África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

DIALOGUES
"Manejo do meio ambiente mundial exige uma mudança radical"
Busani Bafana

BULAWAYO, Zimbábue, 16 de julho de 2012, (IPS) - (Tierramérica).- Diante da magnitude dos desafios ambientais que enfrentamos, já não é suficiente uma mudança incremental, alerta nesta entrevista a nova chefe do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF).


Crédito: Busani Bafana/IPS
Naoko Ishii é a segunda mulher a dirigir o fundo para o Meio Ambiente Mundial
O Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) está pronto para ser o catalisador da transformação que exige o manejo dos assuntos ambientais globais, disse ao Terramérica a próxima diretora-executiva e presidente da entidade, a japonesa Naoko Ishii. O GEF reconhece o vínculo indissolúvel entre meio ambiente e bem-estar econômico, referendado na cúpula Rio+20 realizada no final de junho no Brasil, explicou Ishii, que assumirá o cargo no dia 1º de agosto, após ter ocupado importantes cargos no governo de seu país e em vários organismos internacionais.

Apesar do difícil cenário econômico mundial, o GEF está adotando um enfoque integral de "projetos multifocais", que abordam vários problemas, explicou Ishii, licenciada em economia e doutora em relações internacionais pela Universidade de Tóquio. "Já não vemos o meio ambiente mundial como uma série de 'silos' que dividem mudança climática, biodiversidade, etc.", acrescentou, em entrevista ao Terramérica via e-mail e por telefone.

O GEF foi criado como mecanismo de financiamento das três maiores convenções ambientais nascidas ao calor da Cúpula da Terra de 1992, no Rio de Janeiro: a de mudança climática, a de biodiversidade e a de desertificação. Hoje, é o maior fundo público mundial dedicado ao meio ambiente. Entrega doações para abordagem de soluções em matéria de biodiversidade, mudança climática, águas internacionais, degradação do solo, camada de ozônio e contaminantes orgânicos persistentes. Em junho adotou seu mais ambicioso plano de trabalho, de US$ 607 milhões, e o cofinanciamento de US$ 4,4 bilhões para projetos em 111 países.

TERRAMÉRICA: O que representa para o GEF o documento O Futuro que Queremos, declaração final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20?

NAOKO ISHII: O texto reafirma o vínculo entre meio ambiente e bem-estar econômico. Vemos estas duas aspirações como inseparáveis. O principal objetivo do GEF é apoiar projetos e programas no mundo em desenvolvimento e em economias em transição que produzam benefícios ambientais, e o componente econômico é fundamental nesses benefícios. Não queremos simplesmente preservar as florestas. Queremos preservá-las para que possam continuar desempenhando seu papel de manutenção da vida e do sustento, proporcionando alimentos e combustível, limpando nosso ar, mantendo o solo, regulando nosso clima. Protegemos a biodiversidade não só porque é bom, mas porque dessa maneira protegemos formas de vida que são cruciais na trama natural que sustenta o crescimento econômico. Sobre o GEF, o texto referenda sua orientação política de entregar os recursos com maior rapidez, simplificando procedimentos e potencializando a coordenação com outros instrumentos e programas que apoiam o desenvolvimento sustentável.

TERRAMÉRICA: Qual desafio em particular enfrenta o GEF?

NI: Intensificar os bons resultados obtidos em projetos nacionais e regionais para obter impactos sustentáveis em uma escala de acordo com os desafios que se avizinham para o meio ambiente mundial. É muito importante potencializar a influência do GEF, fortalecendo nossas associações com os diferentes atores. Minha gestão integrará os bons resultados obtidos até agora no âmbito dos projetos com a formulação de políticas para obter impactos sustentáveis em grande escala.

TERRAMÉRICA: Como pretende fortalecer o êxito do GEF em arrecadar fundos internacionais em meio à recessão mundial e à crescente demanda por eficiência nos gastos?

NI: Representei o governo em negociações muito difíceis sobre fornecimento de dinheiro, como os debates do Fundo Asiático de Desenvolvimento concluídos em maio. Minha experiência me diz que garantir um financiamento contínuo e forte exige, primeiro, uma clara avaliação das necessidades e dos objetivos, em segundo, uma estratégia bem articulada para conseguir esses objetivos, e, em terceiro, ganhar e manter a confiança dos doadores em nossa capacidade de gerar resultados. Enquanto nos dedicamos a esta estratégia, é possível termos que explorar todas as opções disponíveis, devido à muito difícil situação econômica mundial e pela evolução da arquitetura das finanças ambientais.

TERRAMÉRICA: Em quais aspectos o GEF transformou a maneira como se maneja o meio ambiente mundial?

NI: A grande tendência é a direção de projetos multifocais. Isto é, quando apenas um só projeto aborda simultaneamente múltiplos desafios. Já não vemos o meio ambiente como uma série de "silos", que dividem os problemas da mudança climática, desertificação, biodiversidade, contaminação química, águas internacionais... Entendemos que essas categorias estão conectadas integralmente, e que os programas mais efetivos são aqueles que abordam essas múltiplas áreas ao mesmo tempo. Um único programa que aspire combater a desertificação, por exemplo, também pode ter um impacto notável na manutenção da biodiversidade e em reduzir as emissões de gases de efeito-estufa. Outra característica fundamental é o avanço para o enfoque programático (alianças entre o GEF, um ou vários países e outros setores interessados, como empresas, ciência e sociedade civil). Isto permitiu generalizar os resultados do trabalho do GEF, ampliando sua escala e integrando os objetivos ambientais a planos nacionais ou regionais. O GEF já avançou muito nestas direções, e pretendo manter esse impulso positivo.

TERRAMÉRICA: Que futuro deseja para o GEF?

NI: Quero que o GEF desempenhe um papel de liderança na transformação do manejo do meio ambiente mundial. Já não basta uma mudança incremental, devido à magnitude do desafio que enfrentamos. Para que o GEF desempenhe esse papel é fundamental que continue sendo um promotor de inovações, um franco defensor dos bens comuns mundiais, um catalisador de mudanças transformadoras e um sócio a ser escolhido. Temos que ser realistas ao avaliarmos o êxito de nossos projetos. Precisamos de impactos sustentáveis ampliando aqueles que deram resultado positivo. O dinheiro que o GEF investe multiplica várias vezes seu valor em investimentos adicionais, o cofinanciamento, para apoiar iniciativas ambientais e de desenvolvimento sustentável. Os impactos também se expandem com as ideias e novas formas de fazer negócios que os sócios introduzem. Penso que o GEF está melhor situado para desempenhar um papel de liderança nessa transformação, mediante associações construtivas e catalisadoras com outros atores.

* (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
 Europa, paralizada por la división entre norte y sur
 El cambio climático desafía la bonanza de Etiopía
MÁS >>