África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Quanto os egípcios sabem sobre seu Estado?
Cam McGrath

Cairo, Egito, 26/7/2012 , (IPS) - Durante o levante contra o regime egípcio de Hosni Mubarak (1981-2011), os manifestantes tomaram de assalto a sede das forças de segurança no Cairo e encontraram documentos que revelavam o meticuloso acompanhamento que o Estado fazia de seus cidadãos.


Crédito: Khaled Moussa al-Omrani
Os protestos em todo o Egito ainda não conseguiram o direito à informação
Entre esses documentos havia registros de vigilância de ativistas, transcrições de conversas telefônicas e emails interceptados. Por outro lado, a sociedade egípcia ignora quase tudo das atividades de seu próprio governo. Os sucessivos regimes criaram obstáculos à obtenção de qualquer documento ou dado que os incriminasse.

Organizações de direitos humanos disseram que esse sigilo incentivou o clima de corrupção e impunidade. O acesso público à informação deixaria mais transparente o governo, disse Toby Mendel, diretor-executivo do Centro para a Lei e a Democracia, com sede em Halifax. Também é um princípio fundamental da democracia. "Para que a população participe do processo público de tomada de decisões deve ter acesso à informação sobre a qual se baseiam estas decisões", explicou. "Se, por exemplo, alguém quer construir uma estrada, precisa ver até onde vai, que lógica tem construí-la e analisar a relação custo-benefício", detalhou Mendel à IPS.

Pelo menos 90 países aprovaram legislações nacionais que estabelecem o direito do público conhecer informação em poder do governo e os procedimentos para solicitá-la e obtê-la. Em maio de 2011, a Tunísia se converteu no segundo país árabe, depois da Jordânia, a adotar uma lei de liberdade de informação, que honrava uma promessa do governo provisório de acabar com o silêncio dos meios de comunicação e a irresponsabilidade do regime anterior.

Depois da queda de Mubarak, em fevereiro de 2011, a sociedade civil pressionou o governo interino do Egito para adotar uma lei semelhante, como sinal de rompimento com o passado. Um informe divulgado em abril pela Associação Egípcio-Norte-Americana para o Império da Lei afirma que uma legislação de liberdade de informação potenciaria a transparência e a responsabilidade do novo governo. Também poderia contribuir para erradicar a corrupção, que debilita a economia e o sistema político.

Essas leis dão aos cidadãos a oportunidade de participar da vigilância dos representantes de seu governo, para garantir que os fundos do Estado sejam gastos no país e não caiam em contas pessoais dos funcionários, diz o documento. As empresas também usam essa lei para garantir um acesso equitativo a oportunidades de contratos com o governo, mediante avaliações de qualidade e competência, e não por nepotismo ou amizade, acrescenta.

O governo de Mubarak eliminou toda tentativa de organizações de direitos humanos de introduzir no parlamento projetos de lei na matéria. Depois do levante, o governo solicitou empréstimos a doadores internacionais para manter a atribulada economia do país, e, segundo algumas fontes, uma das condições impostas foi um acordo tácito de aprovar uma lei de transparência. Então, o Banco Mundial encarregou Mendel de redigir um projeto de lei de liberdade de informação para o governo egípcio. Mas, em junho de 2011, depois de revisar seu orçamento, as autoridades militares rejeitaram um empréstimo de US$ 3,2 bilhões do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional e arquivou o projeto.

"Nesse período, a sociedade civil tomou o rascunho que eu havia preparado, o modificou e o apresentou ao parlamento", contou Mendel. "O governo também trabalhou sobre o rascunho original e, posteriormente, elaborou seu próprio projeto", acrescentou. Os legisladores estavam debatendo os dois projetos quando o parlamento foi dissolvido, no mês passado. Os dois textos têm artigos em comum, mas diferem nos procedimentos e em uma lista de isenções.

O do governo trata o acesso à informação como um privilégio concedido e fornece um mecanismo para que os cidadãos a solicitem, mas só exige que as instituições do Estado forneçam dados quando sua divulgação responder "a um interesse legítimo". O da sociedade civil vai além, pois consagra o acesso à informação como um direito e obriga os organismos do Estado e algumas instituições privadas a publicarem regularmente os detalhes de sua estrutura interna, suas atividades e decisões.

Segundo Mendel, é importante que os projetos estabeleçam um organismo avaliador independente que garanta que a lei seja cumprida, para que os cidadãos possam apelar para esse comissário de informação (uma pessoa ou um comitê) se considerarem que um pedido é injustamente rejeitado ou tem seu atendimento retardado. O comissário de informação também deveria ter autoridade para determinar se o governo classifica corretamente a exclusão de certos dados, uma categoria que permite negar acesso a eles.

São inúmeras as leis de liberdade de informação que balançaram neste ponto. A Índia, por exemplo, exonerou muitas instituições do Estado da obrigação de revelar dados, com o argumento de que eram sensíveis para a segurança nacional. As cláusulas de exclusão amplas e vagas tornam mais fácil ocultar informação que pode deixar a descoberto casos de má administração ou corrupção. "Um grande obstáculo para o Egito é quanto às forças armadas ficarem fora do alcance da lei", pontuou Mendel. Os militares controlam 40% da economia nacional, por isso é impensável deixá-los de fora, acrescentou.

Segundo o historiador e analista militar Robert Springborg, os generais do Egito possuem terras e administram fábricas, se beneficiam do orçamento estatal e recebem U$ 1,3 bilhão anuais a título de assistência militar dos Estados Unidos. Contudo, suas propriedades e seus gastos estão totalmente ocultos da vista do público: informar sobre eles constitui um crime. "Os militares têm acesso a recursos públicos que não estão registrados de modo preciso no orçamento do Estado, e inclusive o parlamento desconhece como são utilizados estes fundos", afirmou.

Segundo defensores dos direitos humanos, o problema vai além, já que o Egito tem em vigor várias leis que restringem o acesso a documentos e dados do governo. É imperativo, afirmam esses setores, que qualquer nova lei na matéria substitua ou modifique toda essa legislação anterior, ou que o direito à informação esteja consagrado na nova Constituição, cuja redação é iminente. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Giro radical de Europa frente a los conflictos en Siria e Iraq
 Las mujeres “rotas” tienen otra oportunidad en Afganistán
 Las razones por las que Kazajstán desmanteló su arsenal nuclear
 VIH/sida llama a revisar desventajas sociales en Cuba
 Las mujeres, pilar en la lucha social de la Patagonia chilena
MÁS >>