África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Obesidade e desnutrição pedem soluções multidisciplinar
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, 30/4/2012, (IPS) - A obesidade e a desnutrição que afetam dois bilhões de pessoas em todo o mundo superam a competência dos profissionais de saúde e exigem uma ação integrada de disciplinas e setores governamentais, alertaram conferencistas do Congresso Internacional de Nutrição 2012, iniciado no dia 27 e que termina hoje, no Rio de Janeiro.

A opinião, expressa por um painel que se propôs descobrir os "Desafios do Século 21 para a alimentação e a saúde coletiva", se baseia na nova premissa de que o mundo atravessa uma "crise sistêmica", segundo Renato Maluf, que dirige o Conselho Nacional de Segurança Alimentar do Brasil.

Essa crise é econômica, ambiental e energética. Por isto "exige respostas interligadas", desde soluções econômicas para atuar em situações como alta de preços dos alimentos até intervenções de saúde e educação para promover uma alimentação adequada, ou dos ministérios competentes para reduzir o uso de agrotóxicos que contaminam o que comemos. "Entendemos a saúde como desenvolvimento", destacou Luiz Alberto Facchini, presidente da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, uma das organizadoras do Congresso, junto com a World Public Health Nutrition Association.

Esse conceito compreende temas variados: sistemas alimentares justos e com diversidade, políticas de nutrição, meio ambiente e segurança alimentar para todos, ameaças à saúde, estratégias de intervenção de êxito e fortalecimento da nutrição em saúde pública, todos eles discutidos durante o Congresso.

"É inaceitável que 40% da população mundial vivam abaixo da linha de pobreza", enfatizou Facchini. O combate à desigualdade social continua sendo um dos principais desafios para garantir a segurança alimentar, destacou. "Para reduzir as mortes por obesidade precisamos de regulamentações em publicidade e soluções urbanas, com promoção de espaços de lazer para a população", acrescentou. E estes novos desafios superam os conhecimentos dos nutricionistas.

Há políticas pontuais em alguns países e muito mais amplas em outros, como nos africanos, disse o ganês Reggie Annan, da International Union of Nutritional Sciences. "O principal desafio é que não há políticas nutricionais", apontou Annan, entre outros problemas, como extrema dependência dos financiamentos externos para programas alimentares, que, "como todos sabemos, não são duradouros".

Marion Nestle, da norte-americana Universidade de Nova York, afirmou que os dois principais problemas alimentares são desnutrição e obesidade. Cada um afeta um bilhão de pessoas em todo o mundo. A especialista em políticas públicas estima que para enfrentar a desnutrição é necessário combater a desigualdade social com medidas que aumentem a renda familiar.

Quanto aos obesos, disse ser preciso "enfrentar as forças políticas e econômicas poderosas da sociedade", como as empresas de alimentos que estimulam modelos insalubres de consumo para obter lucro. "Não basta dizer vamos comer menos e educar. É preciso confrontar as companhias de alimentos", disse Nestle. Neste aspecto, o Congresso propõe discutir leis que proíbam publicidade que estimula maus hábitos alimentares na infância.

Uma das experiências apresentadas se refere a uma iniciativa de médicos britânicos que lançaram uma campanha contra as empresas de "comida lixo". A campanha da Academy of Medical Royal Colleges da Grã-Bretanha, que representa cerca de 200 mil profissionais do país, pediu que se proíba empresas como McDonald's e Coca-Cola de patrocinar acontecimentos esportivos como os Jogos Olímpicos e a publicidade de alimentos que não são saudáveis utilizando personagens e desenhos animados.

Maluf afirmou que em termos de dietas saudáveis se deve voltar aos hábitos alimentares próprios da diversidade racial e cultural. Isto significa reconhecer e valorizar os povos originários, para combater a "homogeneização" de hábitos impostos pelos atuais modelos de consumo mundial, explicou.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 63% de todas as mortes que ocorrem no mundo são causadas por doenças crônicas não transmissíveis, e mais de 80% dessas mortes correspondem a países em desenvolvimento e economias em transição. Assim, doenças crônicas como diabetes, enfermidades cardiovasculares, câncer e obesidade e seus fatores de risco contribuem para a geração e o agravamento da pobreza.

Ao analisar "a cadeia de produção das enfermidades crônicas não transmissíveis" aparecem quatro fatores de risco que "estão intimamente ligados: pressão alta, glicose sanguínea elevada, sobrepeso ou obesidade e colesterol alto", afirma um documento apresentado pelo Instituto Nacional do Câncer do Brasil (Inca). Dados da OMS mostram que 28% de todas as mortes são atribuídas a esses fatores.

"Empresas que têm por finalidade a venda de produtos, seja qual for sua natureza, têm a missão de maximizar seus lucros, reduzindo custos de produção e ampliando a demanda", disse Fábio Gomes, da seção do Inca que estuda a prevenção do câncer a partir de uma alimentação saudável. "Quando falamos de alimentação queremos alimentos e água saudáveis, sem veneno", destacou Rafael Fernández, da Fundação Fiocruz.

Maluf considerou que, para enfrentar estes assuntos e os determinantes sociais, econômicos, políticos e ambientais da nutrição, é preciso criar uma organização mundial de governança em segurança alimentar. "A pior herança do neoliberalismo é a falta de desenvolvimento de políticas públicas e seus instrumentos", concluiu. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Thousands of New Yorkers Protest Gaza Killings
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 BRICS, una brecha en ordenamiento financiero de Occidente
 Buen futuro para los precios agrícolas pero no tanto para los pobres
 Desplazados viven una pesadilla en el norte de Pakistán
 El duro oficio de volver al campo cubano
 Conferencia sobre sida llora a los muertos y discute retrocesos
MÁS >>