África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

RIO+20
"A economia já está se tornando verde"
Sabina Zaccaro

Roma, Itália, 11/6/2012, (IPS) - Os governos fazem uma última e desesperada tentativa para chegarem a um acordo sobre o documento final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, mas a economia real já está se tornando verde, segundo o ministro do Meio Ambiente da Itália, Corrado Clini.


Crédito: Ministério de Meio Ambiente da Itália.
Corrado Clini, ministro de Meio Ambiente da Itália.
Os divergentes interesses e prioridades dos países fazem com que seja difícil para os governos conseguir um acordo sobre um enfoque de desenvolvimento sustentável, o que derivou no lento avanço das negociações sobre o documento final, afirmou o ministro à IPS.

A reunião anterior do Comitê Preparatório para completar o plano de ação para a cúpula, que acontecerá entre os dias 20 e 22 deste mês, no Rio de Janeiro, não chegou a um consenso. O próximo e último encontro de três dias será entre os dias 13 e 15. Os políticos se esforçam em avançar para um novo modelo de desenvolvimento favorável ao meio ambiente e acordar uma agenda comum. Já estão em marcha e crescem com rapidez os investimentos nacionais na área de energias renováveis e de eficiência energética. Uma das expectativas mais realistas para a Rio+20 é que pelo menos "reconheça e reflita a tendência global que já está em andamento", ressaltou Clini.

IPS: Como explica a discrepância entre ação política e progresso econômico?

Corrado Clini: Os governos chegarão a um acordo frágil, mas a sociedade civil e as empresas privadas avançam rapidamente para padrões mais sustentáveis. A qualidade de produtos como lâmpadas, automóveis, aquecedores e agora inclusive materiais de construção avança para padrões comuns mais respeitosos do meio ambiente. O mesmo ocorre com as economias emergentes, onde os padrões ambientais são mais altos. A maior expectativa, após a primeira conferência do Rio de Janeiro em 1992, foi que a economia incorporasse a sustentabilidade. Nos últimos 20 anos, vimos que de um ponto de vista político não se conseguiu, enquanto as tecnologias obtiveram muitos avanços. A política e a tecnologia são duas áreas paralelas que progridem em descompasso.

IPS: Vê alguma possibilidade de essas duas áreas convergirem?

CC: Há algumas combinações interessantes. Isto ocorre quando a política "absorve" um progresso existente. A política da União Europeia (UE) para sistemas de iluminação mais eficientes é um exemplo de absorção de uma evolução já consolidada da tecnologia. Esse fenômeno também ocorre na China, onde o governo obtém o máximo das tecnologias existentes. Há uma combinação do que já está maduro no mercado com as políticas nacionais que possibilitam o avanço. Esse deveria ser nosso objetivo, e isso é o que já procuramos fazer com os biocombustíveis em escala global. É um processo complexo, mas interessante.

IPS: A coalizão italiana Chamado de Ação Global Contra a Pobreza (GCAP), que reúne 70 organizações da sociedade civil, pede aos líderes mundiais que equiparem a economia verde com a igual distribuição da riqueza. Isto é possível?

CC: Esse é o ambicioso objetivo do chamado "crescimento verde inclusivo". A UE se compromete com este enfoque que há muitos anos era chamado de "nova ordem mundial". A resposta, naturalmente, não pode proceder da conferência do Rio de Janeiro. A Rio+20 nos oferecerá uma lista atualizada de temas, não a solução. A União Europeia tem suas propostas, mas nem todos os países membros necessariamente compartilham essa visão.

IPS: Quais expectativas tem sobre a Rio+20?

CC: Resultados políticos como o do frágil documento são previsíveis. Entretanto, há esperança de algo mais. A conferência do Rio de Janeiro pode ser importante para a Europa, que precisa construir uma nova associação com países emergentes como a China, na medida em que avança para uma economia com poucas emissões de dióxido de carbono. O Brasil, com seus recursos fósseis, também pode ser um aliado importante nos esforços para promover um crescimento que proteja os recursos naturais. O novo comissário de Meio Ambiente da UE, Janez Poto?nik, lançou na semana passada a plataforma sobre eficiência no uso de recursos para oferecer assessoria sobre medidas políticas tendentes a impulsionar a economia para um crescimento mais sustentável. A principal tarefa da plataforma será determinar como conseguir os objetivos fixados pelo mapa da Comissão Europeia para que o continente faça um uso eficiente de seus recursos, incluída a questão de desvincular o uso de recursos de seus impactos sobre o crescimento econômico. O uso eficiente de recursos é uma questão fundamental para um crescimento sustentável e inclusivo. Creio que Rio+20 pode dar à União Europeia o valor que necessita para continuar por esse caminho. Por último, membros de importância estratégica da sociedade civil dos países em desenvolvimento podem emergir e ganhar visibilidade global. Creio que nos países emergentes esse setor se beneficiará enormemente disso. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Mujeres afrontan desafíos ambientales con ingenio en India
 Cuba exporta carbón vegetal de plantas invasoras
 Lucha por el sucesor de Mugabe frena el desarrollo en Zimbabwe
 La agroecología es la solución al hambre y al cambio climático
 La lucha contra la desnutrición se democratiza
MÁS >>