para quebrarem”, assim com seus resgates “pela porta dos fundos” por parte dos bancos centrais e sua impressão de dinheiro, agora está na agenda global.

Indicadores baseados em defeituosos coeficientes econômicos e monetários, como o produto interno bruto, estão sendo desafiados pelos mais amplos e multidisciplinares novos indicadores de qualidade de vida e bem-estar humano nos “tabuleiros de instrumentos”, que evitam os errôneos métodos macroeconômicos, como, por exemplo, o Better Life Index da OCDE, o Index of Wellbeing no Canadá, o PIB de Qualidade de Vida na China, e os Calvert-Henderson Quality of Life Indicators nos Estados Unidos.

Os livros de textos econômicos apoiam suas teorias apenas na atividade dos circuitos monetários e financeiros tradicionais e descartam a troca como “primitiva”. Porém, o truque eletrônico agora é um florescente e essencial elemento do comércio e da atividade bancária pela internet desde os telefones celulares na África, Ásia e América Latina, até sites de troca B2B como o Baidu na China, Prosper.com, Kabbaghe e outros sites de financiamento popular como o www.startupexemption.com nos Estados Unidos, Zopa na Grã-Bretanha e Craigslist, Freecycle e muitos outros ao longo de todo o mundo.

Aplaudimos todos esses esforços para reformar e evitar o cassino do capitalismo. Todas aquelas organizações preocupadas em manter o crescimento de economias sustentáveis, mais justas e verdes convergirão na Rio+20 em junho de 2012. Elas levarão consigo as esperanças de milhões de cidadãos de todo o mundo de conseguir um futuro comum melhor. Envolverde/IPS

* Hazel Henderson é economista norte-americana autora de Ethical Markets: Growing the Green Economy (www.EthicalMarkets.com) e coautora do índice sobre qualidade de vida Calvert-Henderson (www.Calvert-Henderson.com). (FIN/2011)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Â¿La hora del cambio entre Cuba y Estados Unidos?
 Finalmente, Guatemala juzgará a militares por esclavitud sexual
 La reforma política de Rousseff ya enfrenta trabas en Brasil
 Avance en negociación nuclear con Irán depende ahora de Rusia
 â€œUruguay promueve flexibilizar el Mercosur para fortalecerlo”
MÁS >>