África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
África-Europa: é preciso pôr fim às relações desiguais
Benjamin W. Mkapa*

Genebra, Suíça, junho/2012 (IPS/South Centre), (IPS) - Vivemos em um mundo que muda rapidamente. O modelo da globalização e do livre mercado é questionado.

Nos perguntamos se não será o capitalismo, guiado pela mão forte do Estado, o próximo modelo a seguir. O fato é que os principais mercados de África, Estados Unidos e União Europeia (UE), estão paralisados ou afundando. Por outro lado, nossos mercados estão crescendo, junto com os das economias emergentes.

Embora as exportações possam ser um instrumento muito importante para nossa estratégia global de desenvolvimento, na verdade são apenas um pilar. A principal sustentação deve ser o incremento de nossas capacidades de produção interna, de diversificação, de industrialização e de produção agrícola.

Em seu caminho para o desenvolvimento, a África não pode continuar exportando uma reduzida série de matérias-primas e importando uma ampla variedade de bens acabados.

Em setembro de 2011, a Comissão Europeia propôs excluir 16 países africanos da Regulamentação de Acesso ao Mercado da UE 1528/2007, que permitia às nações africanas que aceitavam um Acordo de Associação Econômica (AAE) desfrutarem do acesso livre de impostos ao mercado da UE, se dessem passos para a assinatura ou ratificação.

A regulamentação proporcionava aos nossos países a cobertura necessária, enquanto continuavam negociando com a UE as questões difíceis dos impostos para exportação, do grau de liberalização e da ajuda ao desenvolvimento.

Embora as negociações não tenham terminado, a UE diz agora que se Gana, Quênia, Namíbia (que iniciaram o processo, mas não assinaram), Botsuana, Camarões, Costa do Marfim, Suazilândia e Zimbábue (que assinaram mas ainda não ratificaram) não ratificarem a AAE antes de 2014, serão eliminados da lista de países que recebem a mencionada cobertura.

Neste momento da verdade há várias opções.

1. Apenas o Quênia assina o AAE, a fim de reter suas preferências em flores e pescado. Isso destruiria a união aduaneira da Comunidade Africana do Leste (CAE), integrada também por Uganda, Tanzânia, Ruanda e Burundi.

2. Toda a CAE assina o AAE. Neste caso, os países menos desenvolvidos (PMD), que não estão obrigados a reduzir tarifas alfandegárias nas rodadas de liberalização comercial da Organização Mundial do Comércio (OMC), terão que reduzi-las a zero em pelo menos 80% do comércio com a UE. Isso afetará seriamente a capacidade de industrialização regional. Como a União Europeia continua sendo um grande exportador de alimentos e subsidia seu setor agrícola com 60 bilhões de euros anuais, tiraria nossos pequenos agricultores dos mercados locais.

3. A região inteira não assina o AAE. Neste caso o Quênia perderia sua preferência em flores. Contudo, o quanto este setor é importante comparado com a abertura do mercado da CAE e da UE e de um real impedimento a uma futura industrialização?

A UE insiste na eliminação de tarifas para 80% do comércio e em outras medidas que afetariam os esforços da África para industrializar-se e melhorar a cadeia de valor agregado. Assim, a África continuaria sendo um perpétuo fornecedor de matérias-primas.

Quanto ao efeito sobre a segurança alimentar e a vida da população rural, a UE não mostra nenhuma intenção de abolir seus subsídios agrícolas, que são a principal competição desleal contra os produtores africanos de lácteos, carnes, cereais, etc.

Com relação ao efeito sobre o comércio e a integração regional, os mercados regionais proporcionam à África a melhor oportunidade para a diversificação e o desenvolvimento.

Se o AAE nos impõe liberalizar 80% do comércio, nossos mercados regionais poderão ficar nas mãos dos produtos da UE. A oportunidade de aumentar o comércio interno, a diversificação e a industrialização da África se verá significativamente reduzida.

Que interesse tem a UE no AAE? Negocia-se este acordo porque a UE quer favorecer a integração e o desenvolvimento africanos ou porque serve, antes de tudo, aos interesses europeus?

Se deixarmos de lado as opções 1 (só o Quênia assina o AAE) e a 2 (toda a CAE assina o AAE), quais alternativas restam?

Desde 2007, as exportações interafricanas ultrapassaram as exportações da região para a UE. O total das vendas da CAE para a União Europeia foi de US$ 2,5 bilhões em 2008, enquanto as exportações para a África chegaram a US$ 3,2 bilhões.

Portanto, a África deve fazer suas as conclusões do Informe da Comissão Sul: "Ao mobilizar todo seu poder latente, o Sul tem, primeiro, que garantir que suas economias sejam alimentadas e que seu crescimento não seja apenas um subproduto do crescimento do Norte. O Sul precisa expandir sua presença nos mercados do Norte, o que implica melhorar o acesso e reduzir o protecionismo".

"Entretanto, parece claro que as economias locomotivas do Norte não impulsionarão o trem das economias do Sul a um ritmo que satisfaça seus passageiros, ou seja, o povo do Sul. O poder de locomotiva deve ser gerado ao máximo possível dentro das próprias economias do Sul". Envolverde/IPS

* Benjamin W. Mkapa é ex-presidente da Tanzânia e presidente do South Centre em Genebra (www.southcentre.org). (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
 As Winds of Change Blow, South America Builds Its House with BRICS
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Inédita preocupación por matrimonio infantil y mutilación genital
 Alianza petrolera de China y Costa Rica vuelve a la vida
 Petróleo abre la puerta de comunidad lusófona a Guinea Ecuatorial
 Desastres naturales arrasarán con los beneficios del desarrollo
 Un tugurio dentro de otro se desarrolla en Kenia
MÁS >>