África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DROGAS
Desenvolvimento sustentável é chave para reduzir abuso
Coralie Tripier

Nova York, Estados Unidos, 6/7/2012, (IPS) - "As drogas e a delinquência colocam em risco um de nossos objetivos mais importantes: garantir o desenvolvimento sustentável no mundo", disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, perante a Assembleia Geral.


Crédito: Gentileza
Thomas Pietschmann, especialista do Escritório das Nações Unidas Contra a Droga e o Delito (Onudd).
No dia Internacional Contra o Uso Indevido e o Tráfico de Drogas, 26 de junho, o Escritório das Nações Unidas Contra a Droga e o Delite (Onudd) divulgou seu informe anual no qual defende um enfoque baseado no desenvolvimento para resolver problemas com drogas.

"As drogas continuam matando 200 mil pessoas por ano, destroçando famílias e causando sofrimento a milhares de outras pessoas e insegurança, e propagando o HIV" (vírus causador da aids), segundo o diretor-executivo da Onudd, Yury Fedotov. O último informe da agência estima que 5% da população adulta experimentou pelo menos uma vez em 2010 alguma droga ilegal. O especialista da Onudd, Thomas Pietschmann, conversou com a IPS sobre como o desenvolvimento sustentável, as sanções moderadas e uma segurança melhor podem ser ferramentas para combater o abuso.

IPS: Qual é o vínculo entre desenvolvimento sustentável e a redução no consumo de drogas ilegais?

THOMAS PIETSCHMANN: Dos estudos que realizamos fica muito claro que quando há desenvolvimento sustentável em uma região existe menos produção de drogas ilegais. Um exemplo é a Tailândia, onde no prazo de 20 a 30 anos acabamos por eliminar o cultivo de ópio dando aos agricultores verdadeiras alternativas mediante investimentos.

IPS: Para diminuir ainda mais a produção de drogas ilícitas, as sanções aumentarão?

TP: Simplesmente cortando e erradicando os campos não se resolve o problema. A erradicação deve intervir apenas quando já se tenha dado aos agricultores a oportunidade de ter um desenvolvimento sustentável. Não se deve começar eliminando os campos e depois ver se os camponeses morrem por não terem uma renda sustentável. Esse deve ser o último recurso. Antes é necessário garantir que os agricultores tenham a possibilidade de ter uma renda decente com outra atividade. Não se pode aumentar as sanções quando as pessoas vivem à margem.

IPS: A Onudd tem políticas diferentes segundo os países?

TP: Sim, e também segundo áreas dentro dos países. Por exemplo, o Afeganistão é muito diverso. No leste, os campos são muito pequenos, enquanto no sul costumam ser muito maiores. Por isso, na parte oriental do país a solução deve ser o desenvolvimento rural, isto é, apontar para serviços e manufatura básica para garantir que os agricultores realmente tenham outros insumos, porque com terras tão pequenas é muito difícil conseguir uma renda decente. Deve ser um enfoque personalizado.

IPS: A Onudd também destaca a importância da segurança em sua luta contra as drogas. Como estas duas questões se vinculam?

TP: A segurança é chave na luta contra as drogas ilegais. Em 2010, fizemos uma pesquisa que mostrou que, nas regiões onde há pouca segurança, 93% dos agricultores produziam ópio, enquanto onde havia mais representavam apenas 7%. A diferença é patente. Definitivamente, há uma correlação entre segurança e produção de drogas ilegais.

IPS: Qual a posição da Onudd sobre o uso médico da maconha?

TP: O uso médico da maconha, se feito de forma adequada, é e pode ajustar-se à Convenção Única sobre Estupefacientes, de 1961. No entanto, sabemos que em alguns lugares dos Estados Unidos o chamado uso médico costuma objetivar o recreativo. Há algumas condições. Primeiro, o cultivo de maconha deve ser adquirido por um organismo nacional, responsável pela distribuição antes que as instituições médicas a receitem. Contudo, em alguns casos se faz um uso completamente mau da maconha com fins médicos.

IPS: Como acredita que evoluirá a situação das drogas ilegais no futuro?

TP: Somos bastantes otimistas sobre a evolução desta situação nos países ricos. Há muitos elementos em jogo. Por exemplo, nesses países a população envelhece, e sabemos que o uso de drogas é importante entre os jovens, o que automaticamente leva à redução no consumo. Somos menos otimistas com relação aos países em desenvolvimento, onde há uma força maior para a urbanização, o que representa maiores níveis de consumo. Há uma clara evolução do consumo desde as nações ricas até as pobres, e nos preocupa particularmente a África, onde se conjugam todos os fatores de risco. Esse continente é particularmente vulnerável a um aumento do consumo nos próximos anos. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Las dos caras de las elecciones afganas
 Puerto Rico tras los pasos de Grecia y Detroit
 Ejecutivos de EEUU ganan 331 veces más que un empleado promedio
 Sociedad civil quiere más influencia en nueva agenda de desarrollo
 Llega Qelasy, la tableta inventada en Costa de Marfil
MÁS >>