África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Mais livres, porém mais contaminados
Emilio Godoy

Puerto Vallarta, México, 23/4/2012, (IPS) - As cadeias de valor e os elos presentes na produção e distribuição de bens centralizaram a análise dos ministros de Economia e Comércio do Grupo dos 20 no segundo e último dia de reunião no México.

O possível dano ambiental dessas atividades ficou de fora. "A posição da Organização Mundial do Comércio é que se deve proteger o meio ambiente sem criar obstáculos ao comércio", disse à IPS o francês Pascal Lamy, diretor-geral da OMC, que participou das deliberações que terminaram no dia 20, em Puerto Vallarta, no México.

Porém, cerca de 90% do comércio mundial é realizado por via marítima, em flagrante prejuízo do meio ambiente devido ao consumo de combustível fóssil. A OMC permite que um país aplique medidas comerciais por preocupações ambientais ou sanitárias, sem que isto busque fins protecionistas. Em suas reuniões, os responsáveis pela economia e pelo comércio do G-20, reunidos a portas fechadas e sem a presença da sociedade civil, examinaram temas como incentivo ao comércio, criação de emprego, crescimento verde, importância das cadeias de valor e protecionismo.

O G-20 reúne o Grupo dos Oito países mais industrializados, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Japão, Itália e Rússia, juntamente com África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México e Turquia, além da União Europeia. Contudo, para esta reunião, a primeira na história deste bloco a reunir ministros da Economia e do Comércio, foram convidados delegados da Colômbia, do Peru e do Chile, que aspiram ser aceitos no grupo.

"Consideramos esse um tema com o qual se pode começar a trabalhar no longo prazo", declarou à IPS o grego Angelos Pangratis, chefe da missão da União Europeia junto à OMC e presente em Puerto Vallarta. O consumo de bens importados influi na transferência de emissões de dióxido de carbono, um dos gases responsáveis pelo aquecimento global. Estudos feitos por organizações como a francesa Carbone 4 e o alemão Instituto Leibniz para a Pesquisa Econômica confirmaram que a incidência das importações aumentou essas emissões. "Mais comércio não é bom para o meio ambiente. Contudo, esta não é uma reunião sobre mudança climática", destacou à IPS o ministro australiano do Comércio, Craig Emerson.

O encontro, no final das contas, foi uma apologia ao livre comércio e, por extensão, condenou-se o protecionismo. No encerramento da reunião, o ministro de Economia do México, Bruno Ferrari, pediu para "manter e promover o livre comércio", a fim de fortalecer o crescimento econômico e gerar emprego. "Qualquer medida protecionista só pode ser contraproducente para todos", em um momento em que a economia mundial está em fase crítica, ressaltou o ministro, recordando que 56% dos bens comercializados são matérias-primas, peças, componentes e produtos semielaborados.

Os ministros entregarão suas conclusões ao presidente do México, Felipe Calderón, que preside o bloco este ano e o entregará à Rússia em 2013. Esses temas serão agregados à agenda que os presidentes do G-20 abordarão na cúpula, de 18 e 19 de junho na cidade mexicana de Los Cabos, centrada em assuntos como a luta contra a crise financeira, segurança alimentar, crescimento verde, mudança climática e outros assuntos.

"O G-20 evolui diante de novos desafios, como a crise financeira profunda e a mudança climática, ao estender sua agenda para tratar de temas sociais e ambientais e de maior regulamentação financeira, e ao assumir compromissos mais detalhados e mais ambiciosos, desenvolvendo suas próprias instituições para abordá-los diretamente", explicou à IPS o acadêmico John Kirton, da Universidade de Toronto. Kirton é diretor e cofundador do Grupo de Pesquisa sobre o G-20 que começou com análises sobre o G-8 e estendeu seus estudos para o novo bloco.

"É necessário expandir o livro da OMC para incluir temas como mudança climática e proteção ambiental", opinou, por sua vez, Pangratis. A OMC calcula para este ano uma contração no intercâmbio mundial, o que prejudicará o contexto econômico. "Não contemplar a totalidade do que implica o comércio não fornece uma imagem completa, pois aumentar as importações não significa perder exportações", afirmou Ferrari. O ministro mexicano considerou que restringir as importações é "dar um tiro no pé, já que o protecionismo comercial traz consigo o risco de afetar as empresas nacionais ao alijá-las das cadeias globais de valor em lugar de lhes dar uma vantagem competitiva".

Por sua vez, Lamy recomendou "o incentivo ao comércio de serviços e tecnologia, que podem contribuir para um comércio mais sustentável" e para a "eficiência" no trabalho e no uso dos recursos naturais. Por sua vez, Kirton disse que "a legitimidade depende de mais volume de comércio do que de quantos e quais estão sobre a mesa. O G-20 precisa incluir mais integralmente um setor maior da sociedade civil em sua estrutura de governo". Contudo, esta possibilidade ainda parece distante. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La no violencia y el extraviado mensaje de Jesús
 Del sueño americano a la pesadilla de la deportación
 El día que anticastristas y la CIA atentaron contra la ONU
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
MÁS >>