África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Espanha necessita da América Latina
Tito Drago

Madri, Espanha, 11/4/2011, (IPS) - A cooperação entre Europa e América Latina é essencial para a Espanha em vários aspectos, como economia, relações sociais e política internacional, segundo o ministro da economia espanhol, Luis de Guindos.

O ministro destacou o papel do Brasil, “uma potência mundial”, cuja influência nas relações internacionais é cada vez maior, “e que para essas relações hispano-latino-americanas é transcendente”.

Nessa linha, Guindos considerou muito importante avançar para uma consolidação da Comunidade Ibero-Americana, integrada pelos países de fala espanhola e portuguesa da América e da Europa, que anualmente realizam uma reunião de cúpula. A próxima será nos dias 16 e 17 de novembro em Cádis, sudoeste da Espanha. Essa Comunidade também deve fortalecer muito mais suas relações econômicas, financeiras, políticas, culturais e científicas, para impulsionar o desenvolvimento e a estabilidade de seus países-membros, disse o ministro.

Um exemplo do que se deve fazer foi dado pela Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia (UE), ao enviar ao Parlamento Europeu e ao Conselho da Europa, no dia 30 de maio de 2007, um comunicado intitulado “Para uma associação estratégica UE-Brasil”. Nela propõe que o bloco de 27 países apoie medidas “flexíveis” necessárias para reduzir a pobreza e melhorar a situação econômica, política e ambiental da agora sexta potência do mundo.

O documento também destaca que “a primeira prioridade consiste em estimular os intercâmbios, os contatos e a transferência de conhecimentos técnicos entre a UE e o Brasil, para melhorar a inclusão social, reduzir as desigualdades e aumentar os conhecimentos mútuos”. As relações da UE e em especial da Espanha com a América Latina e o Caribe também é muito importante para enfrentar a dramática crise econômica e social que afeta este país e outros do bloco europeu, afirmou o ministro, membro do governo do direitista primeiro-ministro Mariano Rajoy, no poder desde dezembro.

Guindos antecipou em uma intervenção ontem, em um ato no Fórum Europa, que o produto interno bruto espanhol se manteve em queda no primeiro trimestre do ano, em um nível “muito semelhante” ao do trimestre anterior, quando a economia se contraiu em três décimos. Também reconheceu que tanto a contração econômica como o desemprego, que afeta mais de cinco milhões dos 47 milhões de habitantes do país, 23% da população ativa, não vai melhorar durante o ano, embora tenha destacado não acreditar que a situação “possa ficar muito pior” do que a atual.

O ministro qualificou de “inevitável” o inédito ajuste fiscal estabelecido para este ano, por causa do “inaceitável déficit” herdado pelo novo governo. Também defendeu a redução do gasto em cerca de 20%, como base para impulsionar o crescimento econômico e as reformas necessárias, além de enfrentar “as atribulações dos mercados”. Sobre a América Latina, o ministro destacou que a região, nesta conjuntura tão negativa para a União Europeia, pode ter um papel especial para que o bloco desenvolva suas relações econômicas, comerciais e financeiras com a China, país que avança para se transformar na grande potência mundial.

Sobre isto, Alfredo Sáenz, conselheiro-delegado do Banco Santander, um dos maiores da Espanha, com presença destacada na América Latina, afirmou que “os laços comerciais e de investimento” que a China mantém com essa região criarão grandes oportunidades de negócio para seu banco. José Galán Zazo, professor da Universidade de Salamanca, considerou que antes de 2015 a China substituirá a UE como segundo sócio da América Latina, atrás dos Estados Unidos.

Diante disso, acredita que “se posicionar na China é ir pisando terreno daquela que será a locomotiva do Século 21 e isto gera tanto riscos quanto oportunidades”. Um exemplo já pode dar a privada companhia Telefonica da Espanha, com forte presença na América Latina e que já estabeleceu uma aliança estratégica com a China Unicom. As duas operadoras contam conjuntamente com 640 milhões de clientes no mundo e oferecem cobertura na Europa, Ásia e América Latina. A Telefonica tem 9,6% do capital da China Unicom, que, por sua vez, possui 1,37% da operadora espanhola.

No entanto, o melhor exemplo da forte presença espanhola na América Latina é dada por seus dois grandes bancos, Santander e Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA), que obtêm nessa região cerca de 50% de seu lucro. Os participantes do Fórum Europa consideraram que um país com a Espanha, sem perspectivas de reencontrar o caminho da recuperação econômica e social até quase o final de 2013, pode melhorar sua situação se intensificar suas ligações com as áreas dinâmicas do Sul, em especial os países latino-americanos. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 ISIS Complicates Iran’s Nuclear Focus at UNGA
 Surprisingly Equal, Surprisingly Unequal
 OPINION: Fighting ISIS and the Morning After
 Nuclear Deal with Iran Likely to Enhance U.S. Regional Leverage
 U.S. Ground Troops Possible in Anti-ISIS Battle
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Crece el respaldo mundial a fijación de precio del carbono
 Estado Islámico pesa en la negociación nuclear con Irán
 El azúcar cubano adquiere protagonismo energético
 Gestión marítima de Barbuda se olvida de los pescadores
 ONU insta a reafirmar derechos reproductivos en agenda post-2015
MÁS >>