África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Renúncias e mais violência atiçam a crise síria
Samer Araabi

Washington, Estados Unidos, 7/8/2012, (IPS) - Enquanto as forças de segurança do governo sírio prosseguem com o sítio de Aleppo, a segunda cidade mais importante do país, altos funcionários do regime renunciam em quantidade sem precedentes.


Crédito: Freedom House/CC BY 2.0
Refugiados sírios gritam palavras de ordem contra Assad em março, no acampamento de Boynuuogunm, na fronteira com a Turquia.
A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que centenas de milhares de sírios fugiram dos combates em Aleppo, onde tanto as forças governamentais como os rebeldes fortalecem suas táticas militares, incluindo o uso de helicópteros, aviões, tanques e outros armamentos pesados.

Não está claro se a ofensiva rebelde na cidade foi planejada para coincidir com outra semelhante em Damasco e com o recente atentado com bomba que matou quatro altos funcionários do regime. Tampouco está clara a quantidade de mortos na última onda de violência, embora alguns informes falem sobre escaramuças em bairros inteiros. Um alto funcionário do regime alertou no dia 4 que a verdadeira "batalha por Aleppo" ainda não começou.

Os combatentes também atacaram o acampamento de refugiados palestinos de Al-Yarmouk e seus arredores, onde bombardeios, que se presume foram lançados pelo regime, mataram pelo menos 20 palestinos, e em Al-Abbasyieen, uma área situada nos arredores de Damasco. Na manhã de ontem, a mídia estatal síria anunciou que uma bomba explodiu dentro de uma emissora de televisão pró-governo na capital.

O regime se viu ainda mais prejudicado por uma série de renúncias de altos funcionários, entre eles o primeiro-ministro, Riad Hijab, que no dia 5 à noite fugiu para a vizinha Jordânia. "Hoje anuncio minha renúncia ao regime assassino e terrorista, e anuncio que me uni às fileiras da revolução pela liberdade e dignidade. Anuncio que a partir de hoje sou um soldado desta bendita revolução", afirmou em um comunicado lido por seu porta-voz.

A situação é funesta para o atribulado regime sírio, que enfrenta escassez de recursos e frias relações com seus partidários internacionais, China e Rússia. Apesar de tudo, o exército retomou o controle de várias áreas. O governo solicitou à Rússia ajuda financeira para aliviar as severas sanções internacionais, que podem estar começando a privar de fundos e de petróleo essenciais para manter seu aparato de segurança.

Enquanto a batalha por Aleppo se prolonga e continuam os enfrentamentos esporádicos em Damasco e outras partes do país, não está claro que os limitados recursos que restam ao exército sírio permitirão que continue financiando esse aparato. Informes indicam que as forças curdas avançam no nordeste do país.

Abdelbaset Sieda, o novo presidente do Conselho Nacional Sírio (coalizão opositora) após a renúncia há vários meses de Burhan Ghalyoun, divulgou um comunicado promovendo uma solução negociada à soberania das áreas curdas. Além disso, destacou que manteria uma política de tolerância zero para funcionários do regime de Bashar al Assad que tivessem "sangue em suas mãos".

Também houve mudanças significativas em nível internacional. O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos permitiu que organizações desse país ajudem financeiramente a oposição a Assad, enquanto se comenta que o presidente Barack Obama autorizou em segredo o fornecimento de armamento e o treinamento de rebeldes sírios na vizinha Turquia.

A última onda de violência gerou temores de que a crise pudesse agravar-se ainda mais. O governo sírio reassentou vários de seus arsenais de armas químicas e biológicas, e, embora o Ministério das Relações Exteriores tenha prometido jamais usá-las contra civis sírios, se reservou o direito de empregá-las contra "inimigos estrangeiros". Esta distinção fica cada vez mais nebulosa, enquanto a oposição síria estreita seus vínculos com atores internacionais nos Estados Unidos e no Golfo.

Também há preocupação quanto ao rebelde Exército Livre da Síria (ELS). Embora do ponto de vista estrutural ainda seja superado pelas forças do regime, nas últimas semanas aumentou significativamente sua capacidade militar. Além das preocupações pela linguagem sectária de alguns combatentes do ELS, organizações de direitos humanos também começam a denunciar crimes de guerra cometidos por essa força, incluindo sequestros, execuções sumárias e atentados com explosivos em áreas civis.

No entanto, parece estar se fechando a janela para um cessar-fogo mediado internacionalmente e para um plano de paz de transição, enquanto Kofi Annan, enviado especial da ONU, anunciou sua intenção de renunciar ao posto ao encerrar seu mandato no dia 31. Embora a ONU esteja se esforçando para encontrar um substituto adequado, a missão das Nações Unidas na Síria e no plano de paz de seis pontos proposto por Annan parecem estar chegando ao fim, deixando poucas opções diplomáticas sobre a mesa.

Preocupa a muitos na Síria que uma guerra civil prolongada já seja inevitável. Ao aumentarem os enfrentamentos militares, se desfez a incidência de manifestações pacíficas e de massa. Mas não está claro até que ponto isto é consequência do temor de uma repressão pelo regime ou uma falta de fé no militarizado movimento opositor.

Apesar da série de vitórias do ELS, a oposição síria está profundamente dividida, e as lutas pela liderança continuam sendo obstáculo para os esforços de coordenação. Uma conferência planejada por Haytham Al-Maleh, destacada figura do levante que, no entanto, se afastou do Conselho Nacional Sírio, é boicotada por vários grupos opositores, incluindo o próprio Conselho.

Vários analistas dos Estados Unidos rejeitam totalmente tanto a atitude do regime de Assad quanto a da oposição síria. Entre eles, Asad Abu-Khalil, professor da California State University Stanislaus e proprietário do popular Angry Arab News Service (Serviço de Notícias de Árabes Indignados). Em seu blog, Asad escreveu que "o Exército Livre da Síria tomou o controle e sequestrou o levante" popular contra Assad. "A maioria dos ativistas ficou em suas casas e lavaram as mãos diante do que ocorria, e alguns inclusive apoiaram o ELS embora não se unissem a ele", acrescentou. Atualmente, não resta movimento civil: o regime e o ELS o mataram, afirmou.

Abu-Khalil também alertou para a crescente influência da rede extremista Al Qaeda e de outros grupos fundamentalistas islâmicos que operam sob o manto do ELS, que ainda carece de uma forte coordenação e liderança central. Na internet, sites de grupos afiliados à Al Qaeda assumiram a responsabilidade por uma série de atentados cometidos na Síria, e alguns analistas alertaram que muitos combatentes dessa rede partiram do Iraque para unirem-se ao ELS.

Enquanto a legitimidade e a capacidade institucional do regime de Assad cai em queda livre, há poucos sinais de que os movimentos opositores tenham criado o apoio público necessário para substituí-lo efetivamente em caso de queda do governo. Os planos dos Estados Unidos e de Israel para uma reconciliação posterior ao conflito foram plenamente rechaçados por figuras importantes da oposição, mas não foi oferecida nenhuma alternativa em seu lugar. Aparentemente, o futuro da Síria é tão imprevisível e perigoso quanto seu presente. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 Yakama Nation Tells DOE to Clean Up Nuclear Waste
 World Cuts Back Military Spending, But Not Asia
 The Iranian Nuclear Weapons Programme That Wasn’t
 U.S. Blasted on Failure to Ratify IMF Reforms
 Developing Nations Seek U.N. Retaliation on Bank Cancellations
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 ONU niega que esté actuando con desidia en disputa EEUU-Irán por visa
 Sospechosos de terrorismo ante aterrador sistema judicial de EEUU
 Gobierno de Sudán del Sur aprieta la mordaza
 Ruanda se atreve a tener dulces sueños, y con sabor a helado
 Uruguay no es “pirata” por legalizar la marihuana
MÁS >>