África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

EUROPA
Chegou a hora da esperança
Mário Soares*

Lisboa, Portugal, maio/IPS, (IPS) - Conheço o presidente eleito François Hollande desde os tempos de seu antecessor e meu amigo François Mitterrand.

Tem uma visão ampla, é a personalidade que a França precisa para sair da crise e empreender uma política de recuperação econômica e social. Mas sua vitória no segundo turno eleitoral no último domingo vai muito além: é a clamorosa confirmação de precedentes e inequívocos sinais de que a Europa comprovou o fracasso da ideologia neolibera e está mudando de rumo.

Os europeus de vários Estados perceberam, finalmente, que as políticas de austeridade impostas para agradar aos mercados usurários estavam nos conduzindo pelo mau caminho. Empurrou os países europeus e a zona do euro para a desagregação e a decadência.

A chanceler Angela Merkel vê que seus sócios europeus não só resistem a obedecê-la - como ocorre há três anos - como também começam a conspirar contra sua política e procuram enfrentar a recessão, que paralisa a economia real e favorece a virtual, aumentando o desemprego de maneira socialmente inaceitável.

É necessário por obstáculos a esta crise recessiva in crescendo, que sacode um país após outro. Já não castiga apenas Grécia, Irlanda e Portugal, as primeiras vítimas dos mercados e das perigosas agências de classificação. Também estão na mira países grandes como Espanha, Itália e França, e países ricos, porém menores, como a Holanda, cujo governo caiu, e a Romênia, onde o governo deposto foi substituído por um executivo socialista. Também começam a enfrentar dificuldades Eslováquia, Eslovênia, República Checa e até a Finlândia.

Neste contexto, a chegada de Hollande à Presidência da França inclina para a esquerda o fiel da balança europeia.

Desfeito o eixo que havia forjado com o presidente derrotado nas urnas Nicolas Sarkozy, a chanceler Merkel, que enfrenta problemas internos que estão piorando e o crescimento da oposição (tanto socialdemocrata quanto verde) parece óbvio, terá que mudar de política e buscar um entendimento com Hollande.

A virada que impulsiona a vitória na França, não só não surpreendeu s socialistas europeus com eles já estavam preparados para assumi-la. assim demonstra a "conspiração" que teve lugar em Roma no dia 19 de abril, com a participação de representantes de partidos socialistas, socialdemocratas e democratas progressistas de diversos países europeus para analisa a situação e coordenar a ação diante de um próximo governo socialista francês, que julgavam mais do que provável.

No entanto, não diminui a gravidade do cenário econômico europeu e mundial. Recentemente, o Reino Unido entrou em recessão pela segunda vez desde o surgimento da crise global em 2008. E os Estados Unidos, segundo as declarações do presidente de seu banco central, Bem Bernanke, teme o contágio que pode propagar a recessão europeia.

É uma triste ironia que nos apresentam a globalização desenfreada e a ideologia neoliberal que desencadearam a crise global, precisamente nos Estados Unidos, de onde chegou à União Europeia e em menor escala a numerosos Estados de outros continentes. E agora os norte-americanos temem um refluxo que volte a atacar sua economia. Recordo o ditado popular: quem semeia ventos, colhe tempestades.

Hollande teve o discernimento político - ao contrário de Sarkozy - de que todos os Estados da zona euro dependem do futuro da União Europeia, que só pode assegurar uma mudança de política em escala continental. Afirmou com toda clareza que tal é a condição para que o projeto europeu não se encaminhe para a desintegração e uma irremediável decadência.

Finalmente se reconhece em toda a zona euro - e inclusive no Reino Unido - que a austeridade por si só não leva a parte alguma. Somente agrava o sofrimento dos mais fracos. As próprias instituições europeias começam a reconhecer esta verdade. O presidente europeu Herman von Rompuy convocou pela primeira vez uma reunião de cúpula para lutar contra a recessão e o desemprego.

No mesmo sentido, o norte-americano Spencer Oliver, secretário-geral da assembleia parlamentar da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), afirma que "a crise financeira foi provocada pelo afã de lucro de Wall Street" e que para superá-la é preciso, como demonstrou o presidente norte-americano Barack Obama, uma luta firme contra a recessão, o desemprego e a favor do Estado social. E acrescenta: "As críticas devem se dirigir aos sistemas financeiros, aos resgates e aos estímulos que canalizaram ingentes quantias para salvar muitos banqueiros que são os primeiros responsáveis pela atual situação".

Esta é a hora da esperança, de que a vitória de Hollande se converte no impulso para mudar de modelo e acabar com a crise. Envolverde/IPS

*Mário Soares, ex-presidente e ex-primeiro-ministro de Portugal.

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Panama Regulators Could Slow U.S. Approval of GM Salmon
 Resolving Key Nuclear Issue Turns on Iran-Russia Deal
 Good Twins or Evil Twins? U.S., China Could Tip the Climate Balance
 OPINION: Contras and Drugs, Three Decades Later
 U.S. Contractors Convicted in 2007 Blackwater Baghdad Traffic Massacre
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 San Vicente y las Granadinas se toma en serio el cambio climático
 Hidrocarburos sin controles ambientales, mala mezcla para África
 Los indígenas, convidados de piedra en las concesiones de tierras
 La democracia es “radical” en el norte kurdo de Siria
 Ãfrica puede seguir los pasos de Suiza
MÁS >>