África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Agricultores de Serra Leoa ouvem os sons do progresso
Damon Van der Linde

Lambayama, Serra Leoa, 16/4/2012, (IPS) - Na comunidade de Lambayama, em Serra Leoa, os arrozais adentram na paisagem até serem abruptamente interrompidos pelas distantes colinas.


Crédito: Damon Van der Linde/IPS
Emmanuel Kargbo trabalha com um arado a motor que foi dado pela cooperativa agrícola à qual pertence.
Não fosse por uma estrada asfaltada que traça uma linha cinza no vale verde, a região estaria quase igual era há um século. Quase. Sob o som dos insetos e do vento ao mover as folhas, ouve-se o distante zumbido da máquina usada para lavrar a terra, sinal da mudança gradual que vem ocorrendo no modo de cultivar e de vender o alimento básico desta nação do ocidente africano.

O Programa de Comercialização para Minifundiários tenta fazer com que os agricultores locais voltem a ter o controle do cultivo mais consumido no país. Este programa, administrado pelo governo e com apoio da União Europeia está em seu quinto ano de funcionamento, e os produtores dizem que estão apenas começando a descobrir que com a agricultura se pode fazer dinheiro.

"Antes não havia lucro. Tínhamos o suficiente para comer, mas não para vender", disse Zainab Makabu, que começou a cultivar arroz para manter seus quatro filhos. "Agora colhemos, vendemos uma parte, pagamos a escola das crianças e comemos o restante. Sem isto não poderia educar meus filhos", afirmou.

Os serra-leoneses costumam dizer que se não comem arroz é como se não tivessem se alimentado. Os dados mais recentes mostram que pelo menos 40% deste alimento ainda é importado de países como Paquistão, Tailândia e a vizinha Guiné. Aumentar a produção local não só ajuda a manter os preços mais estáveis como também promove a segurança alimentar nacional.

A agricultura contribui com cerca de 50% do produto interno bruto do país e é o principal sustento de 75% da população economicamente ativa. De todo modo, a maior parte da pequena agricultura de Serra Leoa é de subsistência: come- se o que se produz, ou se vende sem que o processo gere muito dinheiro.

O Programa de Comercialização tenta mudar a maneira como operam os agricultores por três vias: mecanização da produção, organização dos indivíduos e promoção dos negócios. Por meio do Programa, os agricultores recebem sementes, máquinas, fertilizantes e treinamento. O objetivo é aumentar o rendimento dos cultivos e fornecer mecanismos que facilitem a venda do produto no mercado.

"No passado, os agricultores plantavam apenas para se alimentar. Não tinham mentalidade empresarial", destacou Joseph Tholly, funcionário agrícola distrital para a comunidade de Lambayama. "Antes só se via idosos trabalhando na agricultura, mas agora também vemos jovens que participam das diferentes fases da comercialização", acrescentou.

A guerra civil de Serra Leoa (1991-2002) prejudicou muito os pequenos agricultores. A maior parte dos choques aconteceu em áreas rurais, obrigando muitos deles a fugirem de suas terras para Freetown. Porém, a capital está congestionada pelo trânsito e superpovoada, e não há trabalho para todos.

Segundo Tholly, o Programa de Comercialização tenta fazer com que as pessoas retornem às zonas rurais, atraídas por melhor pagamento e melhor qualidade de vida. E isso pode estar funcionando. Quando começou o programa, cerca de 10% da população deste distrito ganhava a vida na agricultura. Atualmente, essa porcentagem chega a quase 60%. "Aprendi a usar esta máquina e, no fim das contas, ganho muito mais dinheiro para mim e minha família. Não planejo fazer nenhum outro tipo de trabalho", declarou o agricultor Emmanuel Kargbo, de 26 anos.

No plano local, o Programa de Comercialização tem sua base no Centro Empresarial Agrícola. Estes complexos edifícios abrigam a maquinaria para colher e processar cultivos, armazenam o arroz antes da venda e funcionam com centros administrativos para as associações de produtores. Todos os anos cada agricultor faz uma contribuição de arroz, que o Centro vende e deposita o dinheiro em uma conta que usa, por exemplo, para manutenção dos equipamentos.

Em Lambayama, Joseph Fecah administra as finanças de um dos 108 centros empresariais agrícolas do país. Segundo ele, não só conseguiu gerar ganhos mediante o Programa de Comercialização para Minifundiários como também empregar o dinheiro para construir um depósito adicional sem ajuda do governo. "Isto é uma ampliação da agricultura tradicional. Inicialmente se faz em pequena escala, mas o governo nos incentiva a praticarmos a agricultura em grande escala. Temos dinheiro constantemente. No momento estamos bem", enfatizou Fecah.

A União Europeia apoia iniciativas de desenvolvimento em Serra Leoa há 40 anos e participa do programa de pequena agricultura desde sua criação. Por meio do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural, a UE doa anualmente 16 milhões de euros (US$ 21 milhões) para capacitação e investimento em iniciativas como o Programa de Comercialização para Minifundiários. Envolverde/IPS(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>