África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

PALESTINA
Proibido estudar na Cisjordânia
Jillian Kestler-D'Amours

Jerusalém, Israel, 28/6/2012, (IPS) - Depois de 25 anos de luta pelos direitos das mulheres na Faixa de Gaza, Andaleeb Shehadeh agora luta para terminar o curso de pós-graduação na Cisjordânia.

"Este tipo de estudo é muito importante para as mulheres com um papel ativo na luta pelos direitos femininos na Faixa de Gaza", declarou à IPS esta mulher de 46 anos, com quatro filhos. "Não são oferecidos em Gaza nem no resto do Oriente Médio", acrescentou.

Shehadeh começou em 1999 um mestrado sobre gênero, direito e desenvolvimento na Universidade de Birzeit, na Cisjordânia. Porém, um ano depois, as autoridades israelenses proibiram de forma generalizada a circulação de cidadãos de Gaza nesse outro território palestino para estudar. Shehadeh, diretora-executiva do Centro de Mídias Comunitárias de Gaza, não conseguiu assistir as aulas na Cisjordânia desde então. "Inventam desculpas, que a proibição é por motivos de segurança e que não é para mim, mas para todas as pessoas que querem estudar na Cisjordânia. Por quais razões de segurança os estudantes são uma ameaça para Israel?", questionou.

Há nove universidades na Cisjordânia e cinco na Faixa de Gaza. A Cisjordânia, com nove universidades, conta com cerca de 30% mais programas de graduação e 40% mais de pós-graduação do que os existentes nas cinco altas casas de estudo de Gaza, além de alguns nem mesmo constarem deste último, como odontologia, engenharia médica, veterinária e direitos humanos e democracia. "Tentam nos dividir, nos separar dos palestinos da Cisjordânia. É para não termos uma boa educação e para fortalecer seu controle sobre Gaza e seus moradores", denunciou Shehadeh.

O Supremo Tribunal de Justiça de Israel ordenou no final de maio que o exército israelense reavaliasse a proibição contra Shehadeh e outras quatro mulheres de Gaza de frequentarem a Universidade de Birzeit para terminarem seus cursos. Segundo o Gisha, o Centro Legal para a Liberdade de Movimento, que levou o caso ao Supremo Tribunal com apoio do Centro Al Mezan de Direitos Humanos, com sede em Gaza, a proibição de circulação viola as obrigações israelenses no contexto do direito internacional enquanto potência ocupante, bem como o compromisso do Estado judeu, contraído nos Acordos de Oslo, de tratar os dois territórios como sendo um só.

"Parece que Israel tenta evitar que as pessoas se desloquem para a Cisjordânia. Quando se é jovem e estudante pode-se conhecer um homem ou uma mulher e querer se casar, e ficar", disse à IPS a porta-voz do Gisha, Ayelet Cohen. "Dizem que os estudantes têm um perfil perigoso", acrescentou. Antes da Segunda Intifada, entre julho e setembro de 2000, estima-se que a média mensal de entradas em Israel desde Gaza superava as 500 mil. Atualmente, Israel concede cerca de três mil autorizações por mês aos palestinos que querem cruzar a passagem de Erez, entre Gaza e o Estado judeu. A maioria é concedida a empresários ou por razões humanitárias críticas.

O Supremo Tribunal recomendou, em 2007, que Israel criasse um comitê para analisar de forma individual os casos de moradores de Gaza que desejassem estudar na Cisjordânia, e considerou exceções para os estudantes cujos estudos possam ter "implicações humanas positivas". Contudo, até agora, esse comitê nunca foi criado. "Estas mulheres realmente procuram fazer a diferença. Trabalham toda sua vida para sua sociedade e só querem aprender a fazê-lo melhor", observou Cohen. "Há empresários que vão de Gaza para a Cisjordânia e Israel o tempo todo. Se eles podem, como essas mulheres não podem?", perguntou.

Para Shehadeh, é importante acabar sua pós-graduação na Universidade de Birzeit, mas também é importante lutar pelo direito dos jovens de Gaza de estudarem livremente na Cisjordânia. "É uma oportunidade para regressar a Birzeit. Creio que pressionando o governo israelense e os que nos impedem de irmos à Cisjordânia assentaremos as bases para que também os jovens possam ir às universidades da Cisjordânia", ponderou. "Os jovens que querem se formar devem receber permissão e poder frequentar as universidades da Cisjordânia, em Belém, Ramalá, Nablus e Hebron, porque esta é nossa terra. Somos palestinos, temos direito de estarmos lá quando quisermos e pelas razões que quisermos", ressaltou Shedadeh. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 â€œLa agricultura necesita una nueva revolución”
 Incidencia mundial del cáncer versus mortalidad por región
 Países con mayor incidencia y mayor mortalidad por cáncer
 Distribución de casos de cáncer en Jordania
 Diez principales tipos de cáncer en Perú
MÁS >>