África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

"A batalha está longe de terminar"
Rousbeh Legatis

Nações Unidas, 15/6/2012 (TerraViva), (IPS) - Os direitos humanos devem ser explicitamente reconhecidos como ingrediente indispensável do desenvolvimento sustentável na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, afirmou a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navanethem Pillay, em entrevista à IPS.


Crédito: UNHCHR
A Rio+20 deve colocar os direitos humanos no centro, disse Navanethem Pillay.
Segundo Pillay, a ligação que existe entre os direitos humanos e o desenvolvimento sustentável, bem como a importância nesse sentido da Rio+20, que acontecerá de 20 a 22 deste mês, no Rio de Janeiro.

IPS: Até que grau dependem entre si o desenvolvimento sustentável e os direitos humanos?

Navanethem Pillay: Estão indissoluvelmente unidos. Sem proteções aos direitos humanos, as políticas destinadas a melhorar o meio ambiente ou as metas de desenvolvimento podem ter impactos negativos muito sérios. Por exemplo, nos últimos anos, vimos que os esforços tecnocráticos para o desenvolvimento sustentável excluíram muitas comunidades dos processos de tomada de decisões, provocando uma exacerbação das desigualdades econômicas e sociais, bem como uma marginalização dos direitos humanos. Os povos indígenas viram ameaçadas suas terras e suas fontes de sustento devido aos mecanismos para a redução de emissões (de gases-estufa). As terras agrícolas são destinadas à produção de biocombustíveis e os grandes projetos de infraestrutura causaram a retirada e reassentamento de comunidades inteiras. É por isso que precisamos incluir referências específicas aos direitos humanos em todo o documento final da Rio+20. Quando se trata de direitos humanos, vimos uma e outra vez que, se não há uma referência explícita em importantes documentos políticos, estes tendem a ser ignorados e, às vezes, avanços anteriores sofrem retrocessos inadvertidos.

IPS: Organizações da sociedade civil expressam temores de que o plano final da Rio+20 deixe de lado os direitos humanos, incluindo os das mulheres e dos povos aborígines. Esses temores são válidos?

NP: Compartilho deles. É por isso que estarei presente na Rio+20 e meu escritório trabalha duramente para destacar a necessidade de os direitos humanos estarem no resultado final. No final de março, escrevi uma carta aberta aos Estados-membros da ONU exortando-os a apoiarem considerações de direitos humanos em suas deliberações, exatamente quando começava a segunda rodada de negociações informais. As organizações não governamentais tomaram essa carta como ponto de partida e algumas delegações governamentais a levaram em consideração. Em consequência, vimos que foram apresentadas propostas sobre direitos humanos nas negociações, mas a batalha está longe de acabar. A maioria das disposições seguem entre colchetes (sem acordo), e conceitos cruciais, como a coerência das políticas e seu impacto nos direitos humanos, ainda não foram introduzidos no documento.

IPS: Qual a amplitude do reconhecimento do conceito de direitos humanos pela Agenda 21 e pela Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, adotadas na Cúpula da Terra de 1992?

NP: Na verdade, tinham uma linguagem de direitos humanos mais clara do que se poderia imaginar, comparando com as atuais discussões. A Agenda 21 e a Declaração do Rio foram celebradas precisamente porque colocaram os direitos humanos à frente e no centro. Em minha carta aos governos, recordo que 27 princípios da Declaração do Rio de 1992 se baseiam firmemente nos direitos humanos. A Declaração do Rio especificamente invoca o direito ao desenvolvimento, chama por uma atuação para reduzir as disparidades nas condições de vida, afirma o papel das mulheres, dos povos indígenas e das comunidades locais no desenvolvimento sustentável, e chama pela proteção das pessoas que vivem sob repressão ou ocupação.

IPS: Analisando os progressos desde que foram incluídas as considerações de direitos humanos na histórica Declaração de duas décadas atrás, quais são as lições aprendidas quanto à implantação?

NP: Vinte anos depois, se esperaria que pudéssemos avançar em lugar de retroceder nestes compromissos essenciais. Devemos encarar a divisão Norte-Sul, avançar para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio a fim de assegurar que se considere uma adequada perspectiva de gênero, e devemos aprender com os movimentos da Primavera Árabe e Ocupe Wall Street que os direitos humanos devem estar no centro do desenvolvimento. Os governos terão que traduzir isto em ações, porque as mulheres e os homens nas ruas assim estão exigindo. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
 Retiro digno en El Salvador pasa por reformar privatizado sistema
MÁS >>