África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Assassinatos de crianças fica impune na Síria
Carlota Cortés

Nações Unidas, 29/6/2012, (IPS) - A comunidade internacional não faz nada para deter os assassinatos e as torturas contra meninas e meninos na Síria, lamentou a secretária adjunta da Organização das Nações Unidas (ONU) e representante especial para a infância e os conflitos armados, Radhika Coomaraswamy.

Radhika Coomaraswamy: “A primeira coisa a ser feita na Síria é reviver o processo político para deter o enfrentamento entre as partes”.
Radhika foi designada para o cargo em abril de 2006, e desde então visitou Filipinas, Iraque, Nepal, República Centro-Africana, Sri Lanka, Uganda e outros países para conhecer pessoalmente a situação das crianças ali. "Sobre assassinato, mutilação, torturas e execuções sumárias de meninos e meninas na Síria, nada foi feito", afirmou em entrevista à IPS.

IPS: Em março passado, a senhora visitou o Sudão do Sul. O Exército de Libertação do Povo Sudão (SPLA) assinou um convênio com a ONU para liberar todas as crianças que estavam em suas fileiras. Este é um dos objetivos de seu escritório, estabelecer um diálogo com todas as partes? Esta estratégia é efetiva?

Radhika Coomaraswamy: Temos êxito. Possuímos cerca de 17 planos de ação e em 2011 vários milhares de meninos e meninas foram liberados na República Centro-Africana, Colômbia, República Democrática do Congo, Birmânia, Sudão do Sul, Sudão e Colômbia, por meio dos esforços de desmobilização da ONU. Este é um processo com mandato do Conselho de Segurança. Consiste basicamente em o Conselho pedir à Secretaria-Geral que elabore uma lista de grupos que recrutam crianças como soldados. O SLPA foi incluído na relação. Para sair da lista, o grupo deve participar de um plano de ação com o qual se verifica que já não há crianças em suas fileiras. Assim, basicamente é isso que fazemos. Assinamos um acordo com eles para liberarem os menores. A situação no Sudão do Sul é diferente de Serra Leoa e Libéria. Muitos jovens se unem ao SPLA e se envolvem pela falta de outras oportunidades, e o SPLA tem uma política flexível que permite que saiam. Atualmente, no Sudão do Sul a grande parte dos casos não é de sequestro nem de recrutamento de crianças, como ocorre em Serra Leoa e Libéria.

IPS: No último informe da ONU sobre as repercussões dos conflitos armados na infância, as forças do governo da Síria foram denunciadas por matarem e mutilarem crianças, além de atacarem escolas e hospitais. Qual forma considera ser a melhor para enfrentar este assunto?

FC: O que é muito importante neste momento na Síria é, primeiro, deter o combate, e para isso temos que procurar reviver rapidamente o processo político e deter o enfrentamento entre as duas partes. Só depois se poderá pensar na manutenção da paz ou em qualquer coisa que decidir a comunidade internacional.

IPS: Quanto se conseguiu até agora?

RC: Na Síria, absolutamente nada, e este é o problema e esta é a verdadeira preocupação, uma preocupação humanitária. Sobre o assassinato, a mutilação, torturas e execuções sumárias de crianças nada se fez, e é por isto que exortamos a comunidade internacional a falar com uma só voz. Os membros da equipe técnica (enviada pela ONU à Síria) puderam se reunir com refugiados, com pessoas que cruzaram a fronteira. Ouviram crianças que foram vítimas, e anotaram suas declarações sem a presença de adultos. Avaliaram a credibilidade dessas crianças, e em alguns casos de tortura ainda estavam presentes as marcas físicas. Puderam ter uma boa ideia do que estava ocorrendo.

IPS: No mesmo informe, Nepal e Sri Lanka já não integram a "lista da vergonha". Qual deveria ser o próximo passo no processo para a paz e a reconciliação?

RC: No Sri Lanka, por exemplo, havia dois grupos na lista, os Tigres para a Libertação da Pátria Tamil-Eelam e o Tamil Makkal Viduthalai Pulikal (TMVP). Com relação aos Tigres, todos morreram ao fim da guerra civil, não ficou um único líder, assim não tinha sentido mantê-los na lista. O TMVP integrou-se a um plano de ação da ONU e finalmente este ano uma equipe viajou e confirmou que todas as crianças foram liberadas e, portanto, ficou fora da lista. Agora, os programas humanitários continuarão o trabalho, mas as listas ali já não têm sentido. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
 OPINION: Violations of International Law Denigrate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Ya pasó la época del carbón
 Parques eólicos mexicanos violarían normas de la OCDE
 ONG piden a Banco Mundial más cambios en informe sobre negocios
 Las relaciones Internacionales, la ONU e Inter Press Service
 Los refugiados climáticos se quedarán sin estatus legal
MÁS >>