África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mais livres, porém mais contaminados
Emilio Godoy

Puerto Vallarta, México, 23/4/2012, (IPS) - As cadeias de valor e os elos presentes na produção e distribuição de bens centralizaram a análise dos ministros de Economia e Comércio do Grupo dos 20 no segundo e último dia de reunião no México.

O possível dano ambiental dessas atividades ficou de fora. "A posição da Organização Mundial do Comércio é que se deve proteger o meio ambiente sem criar obstáculos ao comércio", disse à IPS o francês Pascal Lamy, diretor-geral da OMC, que participou das deliberações que terminaram no dia 20, em Puerto Vallarta, no México.

Porém, cerca de 90% do comércio mundial é realizado por via marítima, em flagrante prejuízo do meio ambiente devido ao consumo de combustível fóssil. A OMC permite que um país aplique medidas comerciais por preocupações ambientais ou sanitárias, sem que isto busque fins protecionistas. Em suas reuniões, os responsáveis pela economia e pelo comércio do G-20, reunidos a portas fechadas e sem a presença da sociedade civil, examinaram temas como incentivo ao comércio, criação de emprego, crescimento verde, importância das cadeias de valor e protecionismo.

O G-20 reúne o Grupo dos Oito países mais industrializados, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Japão, Itália e Rússia, juntamente com África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México e Turquia, além da União Europeia. Contudo, para esta reunião, a primeira na história deste bloco a reunir ministros da Economia e do Comércio, foram convidados delegados da Colômbia, do Peru e do Chile, que aspiram ser aceitos no grupo.

"Consideramos esse um tema com o qual se pode começar a trabalhar no longo prazo", declarou à IPS o grego Angelos Pangratis, chefe da missão da União Europeia junto à OMC e presente em Puerto Vallarta. O consumo de bens importados influi na transferência de emissões de dióxido de carbono, um dos gases responsáveis pelo aquecimento global. Estudos feitos por organizações como a francesa Carbone 4 e o alemão Instituto Leibniz para a Pesquisa Econômica confirmaram que a incidência das importações aumentou essas emissões. "Mais comércio não é bom para o meio ambiente. Contudo, esta não é uma reunião sobre mudança climática", destacou à IPS o ministro australiano do Comércio, Craig Emerson.

O encontro, no final das contas, foi uma apologia ao livre comércio e, por extensão, condenou-se o protecionismo. No encerramento da reunião, o ministro de Economia do México, Bruno Ferrari, pediu para "manter e promover o livre comércio", a fim de fortalecer o crescimento econômico e gerar emprego. "Qualquer medida protecionista só pode ser contraproducente para todos", em um momento em que a economia mundial está em fase crítica, ressaltou o ministro, recordando que 56% dos bens comercializados são matérias-primas, peças, componentes e produtos semielaborados.

Os ministros entregarão suas conclusões ao presidente do México, Felipe Calderón, que preside o bloco este ano e o entregará à Rússia em 2013. Esses temas serão agregados à agenda que os presidentes do G-20 abordarão na cúpula, de 18 e 19 de junho na cidade mexicana de Los Cabos, centrada em assuntos como a luta contra a crise financeira, segurança alimentar, crescimento verde, mudança climática e outros assuntos.

"O G-20 evolui diante de novos desafios, como a crise financeira profunda e a mudança climática, ao estender sua agenda para tratar de temas sociais e ambientais e de maior regulamentação financeira, e ao assumir compromissos mais detalhados e mais ambiciosos, desenvolvendo suas próprias instituições para abordá-los diretamente", explicou à IPS o acadêmico John Kirton, da Universidade de Toronto. Kirton é diretor e cofundador do Grupo de Pesquisa sobre o G-20 que começou com análises sobre o G-8 e estendeu seus estudos para o novo bloco.

"É necessário expandir o livro da OMC para incluir temas como mudança climática e proteção ambiental", opinou, por sua vez, Pangratis. A OMC calcula para este ano uma contração no intercâmbio mundial, o que prejudicará o contexto econômico. "Não contemplar a totalidade do que implica o comércio não fornece uma imagem completa, pois aumentar as importações não significa perder exportações", afirmou Ferrari. O ministro mexicano considerou que restringir as importações é "dar um tiro no pé, já que o protecionismo comercial traz consigo o risco de afetar as empresas nacionais ao alijá-las das cadeias globais de valor em lugar de lhes dar uma vantagem competitiva".

Por sua vez, Lamy recomendou "o incentivo ao comércio de serviços e tecnologia, que podem contribuir para um comércio mais sustentável" e para a "eficiência" no trabalho e no uso dos recursos naturais. Por sua vez, Kirton disse que "a legitimidade depende de mais volume de comércio do que de quantos e quais estão sobre a mesa. O G-20 precisa incluir mais integralmente um setor maior da sociedade civil em sua estrutura de governo". Contudo, esta possibilidade ainda parece distante. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
 Anfitrión de la ONU cierra con llave cuando quiere
MÁS >>