África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

ORIENTE MÉDIO
Síria arrasta o Líbano
Mona Alami

Beirute, Líbano, 1/8/2012, (IPS) - O Líbano afunda a cada dia em uma insegurança geral, arrastado pelo caos na Síria que ultrapassa a fronteira.


Crédito: Mona Alami/IPS
Libaneses transportam homem ferido em um tiroteio no acampamento de Saida.
Repetidos sequestros, múltiplas incursões sírias causando a morte de cidadãos libaneses e o disseminado uso de armas entre a população são alguns dos indicadores da deterioração das instituições públicas deste país. Após a libertação de três funcionários e oito soldados vinculados com os assassinatos no posto de controle militar de Kweikhat do xeque sunita Ahmed Abdul Wahed e de seus acompanhantes, homens armados organizaram um protesto na região de Akkar, no norte, bloqueando ruas e disparando para o ar, em uma óbvia demonstração de força.

"A situação, definitivamente, está fugindo ao controle devido à falta de acordo no governo para um enfoque unificado sobre a segurança. As instituições do Estado estão perdendo sua credibilidade", admitiu à IPS um alto funcionário. A constante entrada das forças de segurança sírias no território do Líbano, cuja população diversa está dividida entre os que apoiam o rebelde Exército Livre da Síria e os que apoiam o regime do presidente Bashar al Assad, não é condenada por Beirute, o que está minando a soberania do país. As tropas sírias realizaram várias blitze em território libanês desde que começou a rebelião contra Assad, em março de 2011.

Na região de Wadi Khaled, também no norte, as forças sírias sequestraram um funcionário da alfândega e dois agentes de segurança libaneses da aldeia de Buqaiaa. Na semana passada, 30 soldados sírios ingressaram na região oriental libanesa de Masharii al-Qaa e abriram fogo contra os moradores. Masharii al-Qaa é formada por Ersal, uma aldeia sunita, e Qaa, predominantemente cristã. Ersal apoia os combatentes rebeldes sírios, sendo que estes são vistos com receio pelos habitantes de Qaa. A região se converteu em esconderijo para refugiados sírios e é atacada com frequência pelas forças de Assad.

Este mês, três pessoas morreram e sete ficaram feridas quando as tropas sírias dispararam com artilharia e granadas lançadas por foguetes contra a zona libanesa de Wadi Khaled em enfrentamentos com rebeldes. "Não entendemos o motivo de o Estado duvidar tanto em enviar militares para a fronteira. Não é normal uma nação se negar a proteger seu próprio território", apontou Rateb Ali, morador da fronteira, em conversa com a IPS. Outros habitantes da região admitiram ter perdido a fé nas instituições libanesas, incluindo polícia, exército, sistema judicial e o próprio governo.

Agora, os residentes depositam sua confiança em líderes locais e em organizações beneficentes. "Ninguém quer que a crise síria se espalhe no Líbano. Querem evitar o surgimento de movimentos radicais, que facilmente poderiam explorar a ausência do Estado na região", explicou à IPS o sociólogo Talal Trissi, em referência aos vários grupos salafistas (integristas) que se instalaram no norte do Líbano.

A desconfiança no governo se exacerbou por outros incidentes de segurança não resolvidos, como a tentativa de assassinato contra o parlamentar libanês Boutros Harb, integrante da coalizão pró-iraniana e antissíria Aliança de 14 de Março. Cidadãos libaneses impediram o atentado, enfrentando três suspeitos que instalavam o artefato explosivo na residência de Harb e conseguiram fugir. "Temos pistas claras neste caso em particular, que por razões políticas não podemos informar. É exatamente por isto que precisamos de meios políticos para responder, e isso só ocorrerá se houver um claro consenso entre nós, as figuras políticas. Se não for assim, a situação fugirá ao controle e será muito tarde para acertar as coisas", alertou o alto funcionário ouvido pela IPS.

Muitos temem que o Líbano se converta em um "Estado falido", condição geralmente definida pela presença de três elementos: perda de controle e do uso da força dentro do território, implosão das estruturas de poder e da autoridade, e colapso do império da lei. A crise síria empurra inexoravelmente o Líbano para estes três problemas.

"O Líbano é um Estado fraco. Houve uma decisão internacional para construir o país de maneira que o Estado sempre tivesse um poder limitado para, assim, impedir a prevalência das diferentes comunidades", observou à IPS o especialista político Hillal Khashan, da American University de Beirute. Desde sua independência, em 1943, o Líbano é uma democracia, lar de 18 diferentes comunidades religiosas. O problema é que "o sistema do Líbano não funciona. Sofre fases de funcionalidade e de não funcionalidade, sem colapsar totalmente nunca, uma situação que estamos vivendo agora", explicou à IPS o analista Karim Makdessi, professor associado do Instituto Issam Fares. Além disso, afirmou que as instituições ainda funcionam, mas sua credibilidade está afetada.

Os especialistas concordam que, quando o Estado enfraquece e o poder das instituições públicas diminui, aumenta o poder das seitas religiosas. Porém, "o caos é uma forma de vida no Líbano. As pessoas estão acostumadas", pontuou Khashan. "Ainda creio que estamos muito longe de sermos um Estado falido, como o Afeganistão. Apesar dos preocupantes indicadores, não acredito que o país alcance um estado de colapso total", acrescentou. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Africa-U.S. Summit – Catching Up With China?
 The Age of Survival Migration
 New York’s Homeless Pushed Deeper into the Shadows
 Obama Mulling Broader Strikes Against ISIS?
 U.S., Brazil Nearing Approval of Genetically Engineered Trees
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Parteras ayudan a bajar la mortalidad materna en Sierra Leona
 Los tiempos de la migración de supervivencia
 Las grandes represas y su relación con la mala calidad del agua
 Crece movilización contra abuso de antibióticos en India
 Retiro digno en El Salvador pasa por reformar privatizado sistema
MÁS >>