África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ÁFRICA
"Agricultoras, heroínas da segurança alimentar"
Busani Bafana

Bulawayo, Zimbábue, 16/5/2012, (IPS) - As mulheres são maioria entre os produtores, processadores e vendedores de alimentos da África, porém, seu papel nesse ramo de atividade é secundário devido a barreiras culturais e sociais.


Crédito: Cortesia Agra
Jane Karuku, presidente da Aliança para uma Revolução Verde na África.
Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), elas são maioria na produção agrícola mundial e são responsáveis por mais de 50% dos cultivos. Na África subsaariana essa proporção é maior, pois as mulheres produzem entre 80% e 90% dos cultivos.

A FAO aponta que as mulheres são as provedoras de alimento da família em um contexto limitado e de atitudes que conspiram para subestimar seu trabalho e suas responsabilidades, e dificultam sua participação nos processos de decisão. Segundo Jane Karuku, presidente da Nova Aliança para uma Revolução Verde na África (Alliance for a Green Revolución in Africa - Agra), a situação deve mudar para que este continente tenha alimentos suficientes.

Karuku, empresária queniana com 20 anos de experiência, se converteu em abril na primeira mulher a presidir essa organização, dedicada a melhorar a segurança alimentar na África e promover a solidez econômica de milhões de pequenos agricultores e suas famílias, com cem projetos em 14 países. Antes, foi subdiretora executiva da Telkom Kenya, subsidiária da France Telecom-Orange.

IPS: Considera que sua designação seja um ponto de inflexão para as mulheres africanas?

Jane Karuku: Como primeira mulher a presidir a Agra, é uma honra defender a causa das incansáveis mulheres que trabalham no campo. São as verdadeiras heroínas desta história, e espero destacar suas importantes contribuições para a segurança alimentar no futuro.

IPS: As políticas de segurança alimentar reconhecem o papel das mulheres na produção, no processamento e na venda de alimentos?

JK: Há importantes indícios de avanços entre os pequenos agricultores, na maioria mulheres que constroem vidas prósperas para elas e suas famílias. Mas alguns êxitos são desiguais. As pequenas agriculturas e empresárias rurais do continente não participam nem se beneficiam igualmente da agroeconomia por problemas de gênero derivados de questões culturais e sociais. Isto deve mudar para transformar a capacidade de autoabastecimento da África e alcançar a qualidade de vida desejada para as famílias rurais e as comunidades da África subsaariana.

IPS: Quando assumiu, a senhora disse: "A pequena agricultura é um estilo de vida na África, cheia de desafios, mas também de grandes oportunidades". Como conseguirá um equilíbrio em matéria de segurança alimentar?

JK: Meu objetivo é retirar os obstáculos que impedem que os pequenos agricultores melhorem a produtividade e sua renda de forma significativa, salvaguardar o meio ambiente e promover a igualdade de gênero. Estou comprometida em assegurar-lhes uma ampla variedade de opções para seu trabalho.

IPS: O que considera necessário fazer para melhorar a situação dos pequenos agricultores?

JK: Desejo um continente próspero no qual a segurança alimentar esteja garantida por um rápido crescimento agrícola sustentável, baseado nos cultivos básicos que produzem os pequenos agricultores. A missão da Agra é promover uma "revolução verde africana" única, que transforme a agricultura em um sistema altamente produtivo, eficiente, competitivo e sustentável, assegure a disponibilidade de alimentos e tire milhões de pessoas da pobreza.

IPS: O que a Agra deve fazer para ajudar os pequenos agricultores a enfrentarem o impacto da mudança climática sobre a produção de alimentos?

JK: A Agra e seus sócios procuram determinar o tipo de salvaguardas ambientais que os agricultores necessitam para aumentar a produção e melhorar sua qualidade de vida. Ao se concentrar em práticas de desenvolvimento sustentável, a organização pretende reduzir a degradação ambiental e conservar a biodiversidade. Recuperar os solos e contribuir para que os pequenos agricultores produzam mais em áreas reduzidas contribuirá para reduzir a pressão de limpar e cultivar em florestas e savanas, o que ajudará a preservar o meio ambiente e a biodiversidade. As práticas agrícolas sustentáveis da Agra incluem a melhoria do solo mediante uma gestão integrada de sua fertilidade. Utilizamos uma combinação de fertilizantes e insumos orgânicos, e técnicas apropriadas para os recursos e as condições locais. Ao fomentar o uso de enfoques agroecológicos na gestão de cultivos e solos, como a utilização de doses mínimas de fertilizantes em zonas áridas, a Agra evitará o possível abuso, que prejudica o meio ambiente.

IPS: O que pensa dos fundos destinados à pesquisa na África?

JK: A pesquisa é fundamental para conseguir o máximo da cadeia de produção agrícola. A produtividade aumentou 140% no mundo nas últimas décadas, mas na África subsaariana diminuiu. Isto se deve ao fato de a agricultura ter mudado pouco.

IPS: Qual impacto tem a Agra na África e quais as perspectivas de futuro?

JK: O enfoque da Agra para ajudar os pequenos agricultores a saírem da pobreza é único. Ao se concentrar em sementes, solos, acesso ao mercado, políticas e associações e um financiamento inovador, a organização faz com que a agricultura de subsistência seja uma atividade comercial, viável e sustentável que aumente a produção no continente. Espero continuar buscando oportunidades de inovar para melhorar a qualidade de vida dos agricultores. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>