África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

SAÚDE-AMÉRICA LATINA
"A OMS já não interessa à sociedade civil"
Gustavo Capdevila

Genebra, Suíça, 22/5/2012, (IPS) - As organizações não governamentais da América Latina especializadas em questões sanitárias deixaram de confiar na Organização Mundial da Saúde (OMS), afirma o médico Francisco Rossi.


Crédito: Fundación Infarma
Francisco Rossi: não se espera que surjam políticas de saúde para a América Latina da Assembleia Mundial da Saúde.
Somente interessa um tratado que permita a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos para o mundo pobre, acrescentou.

"O que acontece é que perdemos o interesse pela OMS como cenário", explicou à IPS este epidemiologista, diretor da fundação colombiana Ifarma, uma entidade de pesquisa e consultoria sobre temas ligados a acesso, uso e qualidade de remédios, integrante da Ação Internacional para a Saúde, com sede em Amsterdã.

O único aspecto da OMS que ainda atrai a atenção das ONGs da região é a discussão de um tratado proposto por um grupo de trabalho de especialistas internacionais sobre saúde pública, inovação e propriedade intelectual.

Estes especialistas propõem à OMS adotar uma convenção vinculante para criar um mecanismo internacional que permita arrecadar fundos destinados a financiar atividades de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos imprescindíveis, a fim de atender enfermidades que afetam as populações do Sul pobre.

O mecanismo é sugerido para preencher o vazio deixado pelo desinteresse dos grandes laboratórios farmacêuticos transnacionais em investir nesta área. A iniciativa será debatida na Assembleia Mundial da Saúde, que começou ontem, 21 de maio, e vai até dia 26, em Genebra.

Em conversa com a IPS, Rossi disse que, "a não ser pela discussão sobre esse tratado, que parece muito promissor mas que é o princípio de um longo debate, nos demais temas nos parece que a OMS já deixou de ter interesse".

IPS: Quais objeções fazem à OMS e à sua Assembleia Mundial da Saúde?

Francisco Rossi: Para os latino-americanos essa assembleia se converteu no debate de um organismo que já é um paquiderme, muito longe de sua gente.

IPS: Mas não esperam nada em questões de saúde da América Latina, como ações sobre enfermidades como dengue, mal de Chagas ou malária?

FR: Da Assembleia, não.

IPS: Por quais razões?

FR: Digamos que nossos ministérios da Saúde da região e nossas organizações não consideram que a Assembleia mantém uma vigência como espaço de discussão, de debate, ao qual ninguém tem interesse de assistir.

IPS: Vocês se sentem mais cômodos com a Organização Pan-americana da Saúde (OPS)?

FR: Não, a OPS está pior.

IPS: Por que?

FR: Dá a impressão de que ficaram em outras discussões, mais políticas. Por exemplo, neste momento para a América Latina é muito mais importante o que pensa o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) ou o Banco Mundial do que possam estar pensando a OPS ou a OMS. Porque essas entidades financeiras ocupam um espaço que estas perderam.

IPS: Do ponto de vista financeiro, mas do ponto de vista sanitário também?

FR: Do ponto de vista normativo, inclusive. Do ponto de vista dos debates.

IPS: Onde percebem o peso dessas duas instituições financeiras na saúde?

FR: Na Colômbia, na Argentina e no Brasil.

IPS: Como o BID e o Banco Mundial podem ser determinantes em saúde?

FR: O BID e o Banco Mundial estão dando créditos a países para discutirem reformas nos sistemas de saúde e ajustes nos seguros de saúde. Neste momento há um debate em vários países sobre como definir mecanismos de financiamento para medicamentos, especialmente os de alto custo, enquanto a OMS e a OPS discutem sobre o que fazer com o Fundo Global de Luta contra HIV/aids, Malária e Tuberculose, sendo que a América Latina está fora dele porque a maioria de seus países é de renda média.

A impressão é que já não é o fórum das discussões centrais de saúde. É grave. Só o que existe de positivo é que a Unasul (União Sul-americana de Nações), que está se convertendo em um movimento interessante, tem o interesse em levar especialmente este tema do tratado (por medicamentos) à discussão na Assembleia com uma posição conjunta de todos os países da região. Mas nos últimos 10 anos, especialmente nos últimos cinco, a OMS perdeu vigência.

IPS: A crise econômica global incide na marcha da OMS?

FR: A crise é um pretexto, porque muitos dos países que antes apoiavam as ONGs aproveitaram essa desculpa para se aproximarem mais da indústria, à qual não agrada a postura que a sociedade civil vem defendendo na última década. Na União Europeia isso é claríssimo. Esse bloco prefere financiar indústrias que são estratégicas em lugar de fazê-lo com as ONGs, que são críticas.

A seca de financiamento para as ONGs é brutal, e o argumento é a crise. Mas, no final, os governos destinam os recursos para pagamento da dívida financeira ou para investir em indústrias estratégicas e não em área de desenvolvimento.

Isso é muito duro porque as pessoas que estavam nas ONGs têm de buscar outros trabalhos e assim desaparecem as vozes de protesto ou, ao menos, as chamadas de atenção.

Na Espanha, discutiu-se durante meses as reduções nos orçamentos de educação e saúde, mas em um dia decidiu-se destinar a mesma quantia desses cortes para financiar um banco em dificuldades (Bankia). Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ã‰bola provoca crisis alimentaria en África occidental
 EEUU modificará obsoletos controles de productos químicos
 Belice se esfuerza por preservar su arrecife de coral
 2015 será un año decisivo para el desarme nuclear
 EEUU ayuda a combatientes kurdos en Siria y Turquía da un giro
MÁS >>