África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

MARROCOS
Dividido pelo casamento precoce
Abderrahim El Ouali

Casablanca, Marrocos, 7/5/2012, (IPS) - A prática generalizada de entregar meninas e adolescentes em casamento continua sendo uma das questões políticas e legais mais delicadas no Marrocos, que coloca frente a frente islâmicos de linha dura com moderados em todo o país.

Mohammad Abdenabawi, funcionário do Ministério da Justiça, disse na televisão nacional que 30 mil menores estão casadas, o equivalente a 10% do total de matrimônios realizados este ano neste país de 32 milhões de habitantes.

As consequências do fenômeno são graves para adolescentes e mulheres jovens, apesar dos esforços da sociedade civil para mudar a situação. Porém, é difícil manter a luta diante de uma onda de conservadorismo cultural e religioso. A campanha para reunir um milhão de assinaturas para proibir o casamento precoce ganhou maior força devido ao trágico fato ocorrido com Amina Filali, de 15 anos, que se suicidou após ser obrigada a se casar com o homem que a violentara.

Para proteger a "honra" da jovem e da família, a justiça se baseou em leis do Código Penal e de Família para obrigar Filali a se casar com esse homem, dez anos mais velho, que violentou a menina ameaçando com uma navalha. A decisão do tribunal e o suicídio de Filali desataram um forte debate público e mobilizações sobre este assunto, tabu na tradicional sociedade marroquina.

Segundo Jamal Rhmani, membro da opositora União Socialista de Forças Populares e ex-ministro do Emprego, a campanha já conseguiu mais de 780 mil assinaturas. Apesar de sua atividade política e de ser um dos promotores da campanha contra o casamento precoce, Rhmani esclareceu à IPS que sua participação se deve primeiro, e principalmente, ao fato de ser pai de uma jovem de 14 anos. "Antes de ser político, sou pai. Não podemos ficar indiferentes ao que acontece à nossa volta", declarou.

Ativistas e integrantes da oposição pedem a revogação do Artigo 475 do Código Penal, que permite que o violador saia impune se concordar em se casar com a vítima. Também estão contra os Artigos 20 e 21 do Código de Família, que habilita o casamento de menores de idade. Contudo, este é um problema com raízes profundas e exigirá uma mudança mais sistemática do que a revogação de umas poucas leis.

"A culpa é de uma jurisprudência arcaica implantada por incultos", disse à IPS o ativista Chakib Khettou, morador em Casablanca, referindo-se à lei islâmica que permite o casamento de meninas a partir dos nove anos de idade.

Em 2008, o erudito muçulmano xeque Mohammad el Maghrawi publicou uma fatwa (decreto religioso) reiterando o direito de as famílias casarem suas filhas com mais de nove anos. O fato causou um escândalo, mas sem consequências para ele, que em uma entrevista coletiva em abril defendeu sua posição "com base no Alcorão e nas palavras do profeta", afirmou. Ahmed Faridi, professor especializado na shariá (lei islâmica), declarou à IPS que "não há nada no Alcorão que permita o casamento de uma menina de nove anos". Porém, Maomé se casou com uma menor, "nesse caso é uma exceção e não a regra", insistiu.

"O casamento de meninas e adolescentes não está proibido pela lei", informou, por sua vez o ministro de Justiça e Liberdades, Mustapha Ramid, em um discurso transmitido pela televisão nacional em março. Advogado de profissão, Ramid "é tolerante" quanto a reformar o Artigo 475 do Código Penal, mas negou-se a falar sobre os Artigos 20 e 21 do Código de Família. Deu a entender que poderia haver manifestações semelhantes às provocadas pelo Plano Nacional para a Integração das Mulheres no Desenvolvimento, proposto pelo governo de Abderrahmane Youssoufi, em 1999.

Naquela ocasião, milhares de muçulmanos do governante Partido da Justiça e do Desenvolvimento protestaram em Casablanca contra o plano de Youssoufi porque consideraram que era "incompatível" com a shariá, pois proibia a poligamia e fixava em 18 anos a idade mínima para as mulheres poderem se casar. Porém, os atuais parlamentares não temem que os setores conservadores reajam com a veemência de então. "É preciso um debate nacional sobre o tema para reformar o Código Penal e o Código de Família. Os parlamentares socialistas têm um projeto para garantir a proteção de meninas menores de idade", destacou Rhmani.

A câmara baixa do parlamento analisou o assunto na última semana de abril, e o presidente da Câmara de Conselheiros (câmara alta), Mohammad Cheikh Biadillah, disse que as reformas propostas não podem contrariar o "espírito da nova Constituição", adotada em plena Primavera Árabe e que obriga o "Estado a garantir os direitos sociais e econômicos da família, a proteger os menores sem importar sua posição social ou familiar, e que proíbe todo tipo de discriminação por questão de gênero". "O Poder Legislativo tem a obrigação de intervir cada vez que detecta que uma lei ficou incompatível com o desenvolvimento da sociedade. Todas as leis que atentam contra a dignidade das mulheres devem ser revistas ou revogadas", concluiu. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
 Anfitrión de la ONU cierra con llave cuando quiere
 COLUMNA: García Márquez, el genio del país de la guerra sin fin
 COLUMNA: El futuro de nuestro planeta depende de 58 personas
 Las dos caras de las elecciones afganas
MÁS >>