África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

SAÚDE-AMÉRICA LATINA
"A OMS já não interessa à sociedade civil"
Gustavo Capdevila

Genebra, Suíça, 22/5/2012, (IPS) - As organizações não governamentais da América Latina especializadas em questões sanitárias deixaram de confiar na Organização Mundial da Saúde (OMS), afirma o médico Francisco Rossi.


Crédito: Fundación Infarma
Francisco Rossi: não se espera que surjam políticas de saúde para a América Latina da Assembleia Mundial da Saúde.
Somente interessa um tratado que permita a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos para o mundo pobre, acrescentou.

"O que acontece é que perdemos o interesse pela OMS como cenário", explicou à IPS este epidemiologista, diretor da fundação colombiana Ifarma, uma entidade de pesquisa e consultoria sobre temas ligados a acesso, uso e qualidade de remédios, integrante da Ação Internacional para a Saúde, com sede em Amsterdã.

O único aspecto da OMS que ainda atrai a atenção das ONGs da região é a discussão de um tratado proposto por um grupo de trabalho de especialistas internacionais sobre saúde pública, inovação e propriedade intelectual.

Estes especialistas propõem à OMS adotar uma convenção vinculante para criar um mecanismo internacional que permita arrecadar fundos destinados a financiar atividades de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos imprescindíveis, a fim de atender enfermidades que afetam as populações do Sul pobre.

O mecanismo é sugerido para preencher o vazio deixado pelo desinteresse dos grandes laboratórios farmacêuticos transnacionais em investir nesta área. A iniciativa será debatida na Assembleia Mundial da Saúde, que começou ontem, 21 de maio, e vai até dia 26, em Genebra.

Em conversa com a IPS, Rossi disse que, "a não ser pela discussão sobre esse tratado, que parece muito promissor mas que é o princípio de um longo debate, nos demais temas nos parece que a OMS já deixou de ter interesse".

IPS: Quais objeções fazem à OMS e à sua Assembleia Mundial da Saúde?

Francisco Rossi: Para os latino-americanos essa assembleia se converteu no debate de um organismo que já é um paquiderme, muito longe de sua gente.

IPS: Mas não esperam nada em questões de saúde da América Latina, como ações sobre enfermidades como dengue, mal de Chagas ou malária?

FR: Da Assembleia, não.

IPS: Por quais razões?

FR: Digamos que nossos ministérios da Saúde da região e nossas organizações não consideram que a Assembleia mantém uma vigência como espaço de discussão, de debate, ao qual ninguém tem interesse de assistir.

IPS: Vocês se sentem mais cômodos com a Organização Pan-americana da Saúde (OPS)?

FR: Não, a OPS está pior.

IPS: Por que?

FR: Dá a impressão de que ficaram em outras discussões, mais políticas. Por exemplo, neste momento para a América Latina é muito mais importante o que pensa o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) ou o Banco Mundial do que possam estar pensando a OPS ou a OMS. Porque essas entidades financeiras ocupam um espaço que estas perderam.

IPS: Do ponto de vista financeiro, mas do ponto de vista sanitário também?

FR: Do ponto de vista normativo, inclusive. Do ponto de vista dos debates.

IPS: Onde percebem o peso dessas duas instituições financeiras na saúde?

FR: Na Colômbia, na Argentina e no Brasil.

IPS: Como o BID e o Banco Mundial podem ser determinantes em saúde?

FR: O BID e o Banco Mundial estão dando créditos a países para discutirem reformas nos sistemas de saúde e ajustes nos seguros de saúde. Neste momento há um debate em vários países sobre como definir mecanismos de financiamento para medicamentos, especialmente os de alto custo, enquanto a OMS e a OPS discutem sobre o que fazer com o Fundo Global de Luta contra HIV/aids, Malária e Tuberculose, sendo que a América Latina está fora dele porque a maioria de seus países é de renda média.

A impressão é que já não é o fórum das discussões centrais de saúde. É grave. Só o que existe de positivo é que a Unasul (União Sul-americana de Nações), que está se convertendo em um movimento interessante, tem o interesse em levar especialmente este tema do tratado (por medicamentos) à discussão na Assembleia com uma posição conjunta de todos os países da região. Mas nos últimos 10 anos, especialmente nos últimos cinco, a OMS perdeu vigência.

IPS: A crise econômica global incide na marcha da OMS?

FR: A crise é um pretexto, porque muitos dos países que antes apoiavam as ONGs aproveitaram essa desculpa para se aproximarem mais da indústria, à qual não agrada a postura que a sociedade civil vem defendendo na última década. Na União Europeia isso é claríssimo. Esse bloco prefere financiar indústrias que são estratégicas em lugar de fazê-lo com as ONGs, que são críticas.

A seca de financiamento para as ONGs é brutal, e o argumento é a crise. Mas, no final, os governos destinam os recursos para pagamento da dívida financeira ou para investir em indústrias estratégicas e não em área de desenvolvimento.

Isso é muito duro porque as pessoas que estavam nas ONGs têm de buscar outros trabalhos e assim desaparecem as vozes de protesto ou, ao menos, as chamadas de atenção.

Na Espanha, discutiu-se durante meses as reduções nos orçamentos de educação e saúde, mas em um dia decidiu-se destinar a mesma quantia desses cortes para financiar um banco em dificuldades (Bankia). Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La no violencia y el extraviado mensaje de Jesús
 Del sueño americano a la pesadilla de la deportación
 El día que anticastristas y la CIA atentaron contra la ONU
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
MÁS >>