África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Rio+20 tem desafio de definir objetivos do desenvolvimento sustentável na área alimentar, energética e hídrica
Fabíola Ortiz

Rio + 20, 14/6/2012, (IPS) - Após 20 anos da Rio92, a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, começou nesta quarta-feira, dia 13 de Junho, no Rio de Janeiro com o desafio de discutir as lições aprendidas há duas décadas e as tarefas que vão orientar as negociações para se chegar a uma declaração em prol do desenvolvimento sustentável, com aplicações concretas.

Segundo disse a IPS, o coordenador da Iniciativa Amazônia Viva da Rede WWF, Claudio Maretti, em uma das primeiras atividades da Conferência, a grande expectativa é que a Rio+20 saia com os objetivos do desenvolvimento sustentável. "A grande esperança é que a gente tenha, pelo menos, os objetivos da segurança alimentar baseada numa agricultura sustentável, segurança hídrica e energética", afirmou.

A governança dos oceanos, o melhor planejamento e gestão das cidades para menor consumo também são pontos que devem ser incluídos na lista de metas. "É fundamental diminuir a exploração de recursos naturais. Segurança alimentar é, por exemplo, garantir a produção de alimentos sem devastar o meio ambiente e manter o equilíbrio climático", explicou Maretti.

A maior parte da população mundial de 7 bilhões de pessoas está concentrada nos centros urbanos. Os hábitos de consumo demandam um planeta e meio, se o consumismo continuar neste ritmo, em 2020, serão necessários dois planetas para dar conta da população de apenas um. "A gente está entrando numa dívida, isso não é sustentável", admitiu Maretti.

Como uma das primeiras atividades da Conferência, a Rede WWF lançou a publicação trilíngue - inglês, português e espanhol - do documento "Rio 92, para onde foi? Rio+20 para onde vai?".

A Conferência de 92, para o cientista político Eduardo Viola, foi um momento de grande expectativa e uma cúpula marcante na humanidade, pois se tratava pela primeira vez de discutir os problemas globais. "Criou-se uma consciência dos problemas ambientais e definiram-se parâmetros normativos sobre como a humanidade poderia reagir. Os problemas da humanidade estão muito mais agravados e esta atual Conferência não tem como avançar além de declarações genéricas de boas intenções", discutiu Viola.

Segundo o intelectual, "muito provavelmente" em termos intergovernamentais, a Rio+20 será um fracasso. Uma vez que as superpotências ambientais e econômicas não demonstram empenho. A União Europeia está imersa em sua crise econômica que ameaça a sua própria existência, enquanto um terço da população norte-americana é "radicalmente contra" mudança dos padrões e a China continua com emissões explosivas. Em 1992, o dragão oriental emitia 8% das emissões globais da carbono, atualmente a China representa 26% da fatia de emissões planetárias.

Já o embaixador Flavio Perri que, em 1992, foi secretário executivo do grupo de trabalho brasileiro, que organizou a conferência, defende um novo indicador para registrar o custo ambiental, uma espécie de PIB ambiental. "Um índice novo que nos dê transparência no processo produtivo, que envolvesse o PIB (Produto Interno Bruto), o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e um índice de desgaste ambiental", afirmou. (IPS/TerraViva)

Amazônia prestes a viver colapso ecológico

A publicação trilíngue "Rio 92, para onde foi? Rio+20 para onde vai?" deu ênfase nas soluções para o futuro da Amazônia que corre sérios riscos de sofrer um colapso ecológico. Se mantida a tendência atual de desmatamento e incêndios florestais, a Amazônia terá cerca de um terço a menos de vegetação em 2030. Esse quadro pode ser ainda mais aprofundado em 50 anos, quando o maior bioma do planeta chegará em 2080 com menos de 10% da floresta original, segundo projeções da Perspectiva Mundial sobre Diversidade Biológica.

"O grande alerta da Amazônia está associado à utilização das riquezas de forma sustentável para evitar que entre em colapso", disse Claudio Maretti. O coordenador da Iniciativa Amazônia Viva da Rede WWF afirma que a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) tem a missão de sair da Rio+20 com a definição de metas para o desenvolvimento sustentável para a Amazônia, como por exemplo, o desmatamento zero para 2020.

"Para 2020, desmatamento zero, para que a Amazônia possa continuar a ser um provedor de serviços para a humanidade. Ainda dá tempo", destacou. A Amazônia possui a maior floresta tropical úmida, representa 6% da superfície terrestre e ocupa 40% do território da América Latina e Caribe. Lá vivem 38,7 milhões de habitantes, além de 40 povos indígenas que falam quase 90 línguas diferentes. (IPS/TerraViva) (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
 Iranians Keep Hope Alive for Final Nuclear Deal
 OPINION: Why Israel Opposes a Final Nuclear Deal with Iran and What to Do About It
 U.S. Proposes Major Debt Relief for Ebola-Hit Countries
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Propuesta de Corte Internacional Anticorrupción cobra bríos
 Petróleo salado impulsa desarrollo tecnológico en Brasil
 Las trabas contra el desarrollo están en el sistema internacional
 Equidad de género para mujeres y hombres por igual
 Los sijs, víctimas de persecución religiosa en Pakistán
MÁS >>