África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Nova etapa geopolítica do Mercosul
Fabiana Frayssinet

Rio de Janeiro, Brasil, 1/8/2012, (IPS) - A incorporação da Venezuela ao Mercosul, concretizada ontem em Brasília, marca uma nova configuração geopolítica continental, além do fato de alguns a considerarem um avanço estratégico e econômico e outros um "retrocesso democrático".


Crédito: Presidência do Brasil/Roberto Stuckert Filho/PR
Da esquerda para a direita, Hugo Chávez, Dilma Rousseff, José Mujica e Cristina Fernández.
O presidente do Uruguai, José Mujica, recebeu a entrada da Venezuela na qualidade de membro pleno do Mercosul como a escritura da "história do futuro" na qual os empresários terão que somar-se aos que "andam de camisa e chinelos", isto é, os trabalhadores.

Por sua vez, a presidente da Argentina, Cristina Fernández, preferiu ilustrá-la com uma referência ao romance Cem Anos de Solidão, do colombiano Gabriel García Márquez. Em seu discurso na cúpula do Mercosul, criado em 1991 por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, Fernández comparou essa solidão de cem anos com a que enfrentaram os países sul-americanos nas últimas décadas, pelo surgimento de ditaduras militares e depois com a aplicação de políticas econômicas de cunho liberal, que deixaram "milhões de excluídos".

"Hoje, representamos a força social de nossos povos que se juntam para mostrar que a solidão terminou", acrescentou Fernández, ao reforçar na capital brasileira que os governos que integram o Mercosul agora são "parte de projetos coletivos e não individuais". Por sua vez, Dilma Rousseff, como economista, preferiu fazer contas. "Considerando os quatro países mais ricos do mundo, Estados Unidos, China, Alemanha e Japão, o Mercosul somado agora é a quinta economia global", afirmou na reunião da qual também participou Hugo Chávez, presidente do novo quinto membro.

Com a Venezuela, o bloco passa a contar com 270 milhões de habitantes, equivalentes a 70% da população da América do Sul, um produto interno bruto na casa dos US$ 3,3 trilhões, ou 83,2% do PIB do subcontinente, e um território de 12,8 milhões de quilômetros quadrados.

O Paraguai, outro membro fundador do Mercosul, está suspenso de todos os órgãos por decisão da cúpula de 29 de junho em Mendoza, na Argentina, devido à destituição na semana anterior do presidente Fernando Lugo em um julgamento político relâmpago no parlamento, que o substituiu pelo vice-presidente Federico Franco. Fernández, Rousseff e Mujica entenderam que os fatos apresentavam irregularidades que cabia aplicar a cláusula democrática do Mercosul até que seja recomposta a institucionalidade com as eleições do ano que vem.

Williams Gonçalves, especialista em relações internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, afirmou que a Venezuela, como um dos maiores exportadores de petróleo do mundo, permitirá ao bloco aumentar sua capacidade de negociação no âmbito internacional. Já o economista Adhemar Mineiro, do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese), disse que devem ser reforçados projetos já contemplados, como o de um gasoduto cruzando a América do Sul, da Venezuela até a Patagônia. "Além disso, a entrada da Venezuela pode aproximar o Mercosul de outros produtores de energia da região, como a Bolívia, potência em gás natural, e Equador, também com abundantes reservas de hidrocarbonos", afirmou à IPS.

Do ponto de vista alimentar, a Venezuela se beneficiará da integração com Argentina, Uruguai e Brasil, que são grandes produtores, acrescentou Mineiro. Também ressaltou que a adesão venezuelana, além de ser um interessante mercado para setores da indústria brasileira, tem seu maior valor no fato de praticamente todo o território sul-americano com litoral no Atlântico "passar a ser parte de um bloco geopolítico", o que terá "implicações estratégicas", militares, de infraestrutura, de transporte e de pesca, entre outras.

Desse território devem ser excluídos Colômbia, que limita ao norte com o Mar do Caribe, e as pequenas Guiana Francesa, Guiana e Suriname, com costas atlânticas. "Conforme se desenvolverem as relações entre o Mercosul e os países da costa atlântica da África, este novo bloco geopolítico poderá ajudar a alterar toda a situação do Atlântico Sul", apontou Mineiro. O maior desafio está em "as elites conservadoras de Argentina, Brasil e Uruguai perceberem que o processo é de integração de Estados nacionais e não de governos", ressaltou.

O historiador Marcelo Carreiro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, destacou que o ingresso da Venezuela contribuirá para a "já notável independência energética da região". Contudo, além dos benefícios econômicos pontuais, considera relevante uma possível abertura do bloco aos países caribenhos e centro-americanos, com "Caracas agindo como intermediário". Segundo declarou Carreiro à IPS, "o bloco se dinamiza por meio de sua maior participação global, que pode ser fundamental para a paralisada experiência de integração regional".

As diferenças entre as fontes consultadas surgem no ponto de vista político. Enquanto Gonçalves destaca que a Venezuela contribui para "dar mais consistência ideológica ao Mercosul, com maior importância nos aspectos sociais e não apenas comerciais", outros analistas veem o perigo, precisamente, nessa possível agrupação de correntes de pensamento.

Marcos Azambuja, do Centro Brasileiro de Relações Internacionais, afirmou que embora a Venezuela "seja um sócio desejável" economicamente, não o será enquanto não superar seus problemas de "democracia imperfeita", que definiu como a não alternância de partidos no poder. "O Mercosul quer relações com o mundo. Como podemos ver o Mercosul com a Venezuela negociando com a Europa?", questionou, em conversa com a IPS.

Análise semelhante foi feita por Clóvis Brigagão, diretor do Centro de Estudos das Américas da Faculdade Cândido Mendes. A ele preocupa o que considera o início de "um perfil gradualmente bolivariano" do Mercosul, ao qual, com o empurrão da Venezuela, podem se incorporar Equador, Bolívia e Nicarágua. "Em termos práticos, o Mercosul se beneficia da entrada da Venezuela do ponto de vista geopolítico, com riquezas como o petróleo, mas no campo político é um retrocesso", disse à IPS.

A união dos conceitos de economia e ideologia é uma mudança fundamental, disse João Pedro Stédile, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Brasil e da rede internacional Via Campesina. Com a Venezuela, abrem-se as portas para que o Mercosul possa incluir também Equador, Bolívia e, mais tarde, Colômbia, Peru e Chile. E assim, finalmente, se transforme "em um mercado comum com a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) como seu braço político", afirmou à IPS. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Survivors of Sexual Violence Face Increased Risks
 Pro-Israel Hawks Take Wing over Extension of Iran Nuclear Talks
 OPINION: How Ebola Could End the Cuban Embargo
 U.S. Missing in Child Rights Convention
 A Game-Changing Week on Climate Change
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 El armamento nuclear es y será el mayor peligro mientras exista
 Las armas nucleares, piezas de negociación en la política mundial
 El esquisto deja a la OPEP sin la golosina de los precios altos
 Lecciones para Jamaica de una sequía de 1.000 millones de dólares
 Lobby proisraelí de Estados Unidos arremete contra Irán
MÁS >>