África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ZIMBABUÉ
Agricultores eesolvem problemas da água agravados pelas alterações climáticas
Ignatius Banda

PLUMTREE, 03 de abril de 2012, (IPS) - O desejo de Beauty Moyo de ter acesso a água concretizou-se finalmente.

As chuvas que caíram na semana passada depois de um extenso período de seca despertaram esta agricultora em pequena escala, que vive numa zona profundamente rural em Plumtree, na fronteira do Zimbabué e do Botsuana, para a realidade das parcas chuvas, alterações climáticas e a resposta que ela e os seus conterrâneos podem dar.

Tal como acontece na maior parte do sudoeste do Zimbabué, Plumtree é conhecida pela baixa precipitação. Mas milhões de agricultores no país estão dependentes da agricultura alimentada pela chuva e dos alimentos que eles próprios produzem, o que deixa aldeões como Moyo com opções difíceis. “As chuvas que caíram esta semana fizeram regressar a esperança, visto que enterrámos o nosso próprio reservatório para recolha de água,” contou Moyo. Acrescentou que se juntara a outros vizinhos durante o ano para investirem as energias na escavação daquilo que parece ser um reservatório de água num campo de golfe em miniatura. “Esta ideia surgiu depois das pessoas terem chegado à conclusão que nos queixamos todos os anos devido às parcas chuvas e más colheitas,” explicou Moyo à IPS. O reservatório de água está a ser usado em actividades agrícolas, e os agricultores de subsistência referem que, em vez de regarem todo o campo com água, apenas regam plantas individuais. “É muito trabalho mas ajuda a conservar a nossa água,” afirmou Susan Mathebula, outra aldeã que trabalha no projecto com Moyo. “Tivemos chuvas intensas, algo a que não assistíamos há muito tempo, e inclusivamente geada, e conseguimos capturar a água neste pequeno reservatório construído por nós,” disse Mathebula à IPS. Embora a água potável seja retirada de locais como poços, Mathebula afirma que uma das principais preocupações é o uso da água para irrigação, visto que os agricultores plantam os seus próprios alimentos e não podem depender unicamente das chuvas para o milho e amendoins que plantam em pequenos campos.

Plumtree é uma das áreas situadas na cintura sudoeste que receberam intensas chuvas na última semana de Fevereiro, tendo o Departamento dos Serviços Meteorológicos indicado que o país podia esperar mais precipitação nos próximos dois meses.

A esperança está a regressar que a água que possuem irá garantir uma segurança alimentar adequada numa altura em que as agências humanitárias como o Sistema de Aviso Precoce contra a Fome – Rede (FEWS-NET) anunciaram no início do ano que milhões de Zimbabueanos iriam necessitar de ajuda alimentar.

As alterações climáticas e a falta de água são algumas das questões debatidas na sessão de duas semanas da Comissão das Nações Unidas para a Condição Feminina de 25 de Fevereiro a 7 de Março, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, que centrou a sua atenção na autonomização das mulheres nas zonas rurais e no seu papel na eliminação da pobreza e da fome e no desenvolvimento sustentável.

As agências de ajuda humanitária têm associado a insegurança alimentar às alterações climáticas que empurraram as chuvas no Zimbabué para o ano novo, quando muitos agricultores já tinham preparado a terra para o período de plantação no último trimestre do ano passado.

As chuvas começaram a cair em Fevereiro e os Serviços de Meteorologia anunciaram que os agricultores podiam esperar mais chuva nos próximos dois meses.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), as mulheres continuam a ser a vanguarda da agricultura nas zonas rurais, onde vivem 70 por cento dos Zimbabueanos, e as iniciativas implementadas pelas comunidades como a criação de reservatórios levadas a cabo por Moyo, Mathebula e outros aldeões apenas realçam as difíceis circunstâncias em que se encontram estas mulheres, que recebem pouca ajuda do governo e das organizações não governamentais.

Josephine Conjwayo, técnica de campo do Ministério da Agricultura que trabalha com os pequenos agricultores, afirmou que o aproveitamento de água para a agricultura pelas comunidades rurais em resposta aos desafios colocados pelas alterações climáticas tem sido limitado pela falta de especialistas nas zonas rurais.

“Em todas as áreas (em Matebeleland) que visitámos para avaliar as actividades agrícolas, é normal a existência do problema da baixa precipitação e das más colheitas. O armazenamento da água da chuva é uma das medidas que encorajamos, mas essa água tende a acabar rapidamente visto que as pessoas a usam para outros fins que não a actividade agrícola,” explicou Conjwayo.

O que tem exacerbado os desafios enfrentados pelos pequenos agricultores como Mathebula é a incapacidade do governo e das organizações agrícolas de criarem estratégias para os pequenos agricultores em resposta às alterações climáticas, obrigando os aldeões a formularem as suas próprias iniciativas.

O Sindicato dos Agricultores Comerciais do Zimbabué afirmou que os pequenos agricultores estão a produzir a maioria do milho consumido nas zonas urbanas, tendo em conta que estes mesmos agricultores não vendem o seu produto através do Conselho de Marketing dos Cereais, e lamentou ainda a ausência de apoio governamental para os agricultores.

No ano passado, a Rede de Conhecimento sobre o Clima e o Desenvolvimento firmou uma parceria com o governo do Zimbabué para desenvolver uma política de alterações climáticas. De acordo com o estudo inicial, prevê-se que haja uma mudança nos padrões de pluviosidade, assim como um aumento das temperaturas e fenómenos climáticos extremos como cheias e secas.

São estas as condições que afectam os aldeões de Plumtree, e Methebula, Moyo e muitos outros respondem da única maneira que sabem: tomar decisões rapidamente.

“O que podemos fazer aqui é muito pouco,” disse Moyo à IPS. “Mas esperamos que a água que acumulamos dure o tempo suficiente até as colheitas estarem desenvolvidas,” afirmou, à medida que tratava da pequena colheita de milho que começava a germinar depois das chuvas recentes.

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 África necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>