África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

MÉXICO
Empresários do mundo unidos com o G-20
Emilio Godoy

Puerto Vallarta, México, 20/4/2012, (IPS) - Demonstrando sua crescente influência, o setor empresarial dominou as propostas e reclamações no primeiro dia da reunião de ministros de Comércio do Grupo dos 20 (G-20) países ricos e de economias emergentes, aberta ontem no México.


Crédito: Foro Económico Mundial

O Business 20 (B20) entregou uma série de recomendações sobre diversos temas - como liberalização do comércio, crescimento econômico verde, soberania alimentar e energia - aos representantes dos governos presentes em Puerto Vallarta, um centro turístico do Estado de Jalisco a 890 quilômetros da capital mexicana.

E não foi só isso. Os delegados corporativos estiveram presentes nas deliberações dos altos funcionários em torno de temas como incentivo ao intercâmbio comercial, protecionismo e geração de emprego. "Estive em reuniões anteriores e é a primeira vez que vejo os empresários com um papel tão ativo", disse durante a abertura da sessão o executivo mexicano Alejandro Ramírez, dono da rede Cinépolis e presidente do B20.

G-20 reúne o Grupo dos Oito países mais industrializados, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Japão, Itália e Rússia, juntamente com Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México, África do Sul e Turquia, e mais a União Europeia.

Na reunião de Puerto Vallarta, cujos 256 mil habitantes vivem essencialmente do turismo estrangeiro, também estiveram presentes representantes da Colômbia e do Peru, que acalentam a ideia de serem aceitos nessa espécie de clube exclusivo. De fato, Lima será sede do capítulo latino-americano do Fórum Econômico Mundial de 2013.

O encontro ministerial de dois dias, que acontece a portas fechadas e sem presença da sociedade civil, foi precedido nesta semana pelo capítulo latino-americano do Fórum Econômico Mundial, no qual empresários e especialistas analisaram pela enésima vez a sobrevivência do capitalismo, encurralado por sucessivas crises econômico-financeiras desde 2008, em particular no mundo rico.

A participação do empresariado desta vez é maior do que nas cúpulas do bloco na cidade sul-coreana de Seul, em 2010, e em Cannes (França) no ano seguinte. E os empresários se apoderaram da agenda do G-20, pois as crises financeira e econômica os afetam e pretendem que as soluções os beneficiem especialmente. "O investimento e o comércio na última década se converteram em um aspecto crítico" para estimular a economia, afirmou o suíço Martin Senn, presidente do conglomerado Zürich Financial Services.

Em suas sessões, os responsáveis pela economia e pelo comércio do G-20 discutem temas como incentivo ao comércio, geração de emprego, crescimento verde e - assunto da moda - protecionismo. O México propôs o exame das cadeias globais de valor e a relação entre o comércio e o crescimento econômico e seu vínculo com o emprego. Precisamente, nas últimas semanas este país acertou novas cotas para a exportação de automóveis para o Brasil.

Mas, o tema que atraiu os comentários neste encontro foi, sem dúvida, a decisão da Argentina de nacionalizar a maio parte do pacote acionário da ex-estatal de hidrocarbono YPF, em mãos da transnacional Repsol, de origem espanhola.

"As tarifas não alfandegárias são cada vez mais difíceis de identificar. O G-20 deve se pronunciar contra o protecionismo. É preciso revisar o impacto de medias como as barreiras à exportação as sanitárias e fitossanitárias e as barreiras técnicas", afirmou Senn.

A compra e venda de bens e serviços já se resente do golpe da crise financeira, iniciada em 2008 nos Estados Unidos, e agora ganha mais energia com os problemas da dívida de vários países europeus. A Organização Mundial do Comércio calcula que o intercâmbio global se contrairá, o que levará a atrasar a ansiada recuperação.

O peso progressivo das corporações empresariais em instâncias com o G-20 abona as críticas de organizações da sociedade civil sobre a legitimidade desses fóruns internacionais.

A Coalizão Internacional Frente ao G-20, formada por organizações de Brasil, Canadá, México, El Salvador, Peru, Equador, Chile e Grécia, indicaram em março que o G-20 enfrenta a crise "com os mesmos modelos e mesmas orientações" que a incubaram. "O G-20 promove de modo obsessivo o crescimento sem limites, agora paradoxalmente chamado de 'verde', o que atenta não só contra o meio ambiente são e os recursos comuns dos povos, mas também contra os direitos da natureza e a sustentabilidade do planeta", afirma em sua declaração.

Na cidade mexicana de Los Cabos, os presidentes do G-20 abordarão na cúpula de 18 e 19 de junho políticas contra a crise financeira e sobre segurança alimentar, crescimento verde e luta contra a mudança climática, além de outros assuntos.

Ao apresentar as recomendações financeiras, o mexicano Guillermo Ortiz, ex-presidente do Banco do México, sugeriu a denominação do comércio em moedas diferentes do dólar. "O mundo se movo em múltiplas divisas e isto deve se refletir também na denominação do comércio", explicou Ortiz, agora presidente do mexicano Grupo Financeiro Banorte. "É importante para economias como a China representar o peso de seus países no comércio internacional", acrescentou.

Os empresários também propuseram a criação de um mecanismo de controle para revisar qual país cumpre as propostas e depois debater esses resultados. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
 OPINION: Violations of International Law Denigrate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONG condenan inmunidad penal para mandatarios de África
 En Cataluña, hasta el Fútbol Club Barcelona está en crisis
 El futuro depende del pacto mundial entre las empresas y la sociedad
 Veteranos de guerra plantan por la paz en Sudán del Sur
 Ya pasó la época del carbón
MÁS >>