África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Especialistas em defesa da Unctad
Gustavo Capdevila

Genebra, Suíça, 13/4/2012, (IPS) - A razão do ataque contra a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) é que os países ricos não aceitam a existência de uma organização que seja independente em sua análise, afirmou à IPS o brasileiro Rubens Ricupero, que foi seu secretário-geral entre 1995 e 2004.


Crédito: Unctad
Publicidade da XIII período de sessões da Unctad, que acontecerá em Doha.
A Unctad sofre nas últimas semanas uma ofensiva por parte de potências do Norte industrial que pretendem modificar seu mandato, voltado, desde seu nascimento em 1964, para a defesa dos interesses das nações pobres. Segundo funcionários do Sul, as nações do Norte industrializado acreditam que os conselhos da agência em matéria de finanças, meio ambiente, segurança alimentar, direitos de propriedade intelectual e desenvolvimento contradizem sua agenda liberal e de mercado.

Meia centena de ex-altos dirigentes da Unctad, incluído Ricupero, assinaram uma declaração divulgada no dia 11, em Genebra, em um encontro com cinco jornalistas, o da IPS entre eles, no qual denunciam a tentativa de reduzir ao silêncio este organismo da Organização das Nações Unidas (ONU). Um dos signatários do texto, o pesquisador turco Yilmaz Akyuz, atribuiu a intenção de amordaçar a Unctad “aos principais países” da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), também conhecida como “o clube dos ricos”.

O ataque acontece quando “se necessita desesperadamente” de um debate de ampla participação sobre a governança das finanças internacionais e, em geral, de toda a economia mundial, disse Akyuz, atual assessor econômico do não governamental Centro Sul e chefe e ex-economista chefe da Unctad.

A declaração coletiva recorda que as análises da Unctad sobre aspectos da macroeconomia global, com uma perspectiva do desenvolvimento, durante anos deram uma visão alternativa aos pontos de vistas apresentados pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial, “controlados pelo Ocidente”. Nessas investigações, a Unctad foi notando a influência crescente das finanças sobre a economia real, previu a crise do México (1994-1995), previu a crise da Ásia oriental de 1997 e antecipou a bancarrota financeira e econômica da Argentina em 2001, recorda o documento.

Nenhuma organização previu a crise global atual e nenhuma possui a varinha mágica para resolvê-la, admite o texto. Mas, é inquestionável que a presente crise teve origem e se expandiu com maior amplitude entre os países que agora suprimem o debate sobre políticas econômicas globais, apesar de seu manifesto fracasso nessa matéria, prossegue a declaração.

John Burley, alto diretor da Unctad durante 17 anos, disse que ofensiva dos países ricos aponta para princípios profundos, com a pluralidade de pontos de vista no sistema internacional e a liberdade de palavra na organização. Este ataque, que se dirimirá no XIII período de sessões da instituição, entre 21 e 26 deste mês em Doha, no Catar, não é o primeiro, recordou Burley.

A experiência de Ricupero é reveladora. “Quando cheguei à Unctad, em 1995, já estava em marcha uma conspiração dos suspeitos de sempre, os países ricos, não para mudar o mandato como agora, mas simplesmente para suprimir a organização que jamais aceitaram desde sua criação”, contou Ricupero à IPS em uma entrevista no dia 10. O pretexto na época era a criação, meses antes, da Organização Mundial do Comércio, que supostamente tornava a Unctad supérflua.

“O indício claro do que afirmo é o fato de a secretaria geral ter ficado vaga por quase um ano, coisa que nunca antes havia ocorrido e nem voltou a ocorrer”, acrescentou o brasileiro. Essa ofensiva foi superada mediante uma vigorosa reação “que travamos com o apoio de muitos países em desenvolvimento”, ressaltou Ricupero.

Em particular, este político e diplomata mencionou o apoio da África do Sul que, sob a presidência de Nelson Mandela (1994-1999) estava no apogeu de seu prestígio internacional. A realização, em 1996, da IX sessão da Unctad na cidade sul-africana de Midrand, liquidou a conspiração por um tempo, segundo Ricupero. Os ataques voltaram mais tarde sob outras formas, quase sempre com tentativas de diminuir o mandato da instituição, recordou.

“Não é segredo para ninguém que ao longo das últimas décadas a Unctad se viu privada da possibilidade de trabalhar em áreas que foram sua razão de ser no início, como é o caso dos produtos básicos”, destacou Ricupero. E lembrou que os pretextos para as ofensivas dos países ricos variaram com o tempo. Costuma estar disfarçadas sob o falso argumento da falta de eficácia da secretaria ou da duplicação de esforços com outras agências.

Porém, Ricupero acredita que a verdadeira razão seja muito diferente. “Os ricos não gostam da existência de uma organização que foge ao seu controle, que seja independente em suas análises, que dê conselhos aos africanos, por exemplo, contra as tentativas neocolonialistas da França e dos europeus em geral”, afirmou.

“Quanto mais a realidade demonstra que a Unctad tinha razão em suas previsões, em relação aos riscos da globalização financeira, por exemplo, mais tentaram silenciá-la os que são cúmplices dos responsáveis pelo lamentável estado de anarquia do sistema monetário e financeiro internacional”, denunciou Ricupero. Contra esse perigo, que continuará presente, só existe uma arma, “a unidade e a vigorosa reação dos países em desenvolvimento”, enfatizou.

Infelizmente, todas as vezes que os ricos conseguiram reduzir o poder da Unctad a culpa principal foi “a realtiva falta de interesse ou de preparação, a ineficácia, a falta de presença ou de valor” dos que deveriam ser os primeiros interessados em defender “a organização que existe para servir aos pobres sem defesa no mundo”, concluiu Ricupero. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El tic-tac diplomático encubre la agresión de Israel a Gaza
 La maldición de la mala alimentación ronda a Nepal
 La tenencia local de los bosques mitiga el cambio climático
 Ley venezolana contra discriminación a portadores de VIH
 Los niños de Iraq sufren la peor parte de la guerra
MÁS >>