África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

GUINÉ
Mulheres se lançam à horticultura
Moustapha Keita

Conacri, Guiné, 12/7/2012, (IPS) - A horticultura em áreas periurbanas da capital da Guiné cresceu rapidamente e se converteu em uma fonte de renda para grupos de mulheres. Além de lhes permitir certa autonomia.

A IPS visitou um grupo de 14 mulheres que trabalham no terreno baixo em Kobaya, arredores de Conacri. Elas arrendaram uma área de três hectares pelo equivalente a US$ 130 ao mês.

"Plantamos tomate, batata, cebola, alface, pimenta e pepino", contou Fanta Camara, presidente da associação. A maioria de suas integrantes tem suas próprias hortas para consumo próprio, mas se reuniram em 2007 com a ideia de comercializar a produção. Construíram um galpão onde guardam as ferramentas e sacas e caixas para levar a produção ao mercado. Cavaram dois poços, um em 2007 e outro em 2010 para ter água de irrigação.

"A horticultura tem um papel social e econômico. Gera trabalho e constitui uma fonte de renda", afirmou Moïse Koundouno, um trabalhador de extensão agrária da comunidade de Ratoma, em Conacri. Esta atividade constitui mais de 50% da renda para metade dos horticultores de áreas periurbanas. Entretanto, a associação de Kobaya não adotou nenhum método moderno para aumentar a produção fora de temporada, por isso depende do esterco para produzir verduras o ano todo.

"Nossas verduras são cultivas e colhidas de forma natural, sem técnicas artificiais", disse Ramata Touré, encarregada das vendas. "Com a ajuda de um trabalhador de extensão, dividimos nosso terreno em diferentes cultivos, segundo a estação do ano", explicou. "Temos boas colheitas em cada um dos blocos de dez por dez metros dedicados a um cultivo particular: uma tonelada e meia de cebola, duas de tomate, duas e meia de repolho, bem como grandes quantidades de berinjela, cenoura e quiabo", detalhou Dramane Fofana, também da extensão agrária, que se ofereceu como voluntária para ajudar o grupo de mulheres.

Para os horticultores comerciais dos arredores de Conacri, levar verduras ao mercado na estação seca, de novembro a abril, é fundamental, e em especial de janeiro a fevereiro. Em Cobaya, as mulheres converteram a horta em sua principal atividade fora de temporada. Suas verduras chegam ao mercado da forma mais simples, por meio da venda direta ou mediante um atacadista comunitário chamado "bana-bana". Abdul Karim Bangura, que gerencia um amplo mercado de frutas e verduras no bairro de Madina, na capital, disse à IPS que cerca de 370 organizações lhe vendem produtos frescos, o que gera centenas de milhares de dólares ao ano.

O preço das verduras é muito variável na cidade, e o de produtos frescos chega a triplicar durante a época de relativa escassez. Ramatoulayé Touré, tesoureira da organização, estima que o ganho anual é de US$ 10 mil. "O dinheiro das vendas é dividido entre os integrantes do grupo após as deduções, em especial para pagar o arrendamento e comprar insumos", explicou Touré à IPS. A maioria das integrantes com as quais a IPS conversou está contente com os resultados. "Consegui cerca de US$ 500 no final de 2011, e pude criar meus filhos e manter meu marido desempregado", contou Hawa Dabo, mãe de cinco filhos.

Um dos desafios que enfrentaram foram as perdas, o que não foi vendido e o que se perdeu e foi jogado fora. Desde 2010, resolveram o problema processando parte do cultivo no lugar, e assim transformaram um problema em um benefício. "Agora fazemos pasta com as pimentas e cenouras. Conservamos em frascos e depois vendemos durante a estação seca, quando os preços sobem. Conseguimos o dobro", destacou Dabo.

Segundo um estudo de 2009, feito pelo Crédit Rural da Guiné, uma instituição de microcrédito, "a população deste país é essencialmente rural, pois apenas 30% reside em áreas urbanas". Na periferia da capital vigoram os títulos de propriedade tradicionais. A terra é adquirida por herança ou empréstimo, e a venda é proibida. "A urbanização é uma ameaça para os horticultores porque a terra escasseia", disse Taliby Sako, gerente de um restaurante. "São obrigados a irem cada vez mais longe da capital. A maior distância aumenta o preço dos produtos. Um quilo de tomates custa oito vezes mais do que há oito anos", acrescentou.

O grupo de Kobaya tem outras dificuldades. "Apesar ter barreiras naturais (como o cacto), não gostamos que os animais pastem sem supervisão. Não temos equipes nem produtos fitossanitários, o que prejudica a qualidade de nossa produção", observou Camara. O Ministério da Agricultura encabeça o apoio do governo à horticultura comercial. Com ajuda de sócios internacionais, financia vários projetos para reduzir a pobreza. Um deles é o Projeto de Desenvolvimento Social, de US$ 7 milhões, que atraiu mais US$ 5 milhões do Fundo de Desenvolvimento Africano.

O projeto de dois anos, que terminará em dezembro, objetiva desenvolver a capacidade de produção, especialmente de mulheres pobres, ajudando em iniciativas geradoras de renda, como a horticultura. "Nosso grupo ainda não se beneficiou desse programa. Mas pensamos em nos registrar junto ao Ministério da Agricultura para ver o que podemos obter dessa ou de qualquer outra iniciativa", afirmou Camara à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 â€œLa agricultura necesita una nueva revolución”
 Incidencia mundial del cáncer versus mortalidad por región
 Países con mayor incidencia y mayor mortalidad por cáncer
 Distribución de casos de cáncer en Jordania
 Diez principales tipos de cáncer en Perú
MÁS >>