África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Primavera Árabe, jovens, liberdade e tecnologia
Megan Martin*

Califórnia, Estados Unidos,, 19/4/2012, (IPS) - Com telefones celulares e computadores, os jovens protagonistas da Primavera Árabe mudaram a forma como o mundo vê as mobilizações populares no Oriente Médio, a liberdade na internet e as redes sociais.

A internet pode ser uma força transformadora de sociedades e pessoas, pois permite uma organização em massa e a livre circulação de informação. Contudo, devemos lembrar que, como as redes sociais, não são as ferramentas que produzem a mudança, embora facilitem a propagação de ideias.

O influente uso dos meios sociais como veículos de mudança nas revoltas populares do Oriente Médio é um exemplo do poder das comunicações por meio da internet e um grande argumento a favor da liberdade. As comunicações por esta via foram utilizadas por jovens ativistas mergulhados no uso de tecnologias no Oriente Médio com três finalidades: organização, exposição e influência.

Os jovens se esforçaram para organizar movimentos políticos e sociais, expor as injustiças de seus governos e a influência sobre atores internos e externos agiu como catalisadora das revoltas populares no Oriente Médio, que, de outro modo, teriam permanecido latentes.

As redes sociais permitem uma comunicação transversal acima das barreiras geopolíticas, culturais e linguísticas. Estas ferramentas permitiram que jovens líderes do Egito, do território palestino da Cisjordânia, da Jordânia e de outros lugares se organizassem criando comunidades de seguidores na internet, fazendo com que as pessoas saíssem às ruas e conseguissem apoio internacional para sua causa.

Como são cada vez mais comuns os dispositivos móveis e os telefones inteligentes, é possível reunir pessoas com um mínimo de antecipação. Este nível de organização é possível pela quase instantânea comunicação e por uma rede de devotos e atentos conhecedores da matéria. Além disso, as organizações podem criar, colaborar e distribuir conteúdo a um - ao que parece - ilimitado público.

A capacidade de jovens ativistas de se organizarem por meio da tecnologia levou a um novo nível a natureza da ação da cidadania e deu voz a narrativas desconhecidas até então. Está na natureza da internet a possibilidade de compartilhar múltiplos discursos em várias plataformas. As comunicações online, incluídos blogs, YouTube e RSS, habilitam a exposição de narrativas não oficiais e não governamentais e seu consumo maciço.

Ao diminuírem dia a dia as barreiras de acesso à internet, cada vez mais pessoas podem participar e se expressar por esse meio. Porém, a ideia de que todos possam compartilhar sua opinião rapidamente se tornou polêmica. O jornalismo cidadão e os blogs denunciaram atrocidades cometidas por regimes que, de outro modo, não viriam a público. Nestes casos, a internet supõe uma ameaça existencial ao poder do governo de controlar o discurso oficial, mas habilita a livre expressão.

Como era de se esperar, os civis são perseguidos pelos regimes por participarem de manifestações, publicar conteúdo de oposição ou divulgar imagens que mostram a violência estatal. Os sites da internet são censurados e atacados e o acesso é limitado. Claro que os meios sociais e as comunicações baseadas na internet são ferramentas que podem ajudar ou prejudicar.

A influência dos jovens é local e internacional. Muito parecido ao modo como a Revolução de Veludo mobilizou jovens de diferentes setores sociais da República Checa contra o governo soviético, os ativistas da Primavera Árabe reuniram gente de todas as idades, religiões e classes sociais sob o mesmo lema.

A denúncia de mau manejo por parte do governo por intermédio do jornalismo cidadão pode ser uma pressão para que a imprensa local e a internacional se concentrem em fatos especialmente importantes. E a influência pode ser maior. Os protestos de 2011 na Praça Tahrir, no Egito, foram uma pressão para que os Estados Unidos revisassem o apoio ao então presidente Hosni Mubarak, que governou esse país de 1981 até renunciar no ano passado.

O Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que as proteções garantidas pelo Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos se aplicam às comunicações por meio da internet. O anúncio confirma que os blogueiros têm as mesmas proteções que os jornalistas.

Além disso, o relator da ONU, o guatemalteco Frank La Rue, divulgou um informe afirmando que a internet se tornou uma forma importante pela qual as pessoas podem exercer seu direito à liberdade de opinião e de expressão. Negar este direito é uma violação do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos.

A ideia de livre acesso à internet como direito humano está muito longe da realidade, mas seu uso por uma geração de ativistas do Oriente Médio que domina a tecnologia colocou as comunicações por meio das redes sociais no centro do debate sobre liberdade, democracia e mudança. Envolverde/IPS

* Megan Martin é especialista em identidade étnica e em política externa dos Estados Unidos na Europa oriental, no Oriente Médio e no Norte da África. Tem mestrado em política pela Universidade de Nova York.

© 2010 Global Experts (www.theglobalexperts.otg), um projeto da Aliança das Civilizações das Nações Unidas. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Al Bagdadi y la guerra sin cuartel en nombre del califato
 Costo y oportunidad del petróleo no convencional en Argentina
 Indígenas panameños quieren aprovechar mejor sus bosques
 Historia de documento de la AIEA sugiere falsificación de Israel
 Israel planea expulsión masiva de beduinos en Cisjordania
MÁS >>