África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

França na encruzilhada
Joaquín Roy*

Miami, abril/2012 , (IPS) - Os recentes assassinatos (três estudantes judeus, seu professor e três paraquedistas) não só têm um impacto nas eleições na França, no dia 22, como removerão o tecido social neste país, sempre em delicada situação

Porém, outros fatores podem fazer uma nova vítima no contexto europeu mais amplo. Estas eleições presidenciais extrapolam o cenário gaulês. Muito dependerá de como se comportar a dupla de candidatos principais (Nicolas Sarkozy e François Hollande), sobretudo quando Marine Le Pen e outros desaparecerem, no inevitável segundo turno do dia 6 de maio.

O reaparecimento do fantasma do racismo pode piorar com a divisão da França diante da empresa europeia e com uma repetição do "não" diante do projeto constitucional.

Os incidentes racistas que ressuscitaram em diversos países da União Europeia (UE) são uma ameaça contra a essência da reabilitação do continente após a debacle da Segunda Guerra Mundial. Parece que não houve cautela.

O holocausto começou culpando convenientemente umas minorias pelas sérias crises da década de 20 no século passado. Além dos casos concretos de discriminação e violência exercidas contra imigrantes, não por casualidade de raízes africanas e ciganas, também o racismo se reflete nos estádios de futebol, sem que os clubes nem as federações demonstrem saber como atacar o câncer.

O fenômeno é complexo. Mas as leis são cristalinas e é imperativo cumpri-las e punir as violações de maneira contundente.

A debilidade das instituições europeias para enfrentar os casos explícitos do governo francês foi um aviso do que pode vir. O fato de não ter respondido com firmeza às deportações coletivas de Sarkozy, decretadas há meses contra cidadãos romenos, foi um sinal de que o crime não compensa.

Curiosamente, as vítimas de ataques em outros países são precisamente os imigrantes que deveriam constituir a força de trabalho necessária para equilibrar a envelhecida demografia europeia com salvaguarda fiscal do Estado de bem-estar.

A pergunta principal para o contexto amplo da democracia europeia (que cremos incólume) é a avaliação do possível impacto deste crime racista nas eleições francesas. A resposta preliminar é que o mais prudente será esperar seu desenvolvimento, a contagem final e a pesquisa científica da atitude dos eleitores.

No momento, podemos apenas especular sobre duas dimensões. Uma é o manejo que Sarkozy faz das circunstâncias. É evidente que saiu fortalecido ao enfrentar de frente o desafio. Outra é a atitude, prudente e corretíssima, que seu adversário Hollande apresentou até agora. A nenhum convém usar o grave crime com arma no que resta antes das eleições.

Agora, se o desenrolar da campanha revelar para Sarkozy um efeito negativo do manejo posterior dos atentados, então se poderá meditar sobre o uso que os socialistas poderão fazer, lembrando ao presidente que certos comentários e certas ações do passado foram graves para as minorias e os imigrantes.

Seria interessante, então, estudar a fundo se fatos aterradores como estes servem de catapulta para a volta dos social-democratas não somente na França, mas no restante da UE. No momento, o setor perdedor é a família Le Pen e organizações afins, já que seu perfil nacional fundamentalista afasta os eleitores moderados.

A facilidade com que se recorre ao bode expiatório da suposta insegurança provocada pela imigração, sobretudo a procedente da África, já representa um desafio para a governança europeia em plena crise econômica, que tem um impacto considerável na trama institucional da UE, que se percebe como ineficaz.

As decisões agora são tomadas diretamente pela colaboração franco-alemã ou, pior, seguindo o roteiro dos chamados eufemisticamente "mercados", que são precisamente os mesmos interesses que fracassaram em prever a crise, e que agora não conseguem proporcionar melhores remédios além de reclamar mais empréstimos e insistir nas medidas de austeridade, desprezando o crescimento.

Hollande já explorou o divórcio entre a direção europeia e a sociedade quanto à ratificação (parlamentar, não esqueçamos) do minitratado para solucionar os problemas derivados do sistema presidido pelo euro. Sua promessa de reclamar uma revisão dessa decisão o deixa, paradoxalmente, lado a lado com a atitude britânica de David Cameron diante do acordo de 25 dos 27 membros da UE.

Se for eleito, segundo as estimativas em um segundo turno, o candidato socialista abriria uma brecha na UE difícil de fechar. Animaria outros partidos destituídos a acrescentarem sua oposição ao tratado. E também se colocaria em evidência diante de seus colegas social-democratas que defendem uma dose maior de Europa.

No momento, as perspectivas da mudança já começam a preocupar Berlim. Angela Merkel conseguiu impor suas teses financeiras pelos argumentos de seu poder geopolítico e econômico. No entanto, esteve abrigada na aliança com seu colega no Eliseu. O desaparecimento de "Merkozy" faria variar o cenário europeu consideravelmente. A resposta, nos dias 22 e 6 de maio. Envolverde/IPS

* Joaquín Roy é catedrático Jean Monnet e diretor do Centro da União Europeia da Universidade de Miami (jroy@Miami.edu). (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
 El cambio climático desafía la bonanza de Etiopía
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
MÁS >>