África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Assassinatos de crianças fica impune na Síria
Carlota Cortés

Nações Unidas, 29/6/2012, (IPS) - A comunidade internacional não faz nada para deter os assassinatos e as torturas contra meninas e meninos na Síria, lamentou a secretária adjunta da Organização das Nações Unidas (ONU) e representante especial para a infância e os conflitos armados, Radhika Coomaraswamy.

Radhika Coomaraswamy: “A primeira coisa a ser feita na Síria é reviver o processo político para deter o enfrentamento entre as partes”.
Radhika foi designada para o cargo em abril de 2006, e desde então visitou Filipinas, Iraque, Nepal, República Centro-Africana, Sri Lanka, Uganda e outros países para conhecer pessoalmente a situação das crianças ali. "Sobre assassinato, mutilação, torturas e execuções sumárias de meninos e meninas na Síria, nada foi feito", afirmou em entrevista à IPS.

IPS: Em março passado, a senhora visitou o Sudão do Sul. O Exército de Libertação do Povo Sudão (SPLA) assinou um convênio com a ONU para liberar todas as crianças que estavam em suas fileiras. Este é um dos objetivos de seu escritório, estabelecer um diálogo com todas as partes? Esta estratégia é efetiva?

Radhika Coomaraswamy: Temos êxito. Possuímos cerca de 17 planos de ação e em 2011 vários milhares de meninos e meninas foram liberados na República Centro-Africana, Colômbia, República Democrática do Congo, Birmânia, Sudão do Sul, Sudão e Colômbia, por meio dos esforços de desmobilização da ONU. Este é um processo com mandato do Conselho de Segurança. Consiste basicamente em o Conselho pedir à Secretaria-Geral que elabore uma lista de grupos que recrutam crianças como soldados. O SLPA foi incluído na relação. Para sair da lista, o grupo deve participar de um plano de ação com o qual se verifica que já não há crianças em suas fileiras. Assim, basicamente é isso que fazemos. Assinamos um acordo com eles para liberarem os menores. A situação no Sudão do Sul é diferente de Serra Leoa e Libéria. Muitos jovens se unem ao SPLA e se envolvem pela falta de outras oportunidades, e o SPLA tem uma política flexível que permite que saiam. Atualmente, no Sudão do Sul a grande parte dos casos não é de sequestro nem de recrutamento de crianças, como ocorre em Serra Leoa e Libéria.

IPS: No último informe da ONU sobre as repercussões dos conflitos armados na infância, as forças do governo da Síria foram denunciadas por matarem e mutilarem crianças, além de atacarem escolas e hospitais. Qual forma considera ser a melhor para enfrentar este assunto?

FC: O que é muito importante neste momento na Síria é, primeiro, deter o combate, e para isso temos que procurar reviver rapidamente o processo político e deter o enfrentamento entre as duas partes. Só depois se poderá pensar na manutenção da paz ou em qualquer coisa que decidir a comunidade internacional.

IPS: Quanto se conseguiu até agora?

RC: Na Síria, absolutamente nada, e este é o problema e esta é a verdadeira preocupação, uma preocupação humanitária. Sobre o assassinato, a mutilação, torturas e execuções sumárias de crianças nada se fez, e é por isto que exortamos a comunidade internacional a falar com uma só voz. Os membros da equipe técnica (enviada pela ONU à Síria) puderam se reunir com refugiados, com pessoas que cruzaram a fronteira. Ouviram crianças que foram vítimas, e anotaram suas declarações sem a presença de adultos. Avaliaram a credibilidade dessas crianças, e em alguns casos de tortura ainda estavam presentes as marcas físicas. Puderam ter uma boa ideia do que estava ocorrendo.

IPS: No mesmo informe, Nepal e Sri Lanka já não integram a "lista da vergonha". Qual deveria ser o próximo passo no processo para a paz e a reconciliação?

RC: No Sri Lanka, por exemplo, havia dois grupos na lista, os Tigres para a Libertação da Pátria Tamil-Eelam e o Tamil Makkal Viduthalai Pulikal (TMVP). Com relação aos Tigres, todos morreram ao fim da guerra civil, não ficou um único líder, assim não tinha sentido mantê-los na lista. O TMVP integrou-se a um plano de ação da ONU e finalmente este ano uma equipe viajou e confirmou que todas as crianças foram liberadas e, portanto, ficou fora da lista. Agora, os programas humanitários continuarão o trabalho, mas as listas ali já não têm sentido. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
 Hacia un centro de coordinación informativa sobre gobernanza mundial
MÁS >>