África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

RD CONGO
Paraíso da biodiversidade tem problemas
Baudry Aluma

Bukavu, República Democrática do Con, 18/7/2012, (IPS) - Tesouro vital para regular a mudança climática, a República Democrática do Congo (RDC) é o quinto país com maior biodiversidade do mundo.


Crédito: Chrissy Olson/CC by 2.0

Também é o que conta com maior variedade de mamíferos e aves, e o terceiro com mais vida vegetal da África. Os analistas consideram a RDC uma das mais importantes zonas para o futuro do planeta. Porém, precisa de um forte contexto legal e institucional que garanta soluções sustentáveis para a conservação destes recursos naturais imensos, mas ameaçados.

A RDC está em último lugar entre os 187 países incluídos no Informe sobre Desenvolvimento Humano 2011, intitulado Sustentabilidade e Igualdade: Um Futuro Melhor para Todos, que oferece muitos motivos para esse baixo desempenho. Entre eles, as falências em matéria de governança, a recorrência dos conflitos armados, particularmente no leste, inadequados serviços ambientais e falta de investimentos públicos.

As bacias dos rios Congo e Nilo, que nascem na região de Kivu, no leste da RDC, precisam de atenção urgente para estabilizar os ecossistemas aquáticos e terrestres. O deslocamento de centenas de milhares de pessoas devido a sucessivas guerras exerceu pressão sobre florestas e rios, já que a população local busca refúgio e um meio de sobrevivência. Os grupos armados contribuíram abertamente para os danos ambientais, por meio da caça ilegal, da mineração e do desmatamento.

Entretanto, é possível reverter esta tendência, segundo José Endundo, ex-ministro do Meio ambiente, segundo o qual a política de recursos naturais da RDC percorreu um longo caminho. Em discurso feito em março em Kinshasa, perante um comitê diretor que desenvolve políticas nacionais de conservação, manejo de florestas e biodiversidade, Endundo ressaltou que em agosto de 2002 o país implantou um novo código florestal que incorporou modernos princípios de manejo de recursos naturais e convenções ambientais internacionais.

Até 1982, quando o governo apresentou o primeiro rascunho para reformar a legislação florestal, o setor estava regulado por uma lei da era colonial, de 1949, cuja aplicação era complicada devido às mudanças políticas, econômicas, sociais e culturais que o país experimentava. Alguns especialistas congolenses consideram que o código florestal de 2002 é ambicioso, mas alertam que não foi seguido por uma implantação no terreno. Contudo, Endundo insistiu em dizer que o país avançou muito.

Segundo o diretor de pesquisas e planejamento do Ministério do Interior, José Ilanga, foram implantadas muitas reformas importantes. Por exemplo, foram aposentados quase três mil agentes florestais para permitir recrutar mil novos funcionários mais qualificados, aumentando a quantidade de pessoal formado em universidades e capaz de responder, em uma proporção de 10%, aos modernos desafios ambientais do país.

No parlamento foi apresentado um novo projeto sobre manejo e proteção do meio ambiente, conservação da natureza e turismo. Também se prevê a aprovação em breve de uma nova Lei de Água. No terreno, o Ministério iniciou importantes projetos que tiveram êxito, incluído o Programa de Monitoramento Via Satélite da Cobertura Florestal, com apoio do Japão.

Em entrevista por telefone, Marc Kabunda, diretor de parques do Instituto Congolense para a Conservação da Natureza, disse que foram criadas várias novas áreas de conservação. Acrescentou que o Projeto de Reabilitação de Áreas Protegidas foi criado em 2005, e cobre 16 reservas, entre elas cinco zonas-piloto: Salonga, Virunga, Garamba, Upemba e Maiko. É financiado conjuntamente pelo Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Além disso, políticos e outros atores se conscientizaram sobre a importância de considerar a mudança climática ao elaborar políticas e programas para o desenvolvimento. Ilanga afirmou que a bacia do Congo, de 125 milhões de hectares, cobre a metade da superfície do país e representa 47% das florestas tropicais do continente, ou seja, 6% do total mundial. A bacia se estende além das fronteiras da RDC, e inclui República do Congo, Camarões, Gabão, República Centro-Africana e Angola.

Porém, o meio ambiente da RDC está seriamente ameaçado pelo previsto aumento da mineração e da exploração de petróleo nos próximos anos. O leste do país, particularmente a região de Kivu, goza de abundantes águas e lagos, que incluem as ricas reservas pesqueiras do Lago Tanganica. A região também é rica em petróleo, metano, coltan (columbita-tantalita), ouro e diamantes. Entretanto, tem necessidades especiais de proteção ambiental devido à recorrência dos conflitos armados.

As guerras proporcionam uma fachada para que os grupos armados explorem valiosos minerais e muitos tipos de madeira sem respeitar regulação alguma. O país já sente os efeitos da destruição ambiental. Esta se manifesta na degradação das florestas e na erosão do solo, que são agravadas pelas consequências da mudança climática na bacia do Congo, com intensas ondas de calor e irregularidades na duração das temporadas chuvosa e de seca.

Segundo o ambientalista Patrick Nyamatomwa, de Kivu do Sul, no momento, a RDC está longe de cumprir os padrões internacionais em matéria de manejo sustentável das florestas. Aos operadores florestais só interessa obter dinheiro à custa da sustentabilidade ecológica, deixando de lado as necessidades das comunidades que vivem nessas áreas. Envolverde/IPS

* Este artigo é parte de uma série apoiada pela Aliança Clima e Desenvolvimento (CDKN). (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
 OPINION: Violations of International Law Denigrate U.N.
 Public Offers Support for Obama’s Iraq Intervention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONG condenan inmunidad penal para mandatarios de África
 En Cataluña, hasta el Fútbol Club Barcelona está en crisis
 El futuro depende del pacto mundial entre las empresas y la sociedad
 Veteranos de guerra plantan por la paz en Sudán del Sur
 Ya pasó la época del carbón
MÁS >>