África
  Mundo
  Economía
  Direitos Humanos
  Saúde
  Ambiente
  Globalização
  Arte e Cultura
  Energia
  Politica
  Desenvolvimento
  Colunistas
 
  RSS o que é isso?
   ENGLISH
   ESPAÑOL
   FRANÇAIS
   SVENSKA
   ITALIANO
   DEUTSCH
   SWAHILI
   MAGYAR
   NEDERLANDS
   ARABIC
   POLSKI
   ČESKY
   SUOMI
   PORTUGUÊS
   JAPANESE
   TÜRKÇE
PrintSend to a friend
 

Palau demonstra que tubarões valem mais vivos do que mortos
Stephen Leahy

Uxbridge, Canadá, 23/10/2012, (IPS) - Na República de Palau existe um refúgio seguro para tubarões que é tão grande quanto o território da França e que se converteu em uma milionária fonte de renda através do turismo.


Crédito: Upsilon Andromedae/cc by 2.0
Em setembro de 2009, Palau criou o primeiro refúgio mundial de tubarões, proibindo a pesca em todas suas águas territoriais.
Essa nação insular do Pacífico foi elogiada pela estratégia ambiental na 11ª Conferência das Partes (COP 11) do Convênio sobre a Diversidade Biológica, que terminou na ultima sexta-feira na cidade indiana de Hyderabad.

As autoridades palauanas receberam o Prêmio Política de Futuro. "Palau é um líder mundial na proteção de ecossistemas "disse Alexandra Wandel, diretora do World Future Council, que concede este prêmio. "Outros países, como Honduras, Maldivas, Bahamas e Costa Rica, seguem atrás, criando suas próprias reservas ou proibindo a pesca do tubarão", disse Wandel à IPS durante a COP 11.

No mês passado os quatro Estados Federados da Micronésia anunciaram o fim da pesca comercial de tubarões em suas águas e expressaram sua intenção de unirem-se a outras nações para criar um abrigo regional de cinco milhões de quilômetros quadrados. Especialistas independentes envolvidos na escolha de Palau para o prêmio ficaram impressionados com a Lei de Refúgios de Tubarões aprovada nesse país em 2009 e também com a Lei de Redes de Áreas Protegidas, de 2003.

"O objetivo do World Future Council é criar consciência sobre a importância de políticas exemplares e acelerar ações para criar sociedades justas, sustentáveis e pacíficas", afirmou Wandel.

A população total de tubarões no mundo está em queda, e 30% de todas as espécies de esqualos estão ameaçadas. Mais de 73 milhões de tubarões são capturados anualmente, principalmente para retirada de suas barbatanas, usadas para preparar uma sopa considerada um manjar na Ásia.

Palau é habitado por 22 mil pessoas, distribuídas em 200 pequenas ilhas a cerca de 800 quilômetros das Filipinas. A zona econômica exclusiva de Palau contém cerca de 130 espécies raras de arraias venenosas e esqualos, incluindo grandes tubarões-martelo, de ponta branca e o leopardo. Em setembro de 2009 Palau criou o primeiro refúgio mundial de tubarões, proibindo a pesca em todas suas águas territoriais.

Os tubarões têm um papel crucial na saúde dos ecossistemas marinhos, incluindo os arrecifes de coral, destacou Anisha Grover, chefe de políticas sobre oceanos e costas do World Future Council, com sede na cidade alemã de Hamburgo.

Os tubarões são considerados uma espécie-chave na manutenção da rede alimentar marinha. Comem peixes doentes e fracos. Havendo menos tubarões, os arrecifes de coral e outras partes do oceano se degradam, alertam cientistas. A população de Palau reconhece a importância dos tubarões para a saúde de seus mares. E sabe muito bem que o turismo gera muito mais renda do que a pesca, disse Grover à IPS desde Hyderabad.

Pescar 100 tubarões de arrecife renderia ao governo palauano US$ 10.800 de uma só vez, segundo demonstrou o estudo australiano "Procurados vivos ou mortos? O valor relativo dos tubarões de arrecife como recurso pesqueiro e como bem ecoturístico de Palau". Esses mesmos 100 tubarões de arrecife visitados por turistas geram renda anual de US$ 18 milhões. Estes animais podem viver entre 10 e 25 anos. Segundo Grover, "Palau está demonstrando que os tubarões valem muito mais vivos do que mortos".

Mas, patrulhar o vasto refúgio é um grande desafio para esse país, reconheceu Heather Ketebengang, uma palauana integrante do Fórum Juvenil Internacional Go4BioDiv e que participou da COP 11. "Temos apenas um barco-patrulha. O Japão acaba de nos dar outro. Não contamos com recursos. Seria grandioso ter a assistência de outros países", disse à IPS. Um dos grandes problemas é a prática de pesca chamada "finning".

Os pescadores interessados em comercializar as barbatanas, para economizar espaço em suas embarcações muitas vezes cortam essas extremidades dos tubarões e os devolvem vivos ao mar para que morram sangrando ou asfixiados, já que por não poderem nadar são impedidos de respirar por suas guelras. "Mesmo antes de existir o refúgio, quando detínhamos um barco ilegal cheio de barbatanas as queimávamos e multávamos os pescadores ilegais" contou Ketebengang.

Os palauanos não estavam conscientes do problema, mas agora entendem a importância dos tubarões para a rede de alimentação marinha e querem protegê-los, afirmou Ketebengang. Os próprios moradores estão encarregados de administrar e fazer respeitar as restrições nos 35 arrecifes e lagoas protegidas. Palau tem como meta proteger 30% do meio ambiente marinho próximo à costa e 20% do meio ambiente terrestre até 2020.

As comunidades e os Estados que formam o arquipélago administram essas áreas de maneira tradicional, mas com apoio financeiro, técnico e institucional do governo. "Restringir ou proibir a pesca era difícil no começo, mas as pessoas agora entendem que é pelo nosso próprio futuro. É a única maneira de manter os peixes ali. Nossas políticas serão boas para meus netos. Os peixes são muito importantes em Palau", afirmou Ketebengang. Envolverde/IPS (FIN/2012)

 
Terramérica - Meio Ambiente e Desenvolvimento
  Mais noticias
News in RSS
 Sri Lanka recorre e métodos ancestrais contra a mudança climática
 Salva-vidas afunda ainda mais a Grécia
 Ampliação de estrada atenta contra patrimônio cultural indiano
 A ignorada faceta produtiva da cannabis
 DESTAQUES: Código de barras até em colmeias
 REPORTAGEM: Estrada no Parque Nacional do Iguaçu pode acabar em impasse
 "Quando a corda da desigualdade se rompe, você tem uma crise política"
 Direitos femininos serão eixo de reunião do UNFPA em Montevidéu
 Preocupa que tensão entre Rússia e Estados Unidos afete negociação nuclear
 Trabalhadores espanhóis vítimas de disputa entre Madri e Gibraltar
MAIS>>
  Latest News
News in RSS
 U.S. to Create National Plan on Responsible Business Practices
 Militarising the Ebola Crisis
 Iraq Looking for an ‘Independent’ Sunni Defense Minister
 Zero Nuclear Weapons: A Never-Ending Journey Ahead
 Championing Ocean Conservation Or Paying Lip Service to the Seas?
MORE >>
  Ultimas Noticias
News in RSS
 Panamá, un país y un canal con dos velocidades de desarrollo
 Ãfrica tendrá una presencia mínima en negociaciones climáticas
 Los pobres se marchitan bajo el sol abrasador de Sri Lanka
 La militarización de la epidemia del ébola
 Vaca Muerta, la nueva frontera del desarrollo argentino
MÁS >>