África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

AMÉRICA LATINA
Economia verde ou energia limpa com equidade
Humberto Márquez

Caracas, Venezuela, 10/4/2012, (IPS) - A América Latina e o Caribe formam uma região com potencial para desacoplar seu crescimento do consumo de combustíveis fósseis e passar para uma economia verde baseada em energias mais limpas, mas com a condição de reduzir as brechas sociais.


Crédito: Danilo Valladares/IPS

“Um em cada três latino-americanos vive na pobreza e quase 90 milhões sobrevivem com menos de um dólar por dia, por isso precisamos de um crescimento sustentado, mas com maior igualdade e ambientalmente sustentável”, disse à IPS o secretário permanente do Sistema Econômico Latino-Americano e do Caribe (Sela), José Rivera.

Para Rivera, “não se trata de mudar da noite para o dia os padrões de produção e consumo, mas de avançar nessa direção, construindo consensos regionais para investimentos, políticas públicas, incentivos, subsídios, normas, trabalho de formação e conscientização, além da cooperação internacional.

O Sela, que reúne 28 Estados latino-americanos e caribenhos, produziu um estudo que assume, como condição básica para “deixar verde uma economia marrom”, o estabelecimento de uma nova matriz energética na região, apressando a passagem de uma economia baseada na energia de carbono para outra, de energias renováveis e limpas.

Ao examinar a atual matriz energética, o estudo constatou que em 2009 a região produziu o equivalente a 7,424 bilhões de barris de petróleo (de 159 litros cada), 80% dos quais baseados em hidrocarbonos e carvão. A distribuição por tipo de combustíveis foi a seguinte: 50,2% petróleo, 23,9% gás, 10,8% biomassa (lenha e cana, com 5,4% cada uma), 6,6% hidroenergia, 6% carvão mineral, 1,3% o conjunto de eólica, solar e outras renováveis, 0,6% nuclear e 0,6% geotérmica.

Os principais países produtores são México com 24,7%, Brasil com 22,9%, Venezuela 20,4%, Colômbia 9,8%, Argentina 7,7%, Trinidad e Tobago 4,2%, e Equador com 2,8%. A Venezuela é líder na produção de petróleo, seguida de México e Brasil. O México é líder em gás, seguido de Argentina e Trinidad e Tobago, enquanto a Colômbia produz três quintos do carvão, o Brasil lidera na produção de lenha, cana, hidroenergia e outras energias renováveis, o México em geotermia, e Brasil e México são produtores nucleares. Do conjunto da oferta energética regional, 74,4% tem origem em fontes não renováveis e 87,6% são de energias muito contaminantes, com altas emissões de dióxido de carbono (CO²).

A América Latina “tem enormes possibilidades de contar com uma energia mais verde, começando pelo grande potencial de energia hidrelétrica, primeiro no Brasil e depois na Venezuela, México, Colômbia, Paraguai e Argentina”, explicou à IPS o especialista Juan Carlos Sánchez, do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC).

Só a Venezuela, com capacidade hídrica e térmica para gerar 20 mil megawatts/hora de eletricidade, poderia instalar capacidade para outros 100 mil megawatts/hora de fontes hídricas, eólicas e de biomassa. Outras fontes para as quais há grande potencial, segundo Sánchez, embora exijam fortes investimentos ainda muito incipientes, são as energias solar e eólica.

“Contudo, ao se tratar de fontes chamadas verdes, independente de serem renováveis ou não, é imprescindível considerar todas as implicações, como é o caso dos agro ou biocombustíveis, como bioetanol ou biodiesel, causadores de problemas terríveis de posse e uso da terra, mais contaminação por agroquímicos, o que também leva a problemas sociais muito sérios”, destacou Sánchez.

O agrônomo Edgar Jaimes, professor titular da venezuelana Universidade de Los Andes, observou que “a economia verde constitui uma nova visão capitalista do mundo, cujo objetivo principal é utilizar a biomassa terrestre com a finalidade última de continuar potencializando os sistemas produtivos, que nos últimos 50 anos depredaram e exploraram os bens naturais e o próprio homem”. “A produção primária do planeta ultrapassa os 250 bilhões de toneladas de biomassa ou matéria viva. Apenas 62 bilhões de toneladas são usadas para atender as necessidades humanas e industriais atuais. A diferença fica para o novo modelo ‘verde’, com fins de renda ou lucro capitalista”, afirmou.

Com essas advertências, a região da América Latina e do Caribe “deve buscar a forma de passar para um crescimento sustentável. Existe consenso de que a economia baseada em carbono está chegando ao seu limite”, afirma o Sela. Julio Centeno, também professor na Universidade de Los Andes, resume que “se trata de desacoplar a energia do consumo de combustíveis fósseis e levá-la para energias mais limpas, um desafio para nações como as da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep)”, cujos sócios regionais são Venezuela e Equador.

O Sela alerta que “é necessária a intervenção direta do Estado por meio de políticas públicas que facilitem e incentivem a transição, mas não só isso: o tema está na necessidade de fazer uma transição inclusiva”, pois “são precisos ajustes para garantir o emprego e a capacitação” a fim de trabalhar na economia verde. Também se necessitará dar atenção especial aos setores produtivos que poderiam perder viabilidade ao se desfazerem dos combustíveis fósseis e abraçarem energias mais limpas.

O Sela propõe aos Estados da região começar um inventário dos elementos que devem integrar uma matriz de economia verde, para poder elaborar políticas que sustentem a transição. Também recomenda elaborar um estudo sobre o capital natural (bens e serviços ambientais disponíveis) na região e sua relação com a energia do carbono, e definir áreas temáticas e projetos que possam somar as vantagens comparativas tanto regionais como de cada país.

Além disso, a região deveria estabelecer mecanismos de acompanhamento destas políticas e destes projetos, coordenar suas ações, desenvolver programas de cooperação Sul-Sul sobre economia verde e identificar fontes de financiamento para seus novos projetos. A caminho da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que acontecerá entre 20 e 22 de junho no Rio de Janeiro, Rivera propõe que a região adote e desenvolva seu próprio decálogo de marcha para uma economia verde no contexto da nova Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
 Hambre de flora y fauna en el joven sector privado de Cuba
MÁS >>