África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

COLUNA
Os riscos de expandir a produção petroleira
Shakuntala Makhijani*

Washington, Estados Unidos, 2/7/2012, (IPS) - Com os preços do petróleo novamente em alta e a agitação política que acontece em algumas das principais regiões petroleiras, muitos países recorrem a novas fontes de petróleo, com frequência prejudiciais para o meio ambiente.

Entre elas areia com alcatrão, perfurações em alto mar e combustível pesado. Nos Estados Unidos, a pressão política devido às contínuas dificuldades econômicas e à carestia do petróleo levou a uma renovada disputa pelas perfurações em águas do Golfo do México e no Estado norte-americano do Alasca.

Esta expansão, que inclui mais operações deste tipo em alto mar, ocorre apesar de pesquisas, demandas e reformas regulatórias posteriores à explosão, em abril de 2010, da plataforma de exploração Deepwater Horizon, que a British Petroleum arrendava da firma suíça Transocean. Apenas em julho daquele ano foi possível conter o vazamento de petróleo no Golfo do México. Devido à menor produção a partir das reservas existentes em alto mar, espera-se que as perfurações nessas águas contribuam para uma cota cada vez maior da elaboração mundial de petróleo, apesar de seus demonstrados riscos para o meio ambiente e os seres humanos.

A controvérsia em torno do desenvolvimento de outra fonte petrolífera prejudicial para o meio ambiente - as areias de alcatrão do Canadá - surgiu no ano passado. Organizações ecologistas lideraram os protestos contra o proposto oleoduto Keystone XL. Caso se concretize, transportará o petróleo do norte do Canadá até a costa norte-americana no Golfo do México. As preocupações em torno da possível contaminação das vitais camadas subterrâneas no aquífero de Ogallala e a alteração da delicada região de Sandhills, no Estado norte-americano de Nebraska, fizeram com que o governo de Barack Obama rejeitasse a rota do oleoduto originalmente proposta pela firma TransCanada. O Departamento de Estado atualmente revisa essa rota.

Entretanto, essa revisão não abordará preocupações ambientais fundamentais sobre a exploração das areias com alcatrão. Entre elas, os impactos climáticos que representa, o fato de exigir grande quantidade de água, os riscos de vazamento de óleo ao longo da tubulação, a alteração da paisagem, e correntes de lixo tóxico derivado dessas operações. Outra fonte de combustível em desenvolvimento, que gera importantes preocupações climáticas e ecológicas, é o petróleo pesado do cinturão do Orenoco, na Venezuela, que quase duplica as grandes reservas de óleo desse país.

Embora Estados Unidos e Canadá assumam importantes riscos ambientais para expandir a produção de petróleo, o aumento na produção da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) superou o dos Estados que não integram essa entidade, principalmente graças à grande expansão da Arábia Saudita em 2011. O Oriente Médio continua sendo a maior região exportadora de petróleo, cada vez com uma fatia maior do mercado mundial.

Apesar dos grandes esforços dos Estados Unidos para impulsionar as exportações de petróleo, em 2011 o país ainda representou uma porção relativamente menor nesse mercado. Estes esforços de expansão tiveram lugar apesar da desaceleração do consumo mundial de petróleo, pautado por um consumo menor no mundo industrializado, incluídos Estados Unidos e União Europeia, em parte pelo aumento de preços. Enquanto isso, o consumo aumentou rapidamente na China e nos países que formavam a antiga União Soviética.

A brecha de consumo entre países ricos e pobres está ficando mais estreita. Em 2011, nações que não fazem parte da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) representaram quase a metade do consumo mundial de petróleo. Também no ano passado, o petróleo representou um terço do consumo primário mundial de energia, ainda a maior fração de qualquer fonte energética. Porém, esta cota continua caindo, já que a produção de carvão e gás natural ultrapassa o crescimento da produção petrolífera.

Em todo o mundo, a geração de energia a partir de fontes renováveis, como eólica e solar, continua aumentando mais rapidamente do que a derivada dos combustíveis fósseis, o que contribui para maior porção do consumo energético final. Entretanto, os esforços para expandir a extração de combustíveis fósseis de recursos potencialmente danosos para o meio ambiente em muitos países industrializados (incluindo o desenvolvimento das areias com alcatrão e a produção de gás de xisto) indicam uma falta de vontade política para acelerar a muito necessária transição para uma economia mundial baseada nas energias renováveis.

Nações industrializadas como Estados Unidos e Canadá deveriam estar liderando o caminho para um futuro de energias renováveis, baixo em carbono, em lugar de investir recursos na exploração de petróleo em alto mar e de areias de alcatrão. Embora a queda do consumo de petróleo da OCDE seja promissora, é preciso uma virada muito mais rápida para fontes de energia renovável para evitar a catastrófica mudança climática e os efeitos prejudiciais para o meio ambiente e a saúde humana de uma economia que continue baseada nos combustíveis fósseis. Envolverde/IPS

* Shakuntala Makhijani é pesquisador adjunto da equipe de Clima e Energia do Worldwatch Institute. (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Asia, tan cerca y tan lejos de erradicar la poliomielitis
 Premio a “visionaria” ley de Bolivia contra violencia de género
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
MÁS >>