África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

QUÊNIA
Rumo à industrialização com energias limpas
Isaiah Esipisu

Nairóbi, Quênia, 27/4/2012, (IPS) - Com o anúncio do novo projeto de desenvolvimento de energia geotérmica, o Quênia caminha para ser o centro nevrálgico da África oriental.


Crédito: Isaiah Esipisu/IPS
No Quênia, 60% do consumo de energia procede de hidrelétricas, mas é irregular
O governo queniano lançou este mês o Projeto de Desenvolvimento Geotérmico de Menengai, a primeira iniciativa de sua nova Campanha de Desenvolvimento Geotérmico, criada para acelerar o avanço desta fonte de energia.

Seu diretor-executivo, Silas Simiyu, informou que poderão ser gerados 400 megawatts até 2016, quando terminar a primeira etapa do projeto, que fornecerão energia elétrica a 500 mil moradias e farão funcionar 300 mil pequenos comércios. A usina "localizada 180 quilômetros a noroeste de Nairóbi poderá produzir 1.600 MW de eletricidade ao fim da terceira fase, em 2030", afirmou Simiyu.

Segundo Nashon Adero, analista econômico e político do Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas e Análises do Quênia, a primeira etapa do projeto terá um impacto significativo para o país, que objetiva a industrialização. "Atualmente, o Quênia consome 1.600 MW", declarou Adero. "O aumento de 400 MW representa, portanto, aumento de 25%. O país se tornará um gigante econômico na região graças a outros projetos ambiciosos em matéria de energia verde, como a iniciativa eólica do Lago Turkana, que vai gerar outros 300 MW", ressaltou. As obras no Lago Turkana começarão em junho e no final deixarão pronta a maior fazenda eólica da África subsaariana.

O Quênia costuma ser visto como o centro financeiro, de comunicações e transporte da África oriental e central. Seu produto interno bruto aumentou de 4% para 5% nos últimos dez anos. "O PIB do Quênia é o maior da região graças ao seu forte setor agrícola, especialmente na produção de chá e café, e na floricultura", disse Ezekiel Esipisu, diretor de operações para África oriental e Oriente Médio da Habitat para a Humanidade. "Isso somado aos investimentos na bolsa de valores em Nairóbi e na indústria fabril levou o país a se converter em uma das principais economias da África", acrescentou.

Esipisu disse à IPS que os investimentos no setor energético vão impulsionar ainda mais o desenvolvimento econômico. "Os vizinhos do Quênia têm problemas energéticos. O mapa do caminho deste país para melhorar a produção elétrica promoverá o desenvolvimento. O veremos aproximar-se da industrialização, se tornará um verdadeiro gigante econômico na região", destacou.

Cerca de 60% da eletricidade procede de centrais hidrelétricas. Mas o fornecimento é instável, pois o Quênia sofre secas permanentes e chuvas irregulares. Além disso, os cortes de energia são obstáculos para o crescimento. Em julho e agosto de 2011, as autoridades foram obrigadas a racionar a energia por causa do baixo nível de água na represa maior. Então eram gerados 1.200 MW, mas a demanda aumenta 8% ao ano, segundo o Ministério de Energia.

Os cortes de eletricidade em 2011 custaram ao país US$ 96 milhões, embora na pior época de racionamento, entre 1999 e 2001, tenha perdido 4% do PIB, cerca de US$ 400 milhões. "A geração de energia hidrelétrica só depende das condições climáticas", explicou John Omenge, chefe de geólogos do Ministério de Energia. "Quando há seca, a água baixa e se reduz a geração de eletricidade. A energia geotérmica é, portanto, a solução. É um dos métodos mais confiáveis para produzir energia elétrica porque não se altera por causa de calamidades ambientais como as secas", acrescentou.

Em lugares com atividade tectônica, como a região do Vale do Rift, se injeta água em um poço, que vaza nas rachaduras de rochas vulcânicas ardentes. O vapor pressurizado resultante faz funcionar as turbinas que geram eletricidade. O Quênia é o primeiro país africano a adotar a energia geotérmica e já está gerando 209 MW com o Projeto Geotérmico de Olkaria, um complexo vulcânico localizado na província do Vale do Rift, operado pela Companhia de Geração Elétrica do Quênia.

O Projeto de Menengai é só uma pequena parte da Visão 2030, uma iniciativa de desenvolvimento que tem o objetivo de transformar o Quênia em um país industrializado de renda média até esse ano, graças à geração de cinco mil MW de eletricidade a partir dos recursos geotérmicos disponíveis em vários pontos do país.

"O fornecimento elétrico é fundamental para qualquer tipo de desenvolvimento", destacou Gabriel Negatu, diretor do Centro de Recursos da África Oriental, do Banco Africano de Desenvolvimento. Esta instituição forneceu os fundos para a primeira etapa das operações em Menengai. "Este projeto é crucial para o país, pois o Quênia se transforma no motor do continente. As perspectivas neste sentido são tão grandes que o escritório regional do Banco Africano de Desenvolvimento fica em Nairóbi. Outras organizações seguem seus passos, transformando esta cidade em um centro econômico regional", enfatizou Negatu. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Lucha por el sucesor de Mugabe frena el desarrollo en Zimbabwe
 La agroecología es la solución al hambre y al cambio climático
 La lucha contra la desnutrición se democratiza
 Fuerte oposición al arroz transgénico en Filipinas
 Los cimientos de un movimiento mundial de ciudadanos
MÁS >>