África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

RIO+20
Ex-ministra pede defesa das utopias
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 21/6/2012 (IPS/TerraViva), (IPS) - A juventude não deve se deixar convencer pelo discurso do "pragmatismo" e precisa continuar "sustentando as utopias" por meio de uma militância de novo perfil, "autoral", exortou a ex-ministra de Meio Ambiente e ativista, Mariana Silva.

"Armaram uma armadilha para vocês, levando-os a crer que o sonhador é cidadão de segunda classe e que para amadurecer é preciso ser realista", afirmou Marina Silva perante dois mil jovens. "Não sejam pragmáticos! Sejam sonhadores! Continuemos sendo mantenedores de utopias!", ressaltou a discípula do ambientalista brasileiro Chico Mendes, assassinado em 1988 por se opor a latifundiários responsáveis pelo constante avanço depredador na Amazônia.

"Chico Mendes escolheu algo que ainda existia em sua época: defender a floresta", disse a ex-ministra arrancando aplausos e vivas da enorme plateia jovem, convocada pela Cúpula dos Povos para discutir e aderir à Carta da Terra, documento da sociedade civil finalizado no ano 2000 que contém os princípios éticos da ecologia. "Vivemos uma emergência planetária" pela depredação dos recursos naturais e extinção cada vez mais vertiginosa de espécies, "mil vezes mais do que há 50 anos", alertou Marina Silva, que ocupou o Ministério do Meio Ambiente entre 2003 e 2008, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, renunciando por discordar da política de desenvolvimento da época.

Diante do desafio, convocou os jovens a assumirem a luta ambiental a partir de "um novo tipo de militância, isto é, não mais nos partidos políticos, sindicatos, organizações não governamentais, nem governos, que era a existente na minha época", observou Marina. "Hoje a militância é autoral. Vocês devem ser os autores, se mobilizarem por seus princípios e seu prazer (...) de maneira criativa", enfatizou a ex-senadora pelo PT e candidata em 2010 à Presidência do Brasil pelo Partido Verde.

"Seus sonhos são maiores do que as urnas", afirmou, referindo-se a um dos lemas da juventude espanhola, bem como dos representantes dos governos reunidos na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). A ambientalista se expressou dessa maneira após ouvir a primeira conferencista do plenário juvenil, a canadense Severn Cullins-Suzuki, que aos 12 anos emocionou uma plateia da Organização das Nações Unidas (ONU) na primeira cúpula mundial de meio ambiente, a Rio 92.

Hoje, aos 32 anos, bióloga ambiental e com dois filhos pequenos, está decepcionada com a nova estratégia, "sem valores", desenhada para "transformar em lucro tudo o que vem da natureza", que é fomentada pelo "aumento do poder corporativo. É preocupante ouvir o discurso de Severn, que 20 anos após ter feito um apelo tão emotivo aos governos, nos diz que não fizeram quase nada", lamentou a ex-ministra.

"Minha filha nasceu nessa época e eu tinha 34 anos; agora, melhor não fazer as contas, pois se passaram 20 anos e os líderes do mundo continuam avaliando se vêm ou não" à cúpula oficial no Rio de Janeiro, disse Marina Silva ao se referir aos mandatários de alguns países, como o dos Estados Unidos, Barack Obama, que não participarão. Apesar de sua decepção, Severn considerou que a esperança são os jovens e a luta "intergerações" para defender uma "nova definição de progresso e bem-estar humano. Aprendi em minhas caminhadas que o mundo está desesperado para ter vozes de pessoas jovens", ressaltou.

Os discursos emocionaram a audiência juvenil angustiada com o atual sentido de emergência do planeta, como Soraya Lima, de 21 anos, estudante de pedagogia que disse ao TerraViva que se sentiu identificada com o chamado para defender as utopias fora da política tradicional "organizada em grupos. Por sua vez, Priscila Rodrigues, de 19 anos, que segue a carreira ecológica, afirmou que é preciso sustentar as utopias, "mas com os pés no chão", porque ainda há muitos jovens que nem sabem o que é a Rio+20 e muito menos a Rio 92". André Girardi, de 20 anos e estudante de administração, disse que a alternativa de mobilização são as redes sociais e outros instrumentos da internet, por meio dos quais os jovens se comunicam hoje em dia. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Japón busca trabajadores extranjeros, a regañadientes
 Recrudece la persecución a homosexuales en Uganda
 Milicias cristianas se dividen en el norte de Siria
 Reforma tributaria chilena se queda a medias
 Ruido de sables entre EEUU y Rusia entorpece reunión nuclear
MÁS >>