África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

GUINÉ
Mulheres se lançam à horticultura
Moustapha Keita

Conacri, Guiné, 12/7/2012, (IPS) - A horticultura em áreas periurbanas da capital da Guiné cresceu rapidamente e se converteu em uma fonte de renda para grupos de mulheres. Além de lhes permitir certa autonomia.

A IPS visitou um grupo de 14 mulheres que trabalham no terreno baixo em Kobaya, arredores de Conacri. Elas arrendaram uma área de três hectares pelo equivalente a US$ 130 ao mês.

"Plantamos tomate, batata, cebola, alface, pimenta e pepino", contou Fanta Camara, presidente da associação. A maioria de suas integrantes tem suas próprias hortas para consumo próprio, mas se reuniram em 2007 com a ideia de comercializar a produção. Construíram um galpão onde guardam as ferramentas e sacas e caixas para levar a produção ao mercado. Cavaram dois poços, um em 2007 e outro em 2010 para ter água de irrigação.

"A horticultura tem um papel social e econômico. Gera trabalho e constitui uma fonte de renda", afirmou Moïse Koundouno, um trabalhador de extensão agrária da comunidade de Ratoma, em Conacri. Esta atividade constitui mais de 50% da renda para metade dos horticultores de áreas periurbanas. Entretanto, a associação de Kobaya não adotou nenhum método moderno para aumentar a produção fora de temporada, por isso depende do esterco para produzir verduras o ano todo.

"Nossas verduras são cultivas e colhidas de forma natural, sem técnicas artificiais", disse Ramata Touré, encarregada das vendas. "Com a ajuda de um trabalhador de extensão, dividimos nosso terreno em diferentes cultivos, segundo a estação do ano", explicou. "Temos boas colheitas em cada um dos blocos de dez por dez metros dedicados a um cultivo particular: uma tonelada e meia de cebola, duas de tomate, duas e meia de repolho, bem como grandes quantidades de berinjela, cenoura e quiabo", detalhou Dramane Fofana, também da extensão agrária, que se ofereceu como voluntária para ajudar o grupo de mulheres.

Para os horticultores comerciais dos arredores de Conacri, levar verduras ao mercado na estação seca, de novembro a abril, é fundamental, e em especial de janeiro a fevereiro. Em Cobaya, as mulheres converteram a horta em sua principal atividade fora de temporada. Suas verduras chegam ao mercado da forma mais simples, por meio da venda direta ou mediante um atacadista comunitário chamado "bana-bana". Abdul Karim Bangura, que gerencia um amplo mercado de frutas e verduras no bairro de Madina, na capital, disse à IPS que cerca de 370 organizações lhe vendem produtos frescos, o que gera centenas de milhares de dólares ao ano.

O preço das verduras é muito variável na cidade, e o de produtos frescos chega a triplicar durante a época de relativa escassez. Ramatoulayé Touré, tesoureira da organização, estima que o ganho anual é de US$ 10 mil. "O dinheiro das vendas é dividido entre os integrantes do grupo após as deduções, em especial para pagar o arrendamento e comprar insumos", explicou Touré à IPS. A maioria das integrantes com as quais a IPS conversou está contente com os resultados. "Consegui cerca de US$ 500 no final de 2011, e pude criar meus filhos e manter meu marido desempregado", contou Hawa Dabo, mãe de cinco filhos.

Um dos desafios que enfrentaram foram as perdas, o que não foi vendido e o que se perdeu e foi jogado fora. Desde 2010, resolveram o problema processando parte do cultivo no lugar, e assim transformaram um problema em um benefício. "Agora fazemos pasta com as pimentas e cenouras. Conservamos em frascos e depois vendemos durante a estação seca, quando os preços sobem. Conseguimos o dobro", destacou Dabo.

Segundo um estudo de 2009, feito pelo Crédit Rural da Guiné, uma instituição de microcrédito, "a população deste país é essencialmente rural, pois apenas 30% reside em áreas urbanas". Na periferia da capital vigoram os títulos de propriedade tradicionais. A terra é adquirida por herança ou empréstimo, e a venda é proibida. "A urbanização é uma ameaça para os horticultores porque a terra escasseia", disse Taliby Sako, gerente de um restaurante. "São obrigados a irem cada vez mais longe da capital. A maior distância aumenta o preço dos produtos. Um quilo de tomates custa oito vezes mais do que há oito anos", acrescentou.

O grupo de Kobaya tem outras dificuldades. "Apesar ter barreiras naturais (como o cacto), não gostamos que os animais pastem sem supervisão. Não temos equipes nem produtos fitossanitários, o que prejudica a qualidade de nossa produção", observou Camara. O Ministério da Agricultura encabeça o apoio do governo à horticultura comercial. Com ajuda de sócios internacionais, financia vários projetos para reduzir a pobreza. Um deles é o Projeto de Desenvolvimento Social, de US$ 7 milhões, que atraiu mais US$ 5 milhões do Fundo de Desenvolvimento Africano.

O projeto de dois anos, que terminará em dezembro, objetiva desenvolver a capacidade de produção, especialmente de mulheres pobres, ajudando em iniciativas geradoras de renda, como a horticultura. "Nosso grupo ainda não se beneficiou desse programa. Mas pensamos em nos registrar junto ao Ministério da Agricultura para ver o que podemos obter dessa ou de qualquer outra iniciativa", afirmou Camara à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
 As Winds of Change Blow, South America Builds Its House with BRICS
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Tuaregs de Malí luchan por estado secular, democrático y multiétnico
 ONU apunta a la impunidad en Medio Oriente
 Sequía o inundaciones, la oscilante realidad del Caribe
 Inédita preocupación por matrimonio infantil y mutilación genital
 Alianza petrolera de China y Costa Rica vuelve a la vida
MÁS >>