África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ESPANHA
A lua de mel e a lua de fel
Guillermo Medina*

Madri, abril/2012, (IPS) - O governo presidido pelo primeiro-ministro Mariano Rajoy desde 21 de dezembro parece querer demonstrar, mediante um frenético exercício do poder, a falta de resultados tangíveis e imediatos, capacidade de decisão.

Contudo, a realidade é que continuamos imersos em uma crise que se agrava, que sabemos como começou, mas não sabemos como nem quando terminará.

Paradoxalmente, a situação de Rajoy se parece cada vez mais com a angustiosamente vivida por seu antecessor socialista José Luis Rodríguez Zapatero, quando não teve outra opção a não ser sacrificar seus interesses eleitorais às medidas impopulares impostas por Bruxelas e pelo Banco Central Europeu.

Agora, como antes, a obsessão do governante é evitar que a economia espanhola chegue a sofrer intervenção. E, como antes, as decisões do atual governo para evitar essa ameaça começam a causar rachas inclusive em seu próprio eleitorado. Assim ocorreu em Andaluzia e Astúrias, apesar de o ajuste mais duro ter ocorrido após as eleições.

Fora da Espanha já se fala na possibilidade de uma intervenção da economia espanhola. É uma grande ameaça, e evitá-la condiciona todas as decisões do governo porque significaria que aquilo que Zapatero conseguiu evitar o governo da "mudança" não pode impedir.

Não causa estranheza a muitos eleitores do governante Partido Popular (PP) a política desenvolvida por Rajoy parecer uma continuação da empreendida por Zapatero a partir do ajuste draconiano de maio de 2010, que o PP não apoiou.

Rajoy tem acesas uma vela para Bruxelas e outra para os eleitores, mas como com Bruxelas e os mercados há pouca elasticidade, é claro que o peso da carga de quantos ajustes forem "necessários" agora e no futuro recairá sobre os cidadãos, sabendo que isso traz consigo um custo político.

Nesse sentido, explica-se que o conjunto de declarações do primeiro-ministro e de seus ministros se caracterizarem por sinais bem definidos: dramatização, culpa sobre a herança recebida, negação de toda alternativa, pretendida justiça e equidade das medidas adotadas, autossatisfação e carência de autocrítica.

Disse, por exemplo: "Estes são alguns orçamentos duros, dolorosos, fazemos coisas que ninguém gosta. Porém, é o que há para ser feito a fim de corrigir os erros do passado. Não toca fazer em dois anos o que não foi feito em oito".

Outra ideia mestre é a prioridade absoluta dada ao cumprimento do objetivo de déficit de 5,3%. Rajoy é terminante: "Isto é uma prioridade. Jogamos o futuro do nosso país, e quem não entende assim não significa que não tenha um problema, mas cria um problema para os demais espanhóis".

A dramatização da situação fazendo da necessidade virtude permite adotar um ar de heroísmo tenaz e tem como possível explicação justificar as duras medidas de ajuste e o descumprimento de promessas eleitorais básicas. Pode servir para criar resignação durante um tempo, mas o resultado final não pode ser outro que não a desmoralização psicológica do país, a frustração e, no longo prazo, a rebeldia.

Que o governo ainda se refugie na herança recebida é de duvidosa eficácia como autodesculpa. A esta altura, as políticas do governo atual contraíram uma cota de responsabilidade própria. Os cidadãos percebem que o governo "da mudança" e de tantas expectativas não atendidas, cada vez que se apresenta é para anunciar cortes e ajustes que geram novos ajustes e cortes.

Por outro lado, a invocação do exemplo, da igualdade e da justiça acaba questionada quando diariamente conhecemos casos de nepotismos e desperdícios. E que se invoque a justiça quando a decisão por uma anistia fiscal resultar no mínimo contraditória.

Os objetivos econômicos da anistia estão claros: ingressar 2,5 bilhões de euros este ano (e gerar futuras rendas) e introduzir no sistema 25 bilhões de dinheiro oculto para ajudar na recuperação econômica.

As críticas que podem ser feitas à anistia fiscal são principalmente duas. A primeira é que uma paulada no exemplo e na igualdade que o governo apregoa e que são necessárias para conter o mal-estar social. E a segunda é o efeito negativo que terá na luta contra a corrupção, um dos grandes problemas de fundo do país e sobre cuja relação com a crise econômica nunca se deve deixar de insistir.

Não deixa de ser paradoxal o governo anunciar um plano contra a fraude fiscal para depois da anistia, o que só se explica pelo desejo de reduzir a indignação que a impunidade concedida provoca inclusive entre os eleitores do PP.

Outra marca do discurso de Rajoy é a justificativa dos sacrifícios atuais pela promessa de um futuro melhor. "Sabemos o que fazemos. Temos um plano. Esse ano será difícil, mas teremos assentado as bases da recuperação".

A grande questão é se as políticas adotadas pela União Europeia e secundadas por Madri são suficientes e adequadas para gerar um mínimo de crescimento no médio prazo. De forma complementar, a pergunta capital é se a velocidade da deterioração do PP será maior ou menor do que a da recuperação econômica pregada pelo governo. Aí está o desafio de Rajoy.

É uma luta contra o tempo: o que acontecerá antes, a indignação dos cidadãos ou a visão dos primeiros brotos verdes? A resposta, dentro de um ano e meio ou, na velocidade dos acontecimentos, antes.

Se não surgir então a luz no fim do túnel, os cidadãos concluirão que tantos sacrifícios acumulados não serviram para nada. E então será pouco provável que os cidadãos desencantados se voltem a favor dos socialistas, cuja recuperação será lenta. Talvez fique como única alternativa alguma forma de consenso à italiana, isto é, uma solução Monti. Envolverde/IPS

* Guillermo Medina, jornalista e escritor, ex-diretor do jornal YA, ex-deputado e ex-presidente da Comissão de Defesa do Congresso espanhol. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>