África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Big Mac, um cardápio pouco olímpico
Isabelle de Grave e Stephanie Parker

Nova York, Estados Unidos, 24/7/2012, (IPS) - Faltando poucos dias para o começo dos Jogos Olímpicos de Londres, no dia 27, as críticas à já tradicional associação dos organizadores com o patrocinador McDonald's surgiram entre as manchetes


Crédito: Bobchin1941/CC by 2.0
Tocha olímpica chegando à Faculdade Tretherras, no povoado inglês de Newquayon.
Este ano, protestam não apenas ativistas da sociedade civil contra o gigante do fast food, como também dirigentes políticos. "Londres ganhou o direito de organizar os Jogos de 2012 com a promessa de deixar um legado para crianças mais sãs e ativas", afirmou Jenny Jones, do Partido Verde, diante da Assembleia de Londres, de 25 membros, dominada pelo Partido Trabalhista.

"Entretanto, o próprio Comitê Olímpico Internacional (COI), que cedeu a organização a Londres, insiste em manter os acordos de patrocínio com os fornecedores de alimentos altamente calóricos que favorecem a ameaça de uma epidemia de obesidade", detalhou Jones, que propôs excluir McDonald's e Coca-Cola, entre outros, das empresas patrocinadoras. A estratégia de mercado do McDonald's significa que o investimento em formação esportiva segue lado a lado com a venda de comida do tipo fast food a baixo preço e com muitas calorias. Na Grã-Bretanha, a companhia oferece US$ 117 mil aos clubes locais de futebol.

"O McDonald's adiantou-se às críticas contra sua comida suja há 30 ou 40 anos. Todas estas décadas esteve construindo uma estrutura e boa vontade para desviar as acusações sobre o impacto de seus produtos na saúde", observou à IPS Sara Deon, da Corporate Accountability International, destacando que o patrocínio dos Jogos Olímpicos é um exemplo dessa política. O McDonald's é patrocinador oficial dos Jogos Olímpicos desde 1976. Há pouco, conseguiu ampliar seu contrato com o COI até 2020. A Coca-Cola também faz parte dos Jogos desde 1926. Segundo Benjamin Seeley, do COI, a companhia "patrocina mais de 250 atividades físicas e programas de educação nutricional em mais de cem países".

Mais de 40% da renda para a organização da competição mundial depende desses acordos comerciais, e McDonald's e Coca-Cola são dois dos principais contribuintes. A rede de fast food não respondeu aos reiterados pedidos de comentários sobre a qualidade de seus produtos em relação às necessidades nutricionais de adultos e crianças, e a respeito das críticas contra sua promoção das Olimpíadas.

Médicos e defensores de uma boa alimentação também se mostraram preocupados pelo fato de as companhias serem patrocinadores oficiais, especialmente no contexto do crescente problema de obesidade na Grã-Bretanha. Ativistas da sociedade civil planejaram boicotar o patrocínio do McDonald's por considerar que não merece o prestígio dos Jogos Olímpicos por oferecer gordura e açúcares, e por suas manipuladoras iniciativas de mercado.

Ceci Charles-King, ativista pela justiça nutricional, disse à IPS que é preocupante "a mensagem para crianças e adultos. O McDonald's é hidrogênio, sal e calorias vazias. A Coca-Cola é açúcar, xarope de milho rico em frutose e calorias vazias". A Academia de Colégios Reais de Medicina declarou que o patrocínio do gigante do hambúrguer passa uma mensagem errônea na Grã-Bretanha, que concentra a maior quantidade de pessoas com sobrepeso na Europa - 22% da sua população é considerada obesa.

Ao se procurar os valores nutricionais do cardápio infantil no site do McDonald's Estados Unidos só se encontra o conteúdo de calorias, gorduras e proteínas, e omite-se o de gorduras saturadas, sal, vitaminas e açúcares. É necessário buscar a informação em outra seção. "O alimento continua tendo muito açúcar, gordura e sal. As chamadas 'opções saudáveis' não servem para quem busca alternativas realmente saudáveis", apontou Deon à IPS. "A fruta e a sobremesa com aveia e geleia contêm mais gramas de açúcar do que um barra de chocolate", acrescentou, como exemplo. "São pouco mais que um veículo para vender produtos com gordura e pão, hambúrguer, batata frita e refrigerante", ressaltou.

O investimento do McDonald's em programas para promover a atividade física "não basta para a mudança significativa que precisamos para atender a epidemia de doenças derivadas da dieta, e a companhia deve centrar-se no assunto principal e acabar com o marketing voltado às crianças", enfatizou Deon. O restaurante do McDonald's na vila olímpica é o maior do mundo, com capacidade para 1,5 mil pessoas. A previsão é de que receba cerca de 14 mil clientes por dia durante os Jogos, e que distribua brinquedos temáticos com os cardápios infantis.

A diretora-executiva do McDonald's para o norte da Europa, Jill McDonald, argumentou que os atletas sabem melhor do que ninguém o que devem comer. "O COI se associa com organizações que trabalham de acordo com os valores do movimento olímpico", ressaltou Seeley à IPS. Este não é o primeiro ano que as empresas patrocinadoras dos Jogos Olímpicos são criticadas. Em 2008, defensores dos direitos humanos organizaram um boicote para acabar com a participação do McDonald's e de outras empresas semelhantes.

Não só as companhias que vendem alimentos recebem críticas. Dirigentes e atletas indianos não participarão das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos em protesto pelo patrocínio da Dow Chemical. A empresa é proprietária da Union Carbide, cujo vazamento de gás em 1984 na cidade indiana de Bhopal causou a morte de mais de 22 mil pessoas, além da contaminação do solo e das fontes de água que levará anos para limpar. Envolverde/IPS

(FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
 Uruguay’s Decision Could Come Too Late for Gitmo Detainees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Guerreros climáticos bloquean el mayor puerto de carbón del mundo
 Biodiversidad del Pacífico emerge en Domo Térmico de Costa Rica
 Se escribe el último capítulo de la lucha contra el VIH/sida
 El bambú es un arma poderosa contra el cambio climático
 Poder de Brasil se gana en zonas ricas y se afirma con los pobres
MÁS >>