África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

A guerra do Caribe
Peter Richards

Nações Unidas, 8/10/2012, (IPS) - Seus discursos na Organização das Nações Unidas (ONU) não foram manchetes, como o do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nem foram polêmicos, como o do mandatário iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.


Crédito: Desmond Brown/IPS
Inundações como as de Dominica em 2001 são uma das faces da mudança climática.
No entanto, os líderes caribenhos esperam que sua furiosa declaração de guerra à mudança climática tenha eco em todo o mundo. Durante o 67º período de sessões da Assembleia Geral da ONU, que acaba de acontecer, os líderes da Comunidade do Caribe (Caricom) formaram uma frente unida contra o aquecimento global e pediram que fossem levados mais a sério os problemas dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS).

"As ilhas de nosso planeta estão em guerra contra a mudança climática, o aumento das temperaturas e a elevação do nível do mar", disse aos delegados o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves. "Esta guerra não é algo que ocorrerá no futuro, mas é algo presente e em andamento. A sobrevivência de nossas ilhas está em jogo", acrescentou.

A Caricom espera que, quando a comunidade internacional se reunir na Terceira Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável dos SIDS, haja progresso em várias recomendações que, por exemplo, surgiram da cúpula da Rio+20, realizada em junho deste ano. "O fracasso registrado até esta data em alcançar um resultado legalmente vinculante em matéria de mudança climática é de grave preocupação", disse o embaixador de Dominica, Vince Henderson. "Enquanto o debate continua, os desafios de nossas ilhas ficam cada vez maiores", destacou.

Dados da Caricom mostram que na última década os danos causados por eventos meteorológicos extremos custaram à região meio trilhão de dólares. "Em termos reais, as ameaças às possibilidades de desenvolvimento da região do Caribe são severas, e agora se reconhece que a adaptação exigirá um importante e sustentado investimento de recursos", disse o ministro do Meio Ambiente e Mudança Climática da Jamaica, Roberts Pickersgill, durante um painel realizado no dia 2 deste mês em Kingston.

Por sua vez, a especialista em manejo de recursos ambientais Sandra Prescod Dalrymple concorda que a comunidade internacional deveria sentir-se na obrigação de apoiar o Caribe, mas, acrescentou, os países do Norte industrial estão "cada vez menos dispostos" a fazê-lo. "A região precisa aproveitar seus próprios recursos e buscar novos esforços de financiamento em matéria de mudança climática. Está claro que estamos sofrendo o impacto do aquecimento global e que nosso setor econômico sofre", afirmou à IPS.

O primeiro-ministro de Antiga e Barbuda, Baldwin Spencer, acaba de participar da cúpula da Aliança de Pequenos Estados Insulares (Aosis), na qual afirmou: "Não podemos esperar que nossas terras desapareçam. Devemos agir agora e responder à crise da mudança climática, garantindo que nem um só país seja sacrificado, não importa o quanto seja pequeno".

Spencer alertou que "está ocorrendo um branqueamento de corais em nossas costas e os furacões são cada vez mais severos e recorrentes". Acrescentou que "o desejo de meu governo é que esta egoísta falta de ação termine em Doha, e que um resultado positivo das negociações sobre mudança climática traga novas esperanças para a humanidade e compaixão em relação ao nosso planeta". Em Doha, capital do Catar, acontecerá a 18ª Conferência das Partes (COP 18) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática.

Por sua vez, o primeiro-ministro de São Cristóbal e Neves, Denzil Douglas, lamentou que os países que mais contribuem com gases-estufa, responsáveis pelo aquecimento global, ainda não assumam suas responsabilidades pela degradação costeira, o branqueamento dos corais, os danos à infraestrutura e pela perda de vidas. "É enorme a carga física, mental e financeira que o uso energético de outras nações colocou sobre países como o meu, nos arrastando para uma dívida maior e frustrando severamente nossos esforços para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio", destacou Douglas na Assembleia Geral.

"Embora uma mudança para as energias renováveis não solucione imediatamente a miríade de problemas causados pela economia global, baseada fundamentalmente em combustíveis fósseis, a adoção de uma economia verde, na verdade, ajudará a frear a espiral descendente na qual se encontra nosso planeta", acrescentou Douglas.

Por sua vez, o presidente da Guiana, Donald Ramotar, que assinou um contrato multimilionário com a Noruega para implantar um plano contra o desmatamento, disse que, "apesar dos fortes argumentos científicos e econômicos a favor de uma ação, a resposta global à crise climática se mostra curta, tanto em escala quanto em urgência". Segundo Ramotar, as reduções de gases-estufa projetadas são muito menores do que o necessário, e destacou que os cientistas preveem consequências catastróficas se as emissões não forem reduzidas.

"Alguns Estados já enfrentam uma extinção iminente. Para acrescentar insulto à injúria, a promessa de um financiamento de trâmite rápido feita em Copenhague há alguns anos não se concretizou", acrescentou Ramotar, em referência à conclusão da COP 15, realizada na capital dinamarquesa em 2009. Entretanto, Prescod Dalrymple acredita que o Caribe deveria continuar se concentrando em desenvolver capacidade de resistência e encontrar novas vias de acesso aos recursos necessários.

"A responsabilidade não deve ser apenas dos governos, mas também o setor privado deve estar completamente comprometido. Necessitamos tecnologia, capacitar nossa mão de obra e usar nossa grande população de jovens que buscam oportunidades e trabalho decente", disse à IPS. "Eu apoio as associações com o setor privado, e desejo que a região avance para estabelecer padrões e procedimentos obrigatórios", acrescentou.

Os países da Caricom também destacaram a importância de estender e reformar o Protocolo de Kyoto antes que perca sua vigência, no final deste ano. A chanceler e ministra de Comércio Exterior de Barbados, Maxine McClean, disse que seu país comemora a decisão adotada no ano passado na COP 17, em Durban, de lançar negociações sobre um novo acordo legalmente vinculante para entrar em vigor a partir de 2020.

Porém, lembrou que um acordo para depois de 2020 carece de significado "se não houver ações ambiciosas para reduzir as emissões globais e fornecer financiamento e tecnologia aos países em desenvolvimento vulneráveis. Isto é essencial se quisermos nos adaptar aos cada vez mais graves impactos da mudança climática". Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. Airdrops to Kobani Kurds Mark New Stage in ISIL Conflict
 History of Key Document in IAEA Probe Suggests Israeli Forgery
 Pressure Building on Obama to Impose Ebola Travel Ban
 Despite Public’s War Weariness, U.S. Defence Budget May Rise
 Ahead of Myanmar Trip, Obama Urged to Demand Extractives Transparency
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Asia, tan cerca y tan lejos de erradicar la poliomielitis
 Premio a “visionaria” ley de Bolivia contra violencia de género
 Economía y política exterior oponen candidatos en Brasil
 Cambio climático en el Caribe es una amenaza inmediata y real
 EEUU destruye sus propias armas, ahora en manos enemigas
MÁS >>