África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Laranja perigosa paira sobre os Jogos Olímpicos
Helen Clark

Hanói, Vietnã, 30/7/2012, (IPS) - O agente laranja, normalmente chamado de "último legado" da Guerra do Vietnã, está novamente em evidência porque um de seus fabricantes, a multinacional Dow Chemical, aparece entre os patrocinadores dos Jogos Olímpicos que acontecem em Londres.


O Vietnã não boicota esta competição, mas apresentou um protesto formal perante o Comitê Olímpico Internacional (COI). O ministro de Esportes deste país, Hoang Tuan Anh, expressou sua "profunda preocupação" pelo multimilionário patrocínio da Dow Chemial.

Agente laranja é o nome em código utilizado para herbicidas e desfolhantes empregados pelas Forças Armadas dos Estados Unidos durante sua invasão do Vietnã (1964-1975). Após a normalização das relações entre Estados Unidos e Vietnã em 1995, Washington destinou fundos para operações de limpeza, mas estas se concentraram em lugares concretos como ex-bases aéreas, onde foi armazenado o agente laranja, e não nas populações humanas que sofreram os efeitos nefastos durante anos.

A crescente cooperação entre os dois países ficou evidente com a visita, em junho, ao Vietnã, do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, e com as três realizadas nos últimos dois anos pela secretária de Estado, Hillary Clinton. Contudo, isso não mudou de forma significativa a atitude de Washington de não contemplar indenização para as populações gravemente prejudicadas por terem sido expostas ao agente laranja.

"Creio que muitos vietnamitas estão descontentes com a decisão dos organizadores das Olimpíadas de 2012. E está totalmente justificado", declarou à IPS o general da reserva Nguyen Van Rinh, chefe da Associação de Vítimas do Agente Laranja do Vietnã. Este desfolhante contém uma das dioxinas mais tóxicas que se conhece, e os cientistas estimam que umas poucas partes por milhares de milhões podem ser daninhas para a saúde de qualquer ser vivo. Calcula-se que entre 2,1 milhões e quatro milhões de pessoas foram afetadas pelo agente laranja.

O governo vietnamita atribui a ele a presença de câncer e má formação em, aproximadamente, 500 mil crianças de segunda e terceira gerações. A Cruz Vermelha do Vietnã disse que cerca de três milhões de vietnamitas foram prejudicados pelo herbicida, entre os quais pelo menos 150 mil meninas e meninos que nasceram com más formações congênitas. Porém, os cientistas norte-americanos se manifestam precavidos a respeito das estimativas e pesquisas vietnamitas sobre o dano humano causado pelo agente laranja e questionam a qualidade de seus estudos.

Entretanto, as veteranas de guerra norte-americanas supostamente prejudicadas pelo composto químico foram indenizadas e receberam apoio para seus filhos. Os bebês nascidos com espinha bífida (fendida ao meio) ou outras más formações, devido a causas desconhecidas e cujos pais estiveram em zonas onde o agente laranja foi espalhado, também receberam compensações. O Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos em seu informe intitulado Veteranos e Agente Laranja: Resumo e Destaques de Pesquisas, Atualização 1996 conclui que "os testes sobre a associação entre a exposição a herbicidas utilizados no Vietnã e a espinha bífida em filhos de veteranos são limitadas ou sugeridas".

Há algum tempo os ambientalistas também se preocupam com o fato de a multinacional Monsanto, fornecedora mundial de sementes, incursionar em silêncio no Vietnã. Temem um segundo "legado inesquecível" de um consórcio que participou da produção do agente laranja. Segundo numerosos estudos, a campanha com esse composto tóxico destruiu dez milhões de hectares de terras cultiváveis e aproximadamente 20 mil quilômetros quadrados de terras altas e florestas de mangues.

Rinh questionou o ministro da Agricultura de seu país, Cao Duc Phat, pelo trabalho da Monsanto neste território durante uma sessão da Assembleia Nacional. Depois, declarou que suas perguntas foram vagamente respondidas pelo ministro e, também, queixou-se de que nem as perguntas nem as respostas foram registradas nas atas. Chuck Searcy, um veterano de guerra norte-americano que regressou ao Vietnã há uma década para trabalhar em projetos de remoção de minas e outras munições, revelou que foram "os Estados Unidos que começaram a falar de demandas e questões legais" em relação ao agente laranja.

O fato de o governo norte-americano ter aceito, embora depois de várias reclamações, que os herbicidas causaram danos significativos ao seu pessoal, e ter pago indenizações irritou muita gente no Vietnã. Os cultivos modificados geneticamente "começaram a gerar grandes suspeitas em muitos vietnamitas porque o agente laranja foi produzido pelas mesmas companhias que afirmam que o herbicida é seguro", pontuou Searcy.

Um grupo de cem vietnamitas levou seu caso contra a Dow Chemical e a Monsanto até a Suprema Corte de Justiça dos Estados Unidos. O julgamento começou em 2004, mas no começo de março de 2009 foi indeferido pelo alto tribunal, o qual determinou que não estava estabelecido um vínculo entre a dioxina e as más formações congênitas dos vietnamitas afetados. Além disso, segundo a legislação norte-americana, nenhuma das duas empresas pode ser considerada responsável, pois agiram sob ordem do governo.

Em resposta à carta de protesto do Vietnã, ao COI, a Dow Chemical disse à VietWeek, uma revista em inglês publicada pela Than Nien News, que a lei de Produção de Guerra absolve as empresas, pois foram obrigadas a produzir o desfolhante pelo governo. "Creio que a cooperação entre Estados Unidos e Vietnã para encontrar e implantar soluções ao problema parece estar um pouco melhor", disse Rinh à IPS. No entanto, "a maioria são palavras e esses comportamentos são apenas um pequeno esforço e estão muito longe do que deveriam estar fazendo", ressaltou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Mubarak Acquitted as Egypt’s Counterrevolution Thrives
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 La no violencia y el extraviado mensaje de Jesús
 Del sueño americano a la pesadilla de la deportación
 El día que anticastristas y la CIA atentaron contra la ONU
 Desarrollo sostenible gana impulso en excolonias europeas
 Ley homofóbica excluye a gays de lucha contra el sida en Zimbabwe
MÁS >>