África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

HOLANDA
Onde refugiados sem status ficam perdidos
Frank Mulder e Johannes Mulder

Utrecht, Holanda, 5/7/2012, (IPS) - É cada vez maior o número de solicitantes de asilo rejeitados pelas autoridades da Holanda e que não podem voltar para seus países de origem.


Crédito: Frank Mulder/IPS
Solicitantes de asilo protestam em Ter Apel, norte da Holanda, atados com cordas para simbolizar a falta de opções.
Grupos de pessoas nessa situação montaram acampamentos de protesto. A resposta das autoridades foi simplesmente retirá-los por considerações de segurança e saúde. Os manifestantes são principalmente do Iraque e da Somália, mas também há do Irã, Afeganistão, Eritreia, Etiópia e Sudão.

Muitos iraquianos aceitaram uma oferta do ministro de Integração, Gerd Leers, de enviá-los a um centro de refugiados oficial. Contudo, não sabem o que acontecerá depois. "Falamos com seus representantes", disse Hadi Abu Sanad, porta-voz dos manifestantes iraquianos em Ter Apel, norte da Holanda. "O ministro fará todo o possível para nos mandar de volta, nos disse. Mas, sabemos que o governo do Iraque manterá sua posição de que ninguém pode ser obrigado a regressar ao país", acrescentou Sanad.

"Nunca assinaremos de forma voluntária regressar ao nosso país. No entanto, queremos mostrar que não somos provocadores. Respeitamos as autoridades e esperamos que isso as ajude a encontrar soluções para nosso caso", pontuou. "Voltar para o Iraque é como uma deportação", argumentou Mustafá, um iraquiano que não quis dar seu verdadeiro nome e que fala perfeitamente holandês. "Estou casado com uma holandesa, temos um filho e esperamos outro. Não tenho para onde ir no Iraque nem razão para viver lá", acrescentou.

O iraniano Seyed perdeu as esperanças. Há um ano terminou o trâmite para solicitar asilo, sem êxito. "Me tornei cristão no Irã e isso me criou muitos problemas. Tudo é impossível para mim lá. Contei com ajuda de uma igreja alguns meses, mas o que posso fazer? Não sei. Não tenho futuro aqui porque o governo não me considera cristão", afirmou.

O centro do problema é a chamada "política de retorno", que não é realista, disse Anne-Els Jansen, do Vluchtelingenwerk, o Conselho Holandês para os Refugiados. "Muitas pessoas que não conseguem autorização são verdadeiros refugiados, que temem por sua vida em seus países de origem. Nunca voltarão. Além disso, muitas foram aceitas de forma temporária, porque seu país foi considerado muito perigoso", destacou. "Esse é o caso de muitos dos iraquianos do acampamento de protesto. Suas autorizações não foram ampliadas porque agora seu país é considerado seguro. Mas algumas regiões ainda são muito perigosas. Morrem entre 300 e 400 pessoas por mês", contou Jansen.

Quando os solicitantes de asilo não recebem o status de refugiados e não querem voltar ao seu país, simplesmente são expulsos do centro de residência oficial. "São acompanhados até o portão e colocados na rua", disse Jansen. "Porém, mesmo os que cooperaram para regressar costumam ser abandonados à própria sorte, por exemplo, porque não podem comprovar quem são ou porque seu país está em guerra", acrescentou. "Esse é o problema dos somalianos no acampamento de protesto. As autoridades não conseguiram enviá-los de volta devido à guerra civil. É um escândalo como o governo os trata. Acreditam que é responsabilidade da pessoa voltar, mas isso é impossível', enfatizou.

Todos os anos, cerca de cinco solicitantes de asilo "ficam com destino desconhecido", como são considerados oficialmente. Não fica claro quantos deles permanecem na Holanda. Muitos são detidos de vez em quando pela polícia, mas costumam ser liberados depois de semanas ou meses se a deportação continua sendo impossível.

O governo direitista redigiu este ano uma lei para punir essa ilegalidade. Quando uma pessoa receber ordem de abandonar o país, não poderá mais ficar. As que não tiverem passaporte serão multadas ou detidas. "A política de retorno não é realista e deixa as pessoas desesperadas e sem perspectivas. Tudo fica nas mãos da pessoa. Entretanto, muitas nem mesmo podem tentar regressar ou viajar a outro país por falta de documentos. Estão literalmente perdidas", ressaltou Jansen. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
 Sube presión para que Obama prohíba viajes desde zona del ébola
 Seguridad alimentaria convive mal con cambio climático en África
 Extinción de especies repercute en la vida diaria
 Coctel de violencia política, pobreza y narco emerge en México
MÁS >>