África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Unctad aconselha investimentos sustentáveis
Marcela Valente

Buenos Aires, Argentina, 6/7/2012, (IPS) - Os investimentos estrangeiros diretos devem estar dirigidos especialmente ao desenvolvimento sustentável dos países receptores, afirmou a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) ao apresentar, ontem, seu informe anual.

"É uma mudança de visão. Defende-se uma nova geração de políticas de investimento que não se preocupem apenas por atraí-lo, mas também em maximizar os efeitos esperados", disse à IPS o economista argentino Fernando Porta.

Este acadêmico do Centro Redes de Pesquisa para o Desenvolvimento interpretou dessa forma a novidade principal da mensagem incluída no relatório da Unctad sobre investimentos apresentado em Buenos Aires e outras capitais do mundo. O Informe sobre os Investimentos no Mundo 2012 tem como subtítulo Para uma nova geração de políticas de investimento. A pedido dos países, há uma reavaliação sobre a atração de capital e as necessidades do desenvolvimento.

"Os acordos de proteção de investimentos começam a contemplar em maior medida o interesse dos Estados-parte", observou Porta. "A ideia é manter o clima favorável ao investimento, mas dentro de uma agenda de desenvolvimento explícita", acrescentou. No contexto desta ideia, o Informe lança um novo indicador que pretende vincular o investimento estrangeiro direto com seus efeitos no desenvolvimento. "Antes, os indicadores eram basicamente quantitativos. Isto é uma tentativa de melhorar", ressaltou.

O documento indica que em 2011 o investimento estrangeiro direto no mundo cresceu 16%, em relação a 2010, mas prevê uma paralisação para este ano, devido à incerteza pela crise financeira internacional, e uma leve recuperação a seguir. Os países em desenvolvimento e as chamadas economias de transição atraíram 51% dos fluxos de capitais, embora com disparidades. Nos países industrializados também houve um desempenho muito heterogêneo na captação.

Cresceram os investimentos na China e na Índia, mas caíram na Ásia ocidental e no Oriente Médio. Na África, o maior volume foi captado pela região subsaariana, especialmente Nigéria e África do Sul, e retrocederam os países do norte. Quanto à América Latina, os investimentos estrangeiros aumentaram, em média, 16% no ano passado, mas o desequilíbrio é importante, já que a América do Sul registrou aumento de 34% e a América Central de apenas 4%, enquanto o restante foi para o Caribe insular. Onde mais cresceram em relação ao período anterior foi no Brasil e na Colômbia.

Segundo o estudo, este aumento de investimentos na América do Sul se deve principalmente à expansão de seus mercados de consumo, às taxas de crescimento econômico relativamente altas e à sua riqueza em matéria de recursos naturais. Também houve um crescimento moderado em Argentina, Chile e Peru, enquanto no México houve uma queda.

Para Porta, a maior atividade está relacionada com o reinvestimento dos ganhos para o aproveitamento de mercados internos. "No Brasil e na Argentina há um relativo fomento dos investimentos industriais e barreiras comerciais que permitem fazer reservas de mercado e, então, as empresas tendem a saltar esses obstáculos ampliando a capacidade local de produção", acrescentou.

O Informe destaca que na região há uma retirada de fluxos dos Estados Unidos e da União Europeia e um avanço por parte da Ásia, tanto de países emergentes quanto do Japão, e também, cada vez mais, de outros Estados da região, com Brasil, México e Colômbia. Em quase todos os casos predominam os projetos de aumento da capacidade produtiva e, em menor medida, os fluxos que vão para as aquisições e fusões, embora no caso do Chile estas últimas predominem.

Nos países industrializados, os investimentos cresceram para Estados Unidos e Canadá, na Europa em menor medida, com forte debilidade em países em crise como Espanha, Portugal e Grécia, e caíram no Japão. O Informe também destaca a elevada liquidez das empresas transnacionais (estima-se superior a US$ 5 trilhões) e destaca a potencialidade que têm para financiar o desenvolvimento em momentos de crise.

Outro elemento da internacionalização está nos fundos soberanos, de US$ 125 bilhões. Esses fundos dos Estados Unidos, que há três ou quatro anos não existiam como potencial de investimento, hoje são 6% ou 7% do total, explicou Porta. A análise observa maior tendência à aplicação de restrições. "A liberalização e a promoção dos investimentos seguem sendo objetivos principais, mas numerosos países sentem a necessidade de reajustar as políticas de portas abertas", afirma.

A esse respeito, o economista destaca que os acordos bilaterais de investimento perderam impulso e em seu lugar crescem os que têm alcance regional. Também indicou que em 2011 houve 46 novos conflitos relativos a tratados bilaterais. Alguns desses casos questionam políticas públicas nacionais cruciais, que levaram os Estados a expressarem um descontentamento crescente com relação às formas de resolução de conflitos entre Estados e investidores e sugerem reformas, alerta o Informe. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>