África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Nova etapa geopolítica do Mercosul
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 1/8/2012, (IPS) - A incorporação da Venezuela ao Mercosul, concretizada ontem em Brasília, marca uma nova configuração geopolítica continental, além do fato de alguns a considerarem um avanço estratégico e econômico e outros um "retrocesso democrático".


Crédito: Presidência do Brasil/Roberto Stuckert Filho/PR
Da esquerda para a direita, Hugo Chávez, Dilma Rousseff, José Mujica e Cristina Fernández.
O presidente do Uruguai, José Mujica, recebeu a entrada da Venezuela na qualidade de membro pleno do Mercosul como a escritura da "história do futuro" na qual os empresários terão que somar-se aos que "andam de camisa e chinelos", isto é, os trabalhadores.

Por sua vez, a presidente da Argentina, Cristina Fernández, preferiu ilustrá-la com uma referência ao romance Cem Anos de Solidão, do colombiano Gabriel García Márquez. Em seu discurso na cúpula do Mercosul, criado em 1991 por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, Fernández comparou essa solidão de cem anos com a que enfrentaram os países sul-americanos nas últimas décadas, pelo surgimento de ditaduras militares e depois com a aplicação de políticas econômicas de cunho liberal, que deixaram "milhões de excluídos".

"Hoje, representamos a força social de nossos povos que se juntam para mostrar que a solidão terminou", acrescentou Fernández, ao reforçar na capital brasileira que os governos que integram o Mercosul agora são "parte de projetos coletivos e não individuais". Por sua vez, Dilma Rousseff, como economista, preferiu fazer contas. "Considerando os quatro países mais ricos do mundo, Estados Unidos, China, Alemanha e Japão, o Mercosul somado agora é a quinta economia global", afirmou na reunião da qual também participou Hugo Chávez, presidente do novo quinto membro.

Com a Venezuela, o bloco passa a contar com 270 milhões de habitantes, equivalentes a 70% da população da América do Sul, um produto interno bruto na casa dos US$ 3,3 trilhões, ou 83,2% do PIB do subcontinente, e um território de 12,8 milhões de quilômetros quadrados.

O Paraguai, outro membro fundador do Mercosul, está suspenso de todos os órgãos por decisão da cúpula de 29 de junho em Mendoza, na Argentina, devido à destituição na semana anterior do presidente Fernando Lugo em um julgamento político relâmpago no parlamento, que o substituiu pelo vice-presidente Federico Franco. Fernández, Rousseff e Mujica entenderam que os fatos apresentavam irregularidades que cabia aplicar a cláusula democrática do Mercosul até que seja recomposta a institucionalidade com as eleições do ano que vem.

Williams Gonçalves, especialista em relações internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, afirmou que a Venezuela, como um dos maiores exportadores de petróleo do mundo, permitirá ao bloco aumentar sua capacidade de negociação no âmbito internacional. Já o economista Adhemar Mineiro, do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese), disse que devem ser reforçados projetos já contemplados, como o de um gasoduto cruzando a América do Sul, da Venezuela até a Patagônia. "Além disso, a entrada da Venezuela pode aproximar o Mercosul de outros produtores de energia da região, como a Bolívia, potência em gás natural, e Equador, também com abundantes reservas de hidrocarbonos", afirmou à IPS.

Do ponto de vista alimentar, a Venezuela se beneficiará da integração com Argentina, Uruguai e Brasil, que são grandes produtores, acrescentou Mineiro. Também ressaltou que a adesão venezuelana, além de ser um interessante mercado para setores da indústria brasileira, tem seu maior valor no fato de praticamente todo o território sul-americano com litoral no Atlântico "passar a ser parte de um bloco geopolítico", o que terá "implicações estratégicas", militares, de infraestrutura, de transporte e de pesca, entre outras.

Desse território devem ser excluídos Colômbia, que limita ao norte com o Mar do Caribe, e as pequenas Guiana Francesa, Guiana e Suriname, com costas atlânticas. "Conforme se desenvolverem as relações entre o Mercosul e os países da costa atlântica da África, este novo bloco geopolítico poderá ajudar a alterar toda a situação do Atlântico Sul", apontou Mineiro. O maior desafio está em "as elites conservadoras de Argentina, Brasil e Uruguai perceberem que o processo é de integração de Estados nacionais e não de governos", ressaltou.

O historiador Marcelo Carreiro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, destacou que o ingresso da Venezuela contribuirá para a "já notável independência energética da região". Contudo, além dos benefícios econômicos pontuais, considera relevante uma possível abertura do bloco aos países caribenhos e centro-americanos, com "Caracas agindo como intermediário". Segundo declarou Carreiro à IPS, "o bloco se dinamiza por meio de sua maior participação global, que pode ser fundamental para a paralisada experiência de integração regional".

As diferenças entre as fontes consultadas surgem no ponto de vista político. Enquanto Gonçalves destaca que a Venezuela contribui para "dar mais consistência ideológica ao Mercosul, com maior importância nos aspectos sociais e não apenas comerciais", outros analistas veem o perigo, precisamente, nessa possível agrupação de correntes de pensamento.

Marcos Azambuja, do Centro Brasileiro de Relações Internacionais, afirmou que embora a Venezuela "seja um sócio desejável" economicamente, não o será enquanto não superar seus problemas de "democracia imperfeita", que definiu como a não alternância de partidos no poder. "O Mercosul quer relações com o mundo. Como podemos ver o Mercosul com a Venezuela negociando com a Europa?", questionou, em conversa com a IPS.

Análise semelhante foi feita por Clóvis Brigagão, diretor do Centro de Estudos das Américas da Faculdade Cândido Mendes. A ele preocupa o que considera o início de "um perfil gradualmente bolivariano" do Mercosul, ao qual, com o empurrão da Venezuela, podem se incorporar Equador, Bolívia e Nicarágua. "Em termos práticos, o Mercosul se beneficia da entrada da Venezuela do ponto de vista geopolítico, com riquezas como o petróleo, mas no campo político é um retrocesso", disse à IPS.

A união dos conceitos de economia e ideologia é uma mudança fundamental, disse João Pedro Stédile, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Brasil e da rede internacional Via Campesina. Com a Venezuela, abrem-se as portas para que o Mercosul possa incluir também Equador, Bolívia e, mais tarde, Colômbia, Peru e Chile. E assim, finalmente, se transforme "em um mercado comum com a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) como seu braço político", afirmou à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S., Regional Leaders Convene over Migration Crisis
 Israel’s U.S.-Made Military Might Overwhelms Palestinians
 U.S. Debating “Historic” Support for Off-Grid Electricity in Africa
 U.S. Ranks Near Bottom Globally in Energy Efficiency
 Child Migrants – A “Torn Artery” in Central America
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 América Latina con el desarrollo humano a medio hacer
 Ãfrica necesita protección social para su desarrollo humano
 El Sur solo recibe las migajas del comercio mundial
 Aumento del nivel del mar ahoga el turismo en Camerún
 Asia al filo de la navaja, asegura Informe sobre Desarrollo Humano
MÁS >>