África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Disputa entre Irmandade Muçulmana e militares gera tensão no Egito
Adam Morrow

Cairo, Egito, 29/6/2012, (IPS) - O novo presidente eleito do Egito, Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, deverá vencer vários e duros obstáculos políticos em um país com forte domínio do exército, começando por onde e quem presta juramento.


Crédito: Khaled Moussa al-Omrani/IPS.

"Pelas atuais disputas políticas entre Irmandade Muçulmana e o ainda governante conselho militar, ainda não se sabe perante qual instituição Morsi fará seu juramento", declarou à IPS o fundador da Aliança Popular Socialista, Abdel Ghaffar Shukr.

A comissão eleitoral anunciou, no dia 24, o resultado do controvertido segundo turno presidencial, realizado nos dias 16 e 17, entre Morsi e Ahmed Shafiq, ex-primeiro-ministro do regime de Hosni Mubarak (1981-2011), considerado como candidato do governante Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA). Morsi obteve 51,7% dos 25,5 milhões de votos, enquanto Shafiq recebeu 48,3%.

O mandatário eleito enfrenta grandes desafios devido à bateria de decisões judiciais e decretos militares que afetam enormemente o parlamento e a Presidência. A Alta Corte Constitucional do Egito declarou, no dia 14, que a lei sobre as eleições parlamentares, que regulamentou as eleições do ano passado, é inconstitucional. No dia seguinte, o CSFA ordenou a dissolução da Assembleia do Povo (câmara baixa do parlamento eleito democraticamente), metade da qual estava nas mãos do Partido Liberdade e Justiça, no qual se expressa politicamente a Irmandade Muçulmana. A decisão deixou os especialistas coçando a cabeça.

"A decisão não se baseou em nenhum motivo legal para dissolver a totalidade da Assembleia", disse à IPS o professor de direito constitucional da Universidade do Cairo, Atef al-Banna. "O tribunal descobriu apenas que um terço das cadeiras legislativas, reservadas a dirigentes independentes mas impugnados por candidatos com afiliações partidárias, eram questionáveis", apontou.

O CSFA seguiu pelo mesmo caminho no dia 17, ao emitir um "apêndice" à Declaração Constitucional, divulgada pelo próprio Conselho após o levante popular na Praça Tahrir do ano passado, e aprovada por referendo popular. Divulgado ao fechamento das urnas depois do segundo turno das eleições presidenciais, e antes da contagem dos votos, o apêndice amplia consideravelmente os poderes do CSFA às custas do parlamento e, mais importante ainda, da Presidência.

Primeiro, transfere os poderes legislativos, junto com o controle sobre o processo de redação constitucional, da agora dissolvida Assembleia do Povo ao CSFA. Segundo, passa da Presidência para o conselho militar grandes prerrogativas executivas, incluído o poder de declarar guerra. Terceiro, estipula que o novo presidente deverá prestar juramento, na ausência de um parlamento funcionando, perante a Alta Corte Constitucional.

"Este apêndice converte o exército em um Estado dentro de outro", disse à IPS o analista político Abdullah al-Sennawi. "Segundo os novos termos, o próximo presidente do Egito terá que compartilhar sua autoridade executiva obtida democraticamente com o CSFA", acrescentou, afirmando que a iniciativa "representa nada mais que um golpe brando contra a transição democrática pós-revolucionária".

Al-Banna também criticou o apêndice. "A Declaração Constitucional do ano passado foi submetida a referendo popular, por isso, tecnicamente, este apêndice deveria ser referendado pela população", explicou. Desde o dia 19 deste mês, dezenas de milhares de manifestantes de tendência islâmica, liderados pela Irmandade Muçulmana, acampam na Praça Tahrir pedindo a restituição da câmara baixa do parlamento e o cancelamento do apêndice constitucional do CSFA.

A diretriz de que o presidente eleito deve jurar perante a Alta Corte Constitucional apresenta à Irmandade Muçulmana outro dilema. "Segundo o apêndice constitucional, Morsi terá que prestar juramento perante essa Corte, mas a Irmandade rejeita o apêndice, assim como a decisão do tribunal que levou à dissolução da Assembleia do Povo", indicou Shukr.

Nos últimos dias, a Irmandade Muçulmana divulgou comunicados contraditórios sobre qual será a instituição que receberá o juramento de Morsi. Alguns dizem que o fará diante do parlamento dissolvido, outros que será na Alta Corte Constitucional, e há quem diga que o fará em uma cerimônia na Praça Tahrir. Independente de onde e perante quem for, a posse ocorrerá no dia 30.

Morsi mantém conversações com o CSFA para que emende o apêndice e restitua a dissolvida Assembleia do Povo. Mas as perspectivas não são boas. Mahmdouh Shain, integrante do CSFA, disse no dia 26 que Morsi "cumprirá a lei e vai jurar na Alta Corte Constitucional". A situação aumenta a pressão sobre a Irmandade Muçulmana e seus aliados revolucionários seculares.

O Movimento Juvenil 6 de Abril alertou que prestar juramento perante esse tribunal equivale a reconhecer o apêndice constitucional que deixa o Egito, de fato, sob controle do exército. A organização, que teve destacado papel no levante popular do ano passado, apoiou Morsi no segundo turno. O escritório do presidente eleito informou que ontem indicaria o lugar da cerimônia de posse.

Mas, no dia de ontem, a imprensa estatal citou uma fonte oficial que disse que "se Morsi não jurar perante a Alta Corte Constitucional, o CSFA se reserva o direito de declarar vago o cargo de presidente". Para Shukr, "Morsi pode ter ganho as eleições, mas a atual disputa entre o CSFA e a Irmandade Muçulmana pelo controle do país está longe de terminar". Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Indígenas de EEUU exigen limpiar el peor vertedero nuclear del Proyecto Manhattan
 Salvando el turismo caribeño
 COLUMNA: El “lead”, técnica de García Márquez
 Trabajo informal duro de matar en Argentina
 Azerbaiyán respalda la ofensiva de Turquía contra movimiento de Gülen
MÁS >>