África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

BRASIL
Menos política e mais economia no Ibas
Miriam Gathigah

Nairóbi, Quênia, 18/5/2012, (IPS) - O crescimento econômico e social se converteu no coração da agenda do bloco de economias emergentes conhecido como Ibas (Índia, Brasil e África do Sul), enquanto a política vai sendo deixada de lado.


Crédito: Miriam Gathigah/IPS
Michael Sudarkasa.
Esta é a opinião de Michael Sudarkasa, diretor-executivo do African Business Group, instituição de consultoria sobre negócios, economia e desenvolvimento, com sede na África do Sul.

Já se passaram nove anos desde a criação do fórum do Ibas, e isto teve impacto favorável na efetividade da ajuda na África, destacou Sudarkasa, com 20 anos de experiência em comércio regional e internacional e em análise de negócios, com atenção especial no desenvolvimento do setor privado.

"O fórum de diálogo do Ibas serviu de catalisador de maiores esforços dentro do Sul para explorar vias pelas quais mobilizar ajuda ao desenvolvimento com recursos internos", declarou em entrevista à IPS. O Ibas também estimulou iniciativas bilaterais dentro do Sul, como a Associação Estratégica África-América do Sul e a Nova Associação Estratégica Asiática-Africana, acrescentou.

IPS: Há exemplos específicos do êxito do Ibas?

Michael Sudarkasa: O êxito é os países do Ibas trabalharem juntos indiretamente, estimulando maior atividade independente dos três países, como investidores e como sócios em outras partes da África. E a África do Sul redobrou seus esforços para envolver-se com outros sócios na América do Sul e na Ásia.

IPS: Houve mudanças substanciais no relacionamento bilateral e trilateral dentro do Ibas?

MS: Não há nenhum que seja muito chamativo. No começo do Brics (Brasil, Índia, China e África do Sul), quando a África do Sul aderiu, houve certa especulação de que a nova iniciativa, com a China sendo o principal motor, pudesse ofuscar o Ibas. Porém, as instituições deste grupo são bastante fortes, bem definidas e todos os seus membros reiteraram seu apoio à iniciativa e destacam seu valor como uma estrutura autônoma. Contudo, a rivalidade existe entre as estruturas, e é provável que se continue fazendo esforços para distinguir o Ibas do Brics, o que em última instância poderia derivar em mudanças mais pronunciadas e visíveis dentro do Ibas.

IPS: Quais as melhores práticas do Ibas até agora?

MS: Entre elas destacam-se o desenvolvimento de comitês técnicos conjuntos envolvendo os ministérios dos três governos, para explorar o intercâmbio de tecnologia e projetos comuns, e a criação de um fundo para apoiar os países menos adiantados dentro das três regiões.

IPS: Que impacto teve o fórum Ibas no sustento dos habitantes de seus países-membros?

MS: Economicamente, o Ibas diversificou as oportunidades para as três nações, e o comércio bilateral cresceu. Isto as livrou de uma segura contração econômica que sofreriam se tivessem permanecido concentradas apenas em suas históricas associações comerciais com o Norte.

IPS: A crise mundial comprometeu a capacidade do Ibas para conseguir objetivos de desenvolvimento?

MS: Sim, provocou algo, a crise mundial fortaleceu a resolução dos três países de se envolverem entre si economicamente, e creio que é uma oportunidade para voltar os olhos a outras associações econômicas Sul-Sul.

IPS: O Ibas é um importante exemplo de cooperação Sul-Sul que pode servir de modelo para futuras associações de países em desenvolvimento?

MS: Sem dúvida, o Ibas se converteu em modelo dos benefícios da cooperação Sul-Sul, e em importante precursor da voz do Sul nas estruturas multilaterais. Porém, o fato de o Ibas ser uma iniciativa tripartite, destinada, em parte, também a servir como ponte entre regiões e seus países-membros, dificulta que seja replicado em nações de outras zonas geográficas.

IPS: Qual a lição fundamental da experiência do Ibas?

MS: O Ibas impulsionará e continuará impulsionando as nações do Sul a se considerarem entre si como potenciais sócios fortes, e, definitivamente, fixou uma tendência para a associação Sul-Sul em apoio ao desenvolvimento. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>