África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

MALI
Superfarinha para a infância desnutrida
Soumaila T. Diarra

Bamaco, Mali, 26/7/2012 , (IPS) - Uma farinha enriquecida, cujo principal ingrediente é o milho, constitui o elemento fundamental de uma resposta local e sustentável à desnutrição em Mali.


Crédito: William Lloyd-George/IPS
Várias crianças no acampamento de Abala estão desnutridas.
Na cidade de Kati, 15 quilômetros a nordeste da capital, uma dezena de mulheres trabalha processando o grão cultivado na localidade para produzir a "Misola". A iniciativa Misola, criada pela organização francesa de mesmo nome, é um projeto de saúde pública que tem o objetivo de reduzir a desnutrição infantil.

"Compramos milho, o ingrediente básico da farinha enriquecida que produzimos, de comerciantes da cidade", contou Ramata Traoré, encarregada do centro de produção de Kati. A farinha contém 60% de milho, 20% de soja e 10% de amendoim. Além disso, são adicionadas vitaminas e sais minerais para obter um alimento balanceado que atende às deficiências nutricionais conhecidas.

A procura pela farinha aumenta em Mali devido à má colheita da última safra. A desnutrição é um problema grave neste país semiárido da África ocidental, onde a segurança alimentar foi prejudicada pela seca dos últimos anos, situação que piorou com a rebelião tuaregue no norte. O Ministério da Agricultura disse, em dezembro do ano passado, que a colheita nacional fora de apenas cinco milhões de toneladas de grãos, bem menos do que os oito milhões previstos.

"A atual crise alimentar aumenta o risco de desnutrição em várias regiões de Mali, como Kayes (sudoeste), Koulikoro e Segou (sul)", alertou Aminata Sissoko, especialista em nutrição da Cruz Vermelha neste país. E a ocupação de três regiões no norte, Kidal, Tombuctu e Gao, por grupos islâmicos rebeldes do Movimento Nacional para a Libertação de Azawad (MNLA) só agravou a situação, acrescentou. "Não podemos chegar às áreas controladas pelos grupos armados para avaliar as necessidades. Contudo, ajudamos os refugiados da guerra com farinha Misola", disse à IPS.

Uma em cada cinco crianças no país sofre desnutrição, segundo Abdulaye Sangho, coordenador do capítulo da Misola em Mali. "Somos uma organização que apoia as produtoras de farinha Misola", destacou à IPS. "Nosso objetivo é melhorar a nutrição da população, focando especialmente nas crianças entre seis e 60 meses e em grávidas e mulheres que estão amamentando", detalhou.

A primeira fábrica de Misola em Mali foi criada em 1993, na localidade de Diafarabé. A iniciativa rapidamente se ampliou e hoje há dez pequenas unidades de elaboração dispersas por todo o território, salvo em Kidal. O projeto ultrapassa as fronteiras nacionais. De fato, a produção de farinha enriquecida começou em 1982 em Burkina Faso. Também é produzida em Benin, Níger e Senegal. Todas as organizações produtoras de Misola têm algo em comum. "As mulheres que participam dos projetos também promovem melhores práticas alimentares onde moram e organizam demonstrações em centros de saúde ou outros lugares públicos", explicou Sangho.

"Aos sete meses, meu filho estava muito doente e fraco. E eu não sabia que o problema era a desnutrição. Me dei conta disso em uma demonstração de Misola no mercado", contou a vendedora de especiarias Assetu Traoré. Ao capacitar as mulheres para produzir farinha e promover seu consumo nas comunidades, a organização Misola gera consciência sobre uma boa nutrição e o conhecimento para consegui-la. Em um jardim de Kati, Traoré e suas companheiras espalham o milho lavado várias vezes, com extremo cuidado, para que seque sobre uma lona ao sol.

"Como o alimento que produzimos se destina às crianças, damos muita atenção à higiene", acrescentou, explicando porque ninguém pode entrar no armazém de grãos usando sapatos. Chata Mariko, enfermeira de um centro de saúde de Bamako, disse à IPS que os medicamentos recomendáveis para a desnutrição são fácies de adquirir. "Um envelope desses alimentos não custa mais do que 500 francos CFA (equivalente a um dólar). Infelizmente, há pais que não trazem seus filhos a tempo", lamentou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
 â€œSonámbulos” deciden la suerte de conferencia climática en Bonn
 Yeil es la palabra de moda en vocabulario energético argentino
MÁS >>