África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

O mundo está levemente mais pacífico, apesar dos Estados Unidos
Carey L. Biron

Washington, Estados Unidos, 20/6/2012 , (IPS) - Revertendo uma tendência que durava dois anos, o mundo ficou levemente mais pacífico em 2011, segundo o último Índice de Paz Global.

Entretanto, os Estados Unidos caíram sete posições, ficando em 88º lugar entre os 158 países estudados, "uma colocação bem baixa, que em grande parte reflete os níveis mais altos de militarização e de participação em conflitos externos", afirma o documento, conhecido como GPI. Embora o gasto militar de Washington "tenha caído drasticamente" entre 1991 e 2000, "agora voltou aos níveis da Guerra Fria", afirma o estudo.

Uma das conclusões mais preocupantes do estudo, elaborado pelo Instituto para a Economia e a Paz, com sede em Washington, em colaboração com a Unidade de Inteligência Econômica, é que o maior gasto militar (calculado como porcentagem do produto interno bruto) tem correlação com menores níveis de paz. O GPI, que estuda 23 indicadores em 158 países, encontrou "melhorias nas pontuações gerais em todas as regiões", menos no Oriente Médio e no norte da África. Devido ao impacto da Primavera Árabe, pela primeira vez a África subsaariana não foi a região menos pacífica do mundo.

Na verdade, os cinco países que experimentaram as maiores reduções na lista foram afetados pela Primavera Árabe. A Síria foi o que sofreu maior deterioração de seu nível de paz, caindo 31 posições para ficar no 147º posto. A Somália foi novamente o país menos pacífico, enquanto a Islândia outra vez se destacou como o mais pacífico, em uma tendência que já dura dois anos.

O informe ajuda a definir exatamente o que é a paz, disse durante a apresentação do documento, em Washington, Anne-Marie Slaughter, ex-funcionária do Departamento de Estado norte-americano. "O índice vai além de calcular a ausência de conflito, além da ausência de instabilidade. Por outro lado, a definição usada aqui é a ausência de medo e de violência", afirmou.

Pela primeira vez, este ano o GPI incluiu um novo ranking, o Índice de Paz Positiva. Com base nos primeiros seis anos de experiência do informe, o novo índice se concentra em fatores que contribuem para a capacidade dos países de manterem uma sociedade pacífica. "Isto inclui o trabalho positivo para melhorar a qualidade de vida, não apenas de evitar o ruim", destacou Slaughter.

Os oito fatores que compõem o Índice de Paz Positiva - entre eles a educação, a baixa corrupção, o bom funcionamento do governo e a distribuição equitativa dos recursos - são considerados um verdadeiro mapa pelo diretor de políticas do Instituto para Economia e Paz, Michael Shank.

Segundo os pesquisadores do informe, "a necessidade de aprofundar o entendimento de como construímos a paz foi realçada pelas últimas experiências de desenvolvimento institucional no Iraque e no Afeganistão". O principal ator nas duas experiências, os Estados Unidos, demonstraram incapacidade para se envolver adequadamente e criar sociedades pacíficas, afirmam.

Depois de quase uma década de esforços liderados por Washington, Afeganistão e Iraque "ainda estão paralisados no fundo do GPI". Segundo a jornalista Emily Cadei, que cobre o Congresso norte-americano e falou na apresentação do documento, a participação dos Estados Unidos no exterior foi pobre nos últimos dois anos. Nos últimos seis anos, os pesquisadores do GPI registraram uma queda nos conflitos externos e entre Estados, e um aumento da violência interna. Além disso, o GPI indica uma crescente militarização correlacionada com menores níveis de paz.

"O fato de os conflitos internos crescerem é uma má notícia, porque os Estados Unidos não estão preparados para enfrentar essas formas de violência. O governo de Barack Obama ainda não tem um consenso sobre como fazer isso", indicou Cadei. A jornalista acrescentou que, "além disso, o fato de a militarização estar negativamente correlacionada com a paz ainda não foi assumido nos Estados Unidos. A visão predominante no governo é que a paz vem por meio da força. No Congresso, a assistência internacional sempre está atada à segurança", acrescentou.

Por sua vez, Lawrence Wilkerson, ex-coronel do exército norte-americano e professor de políticas públicas e governo, disse que essa mentalidade datava da Guerra Fria e que não havia conseguido se transformar desde o fim da União Soviética, em 1991. "O novo índice mostra que os Estados Unidos precisam ser mais cautelosos no que tenta fazer em outros países. Durante 50 anos demonstramos sermos muito maus na construção da paz", ressaltou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>