África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Um basta às manobras de obstrução da indústria do tabaco
Mirta Roses-Periago*

Washington, Estados Unidos, 1/6/2012, (IPS) - Na medida em que mais e mais países cumprem suas obrigações relacionadas com o Convênio Marco da Organização Mundial da Saúde para o Controle do Tabaco, os esforços da indústria para miná-lo se tornam mais agressivos.


Crédito: Claudius/IPS

Por isso, o Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado ontem, chamou para o combate à interferência da indústria tabagista no desenho e na implantação de políticas de saúde pública destinadas a controlar a epidemia de tabagismo.

Isto é crucial porque o consumo de cigarros é uma das principais causas evitáveis de morte, e mata cerca de seis milhões de pessoas por ano, incluindo 600 mil não fumantes expostos à fumaça do cigarro alheio. Somente com uma ação rápida e efetiva pode-se evitar que o tabaco mate quase oito milhões de pessoas por ano até 2030, mais de 80% delas em países de renda baixa e média. De modo que há um conflito fundamental e irreconciliável entre os interesses da saúde pública e os da indústria do tabaco.

Apesar do dano causado pelo consumo de seus produtos, as empresas do setor continuam divulgando-os de maneira ativa, incluindo ações de promoção claramente dirigidas à população jovem. Para defender seus interesses multimilionários, uma estratégia que utilizam cada vez mais no mundo, e em particular na América, é a intimidação por meio do litígio ou da ameaça de concretizá-lo.

Por exemplo, uma tentativa para deter a adoção de regulações rígidas no maço e rótulo dos derivados de tabaco, a indústria adota a tática de processar os países com base em tratados bilaterais de investimento, alegando que essas regulamentações afetam o uso de suas marcas legalmente registradas. Este é o caso do Uruguai e da Austrália. As tentativas do setor para minar o Convênio também ocorrem em outras políticas, como as de ambientes livres de fumaça de cigarro.

Felizmente, a maioria dos casos de litígio termina com vitória da saúde pública. Vários tribunais constitucionais da América Latina decidiram que a liberdade de comércio não pode estar acima da obrigação do Estado de proteger outras garantias fundamentais como os direitos à vida, à integridade pessoal e à saúde, entre outros. Por isso, é crucial apoiar os países ameaçados porque tratam de proteger suas políticas públicas da nefasta interferência da indústria tabagista, para o que há uma série de medidas efetivas e diretrizes contempladas no Artigo 5.3 do Convênio.

No Dia Mundial Sem Tabaco 2012, e durante todo o ano, a Organização Pan-Americana de Saúde exorta os países da região a serem mais rigorosos em seus esforços contra a interferência da indústria do tabaco. Os meios de comunicação e as organizações da sociedade civil podem e devem apoiar as autoridades públicas neste esforço comum para proteger a vida e a saúde da população. Envolverde/IPS

* Mirta Roses-Periago é diretora da Organização Pan-Americana de Saúde. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
 Traducciones que matan
 Terrorismo en Nigeria pasa de los machetes a los lanzacohetes
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
MÁS >>